Antologia Litúrgica

  • Uploaded by: Lindolfo Euqueres
  • 0
  • 0
  • last month
  • PDF

This document was uploaded by user and they confirmed that they have the permission to share it. If you are author or own the copyright of this book, please report to us by using this DMCA report form. Report DMCA


Overview

Download & View Antologia Litúrgica as PDF for free.

More details

  • Words: 30,842
  • Pages: 79
Loading documents preview...
ANTOLOGIA LITÚRGICA TEXTOS LITÚRGICOS, PATRÍSTICOS E CANÓNICOS DO PRIMEIRO MILÉNIO

ANTOLOGIA LITÚRGICA TEXTOS LITÚRGICOS, PATRÍSTICOS E CANÓNICOS DO PRIMEIRO MILÉNIO

SECRETARIADO NACIONAL DE LITURGIA FÁTIMA

IMPRIMATUR Porto, 3 de Dezembro de 2003 40º aniversário da Sacrosanctum Concilium

✍ ANTÓNIO MARIA BESSA TAIPA

Presidente da Comissão Episcopal de Liturgia

Recolha de textos, tradução e organização da obra:

JOSÉ DE LEÃO CORDEIRO Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor.

© Secretariado Nacional de Liturgia Santuário de Fátima Apartado 31 2496-908 FÁTIMA

Impressão e acabamento: G.C.– Gráfica de Coimbra, Lda.

Depósito Legal nº 206388/04 ISBN 972-8286-71-6 APRESENTAÇÃO O ensino da Liturgia exige, a professores e alunos, a consulta de inúme ras obras antigas. Prova disso é a frequente citação de tais obras nas notas de rodapé dos manuais de Liturgia mais conhecidos e utilizados entre nós, antes e depois do Concílio Vaticano II1. Acontece, porém, que nem todas as bibliote cas das nossas Escolas de Estudos Teológicos as possuem. Que fazer em tal situação? Este livro é uma pequena resposta a tal pergunta. Aliás, a cultura litúrgica do terceiro milénio não pode dispensar o conhecimento do muito que os Padres da Igreja, os Concílios e outros autores do primeiro milénio ensinaram ou decidiram a propósito da Liturgia. Pensamos que a consulta desta antologia poderá prestar algum serviço a quem desejar beber

das nascentes mais primitivas deste grande rio. Que escolhas fazer ao elaborar uma ANTOLOGIA LITÚRGICA DO PRIMEIRO MILÉNIO? Acabámos por seguir a orientação sugerida pelas notas de rodapé dos compêndios de Liturgia, donde resultou uma colectânea simultaneamente rica e prática, mas que é uma simples colectânea. Não se lhe peça o que ela não é. Foi preciso traduzir a maior parte dos textos que se apresentam. Para o fazer servimo-nos das suas versões eventualmente já existentes nas línguas modernas, mas consultando sempre o original, a fim de esclarecer o sentido de palavras ou frases obscuras. Neste trabalho, bem como na leitura e revisão de todo o texto, o senhor Cónego Manuel da Silva Gaspar deu-nos uma ajuda preciosa. Deus lhe pague. Em nota citam-se alguns textos em latim e eventualmente algumas palavras em grego. Fizemo-lo sempre que isso nos pareceu de particular interesse. O ideal teria sido publicar todos os documentos nas suas línguas originais. Durante a fase da recolha de textos foram-nos facultados alguns dos Esquemas celebrativos distribuídos aos Padres do Concílio Vaticano II. Apesar de tais esquemas pertencerem ao final do segundo milénio, achámos que os devíamos incluir nas últimas páginas da colectânea, pelo interesse que têm para o estudo das Liturgias Orientais. Bendito seja Deus Pai. Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo. Ilumine-nos o Espírito Santo, o Dom de Deus. Mãe da Igreja, rogai por nós. José de Leão Cordeiro

1

Antes do Vaticano II: DOM ANTÓNIO COELHO, Curso de Liturgia Romana, 2 vol., Mosteiro de Singeverga 1941; M. RIGHETTI, Storia Liturgica [BAC, Historia de la Liturgia, 2 vol.], Madrid 1955-1956; L. EISENHOFER, Compêndio de Liturgia Católica, Herder, Barcelona 1956; I. H. DALMAIS, Initiation à la Liturgie, Desclée, Paris 1958; J. A. JUNGMANN, Missarum Sollemnia, 2 vol. [BAC, El Sacrificio de la Misa], Madrid 1959; A. G. MARTIMORT, L’Église en Prière, Desclée, Paris 1961; J. A. JUNGMANN, A Liturgia da Igreja, Livraria do Apostolado da Imprensa, Porto 1962. Depois do Vaticano II: A. G. MARTIMORT, A Igreja em Oração, Mosteiro de Singeverga 1965; S. MARSILI, Anámnesis, 8 vol., Marietti, Torino 1974; A. G. MARTIMORT, L’Église en Prière (édition nouvelle), 4 vol., Desclée, Paris 1984; J. A. ABAD IBÁÑEZ-M. GARRIDO BONAÑO, Iniciación a la Liturgia de la Iglesia, Palabra, Madrid 1988; A. G. Martimort, A Igreja em Oração, 4 vol., Vozes, Petrópolis 1989; S. MARSILI, Anámnesis, 8 vol., Paulinas, São Paulo 1989; D. BOROBIO, La celebración en la Iglesia, 3 vol., Sigueme, Salamanca 1991; J. L. MARTÍN, La Liturgia de la Iglesia, BAC, Madrid 1994; M. AUGÉ, Liturgia, Centre de Pastoral Litúrgica, Barcelona 1995; A. J. CHUPUNGCO, Scientia Liturgica, 5 vol., Pontificio Istituto Liturgico Sant’Anselmo, Piemme, Roma 1999-2000.

LISTA DAS SIGLAS CITADAS EM NOTA

AAA Acta Apostolorum Apocrypha, R. LIPSIUS-M. BONNET M., 3 vol., Leipzig 1899-1959. AAS Acta Sanctorum, Bruxelas 1894. AI Livraria Apostolado da Imprensa, Porto 1955.

BA Bibliotheca Augustiniana. BAC Biblioteca de Autores Cristianos, Madrid 1940 s. BB Breviarium Bracarense, 4 vol., Roma 1920-1922. CA Constitutiones Apostolorum, F. X. FUNK, Paterbornae 1905, Turim 19622. CCL Corpus Christianorum collectum a monachis O.S.B. abbatiae S. Petri in Steenbrugge, Series Latina. Turnhout-Brepols 1954 s. CECSL Consilium ad exsequendam Constitutionem de sacra Liturgia. CH Canones Hippolyti, in J.M. HANSSENS, La Liturgie d’Hippolyte, Roma 1970. CIG Corpus Inscriptionum Graecorum, A. KIRCHOFF-H. ROCHL, 4 vol. Berlim 1825-1877. CLV Centro Liturgico Vincenziano, edizioni liturgiche, Roma 1996. CNE Città Nuova Editrice. COLIBRI Edições Colibri, Lisboa 1998. Cp cod. Parisinus 12052. CPL Clavis Patrum Latinorum [SE], E. DEKKERS, Brugge 1961. CSEL Corpus scriptorum ecclesiasticorum Latinorum, edictum consilio et impensis Academiae litterarum... Vindobonensis, Vienne, Tempsky 1866 s. Cv Cod. Vat. Pal. F. 6, 7. DA Didascalia Apostolorum, F. X. FUNK, Paterbornae 1905. DACL Dictionnaire d’archéologie chrétienne et de liturgie, publicado sob a direcção de F. CABROL, H. LECLERQ (et H. MARROU), Letouzey et Ané, 30 vol., Paris 1907-1953. DAW Denkschriften der kaiserl. Akademie der Wissenschaften 19, Viena 1870. DDC Dictionnaire de Droit Canonique, publicado sob a direcção de R. NAZ, Paris 1935 s. DENZ Enchiridion symbolorum, definitionum et declarationum de rebus fidei et morum, quod primum edidit H. DENZINGER et quod funditus retractavit... A. SCHÖNMETZER, 38ª ed., Barcelona, Herder 1999. DTC Dictionnaire de Théologie Catholique, 15 vol., Paris, 1909-1950. 1971- 1972. 8 ÍNDICE GERAL EM Eu )xolo /gion to\ me /ga (=Roma 1873); cf. Pontificio Istituto Liturgico Sant’Anselmo, Scientia Liturgica IV, direzione di A. J. CHUPUNGCO, Roma 2000. ERP Epistulae Romanorum Pontificum... a S. Hilaro usque ad Pelagium II, A. THIEL, Braunsberg 1868. ES Euchologium Serapionis, F. X. FUNK, Paterbornae 1905, Turim 19622. FCG Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 1991. FF Faculdade de Filosofia, Braga 1990. GC Gráfica de Coimbra, Coimbra. GCS Die Griechischen Christlichen Schriftsteller, der ersten Jahrhunderte, Leipzig 1897. HF Historia Francorum, W. A RNDT-B. KRUSCH-M. BONNET, MGH-Srm I, 1884- 1885. IN-CM Imprensa Nacional – Casa da Moeda, Lisboa 2000.

LH Liturgia das Horas. LMD La Maison-Dieu, Cerf, Paris 1945 s. LO Liber Ordinum, en usage dans l’Église wisigothique et mozarabe d’Espagne du V au XI siècle, M. FÉROTIN, Didot, Paris 1904, 19692. LP Liber Pontificalis, L. DUCHESNE (2ª ed. por C. VOGEL, E. DE BOCCARD), 3 vol., Paris 1955-1957. LQF Liturgiewissenschaftliche Quellen und Forsctungen, Münster 1928 s. MB Missale Bobiense, E. A. L OWE, The Bobbio Missal, A Gallican MassBook, HBS 53, London 1920. MB Missale Bracarense, Roma 1924. MFLP Missal Festivo Latino-Português. M G Missale Gothicum, [Rerum ecclesiasticarum documenta, series maior, Fontes, 5], H. M. BANNISTER, Londres, 1917-1919; L. C. MOHLBERG, Roma, Herder 1957, 19612. MGH-Cak Monumenta Germaniae Historica, S. III – Concilia Aevi Karolini, II, 1906. MGH-Ep Monumenta Germaniae Historica, I – Epistulae Merovingici et Karolini Aevi, 1892. 19572. MGH-Es Monumenta Germaniae Historica, I - Epistulae selectae, 1892. MGH-Le Monumenta Germaniae Historica, II – Leges, S II - Capitularia Regum Francorum, 1897. MGH-Srm Monumenta Germaniae Historica, I - Scriptores Rerum Merovingiarum, 1885 s. MGH-Ss Monumenta Germaniae Historica, IX – Scriptores, 1892. MHM Missale Hispano-Mozarabicum, Ordinario de la Misa del Rito Hispano Mozárabe – Oferencio – CONFERENCIA EPISCOPAL ESPAÑOLA - Arzobispado de Toledo 1991. LISTA DAS SIGLAS 9 OCP Orientalia Christiana Periodica, Instituto Oriental, Roma 1935 s. ODMA Ordo Divinae Missae Armenorum, Roma 1644. OR Ordines Romani, M. A NDRIEU, 5 vol., Louvain 1931-1961. 1960-19652. OS Orient Syrien, 12 vol., Paris 1956-1967. PAULISTAS Colecção Patrística, Lisboa 1960 ss. PAULUS Paulus, S. Paulo 1995. PG J. P. MIGNE, Patrologiae cursus completus, Series graeca, 161 vol., Paris Montrouge 1857-1866. PL J. P. M IGNE, Patrologiae cursus completus, Series latina, 221 vol., Paris Montrouge 1844-1864. PLS Patrologiae Latinae Supplementum, edid. A. Hamman, Paris 1958-1974. PO Patrologia Orientalis, editada primeiro por R. GRAFFIN-F. NAU, Firmin- -Didot, Paris, e depois por Turnhout, Brepols 1903 s.

PRG Pontificale Romano-Germanicum, C. VOGEL-R. ELZE, Le Pontifical romano germanique du Xè siècle, 3 vol. (ST 226, 227, 269), Città del Vaticano 1963-1972. PS Patrologia Syriaca, R. GRAFFIN, Paris 1894-1907. RB Revue Biblique. REDMF Rerum ecclesiasticarum documenta..., Series maior, Fontes, Herder, Roma 1955 s. RM RIMSKI MISAL, slovènskim Jezikom Presv. G. N. Urbana Papi VIII, Povelenjem Izdan; Missale Romanum, slavonico idiomate, Romae, Typis Polyglottis Vaticanis 1927. SBR Sancti Benedicti Regula, LINDERBAUER (FP 17), Bonn, 1904. SCH Sources Chrétiennes, Colecção dirigida por H. DE LUBAC-J. DANIELOU (depois por C. MONDÉSERT), Cerf, Paris 1942 s. SE Sacris Erudiri, Steenbrugge-Brugge 1948 s.. SA Sacramentarium Ambianensi, Ephemerides Liturgicae, Roma 1927. SGeA Sacramentarium Gelasianum Augiense, A. DOLD-A. BAUMSTARK, Das Palimpsest Sakramentar im Codex Augiensi, Beuron 1925; E. LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma 1979. SGeE Sacramentarium Gelasianum Engolismense, P. CAGIN, Le Sacramentaire Gélasien d’Angoulême, Angoulême 1918; E. LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma 1979. SGeG Sacramentarium Gellonense, Paris, Bibl. Nat., ms. Lat. 12048, A. DUMAS, Turnhout, Brepols 1981 (CCL 159); P. CAGIN, Bibl. EL. IV, Roma, 1938; E. MARTÈNE, De antiquis Ecclesiae ritibus; E. LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma 1979. 10 ÍNDICE GERAL SGeP Sacramentarium Gelasianum Pragense, A. DOLD, Das Prager Sakramentar, Beuron 1949; E. LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma 1979. SGeSg Sacramentarium Gelasianum Sangallense, L. C. MOHLBERG, Das Frankische Sakramentarium Gelasianum, in: Alemanischer Ueberlieferung, Münster 1939; E. LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma 1979. SGeV Sacramentarium Gelasianum Vetus, Liber sacramentorum Romanae Aeclesiae ordinis anni circuli Cod. Vat. Reg. Lat. 316/Paris. Bibl. Nat. 7193, L. C. MOHLBERG-L. EIZENHÖFER-P. SIFFRIN [Rerum ecclesias-ticarum documenta..., Series maior, Fontes, 4], Herder, Roma 1960. 19682. SGrH Sacramentarium Gregorianum Hadrianum, J. DESHUSSES, Le Sacramentaire Grégorien, [Spicilegium Friburgense 12], Fribourg 1971. SVe Sacramentarium Veronense, Manuscrito de Vérona, Bibl. Capitolare, LXXXV [80], L. C. MOHLBERG-L. EIZENHOFER-P. SIFFRIN [Rerum ecclesiasticarum

documenta, Series maior, 1], Herder, Roma 1955-1956, 19782. ST Studi e Testi, Roma e depois Città del Vaticano, Biblioteca Apostólica Vaticana 1900 s. TD Testamentum Domini, I. RAHMANI, Moguntia 1899. VC Vigiliae Christianae, Amsterdam 1947 s. VERBO Verbo, Lisboa, 1974 ss.

LISTA DOS AUTORES CITADOS EM NOTA

ALBERICO .................. A LBERICO, Decisioni dei Concili Ecumenici, Torino 1978. A LMEIDA ................... F. A LMEIDA, História da Igreja em Portugal, 4 vol., Barcelos 1971. ANDRIEU ................... M. A NDRIEU, Les Ordines Romani du haut Moyen Âge (OR), 5 vol., Louvain 1960-1965. ANDRIEU-COLLOMP ... M. A NDRIEU-P. COLLOMP, Fragments sur papyrus de l’Anaphore de saint Marc, em Revue de Sciences Religieuses 8, Estrasburgo 1928, 489-515). AUBIER ..................... A UBIER, Oeuvres complètes du Pseudo-Denys L’Aréopagite, Bibliothèque Philosophique, Paris 1941. AUDET ...................... J. P. A UDET, La Didaché – Instruction des Apôtres, Paris 1958. A UGÉ ........................ M. A UGÉ, Liturgia, Barcelona, Centre de Pastoral Litúrgica 1995. BANNISTER ................ H. M. BANNISTER, Missale Gothicum, Londres 1917-1919. BARÓNIO ................... BARÓNIO, Annales, ad annum 809. BISHOP ...................... E. BISHOP, Collectio Britanica, Clarendon, Oxford 1918. BLUME-DREVES ......... C. BLUME-G. M. DREVES, Analecta Himnica, Leipzig 1887-1907. BOON ........................ A. B OON, Pachomiana latina. Texte latin de S. Jerôme, Louvain 1932. BORETIUS .................. A. B ORETIUS, Capitularia regum Francorum I, 25, a partir de 742. BOROBIO ................... D. BOROBIO, La celebracion en la Iglesia, 3 vol., Sigueme, Salamanca 1991. BOTTE ....................... B. BOTTE, Fragments d’une anaphore inconnue attribuée a st. Ephiphane, Le Muséon 73, 1960. BOTTE ....................... B. BOTTE, La Tradition Apostolique d’Hippolyte de Rome. Essai de reconstitution, Münster 1963. BOTTE ....................... B. BOTTE, Problèmes de l’anaphore syrienne des apôtres Addaï et Mari, in Orient Syrien 10, fasc. 1, Paris 1965. BOUYER .................... L. BOUYER, Eucharistie, Desclée, Paris 1968. BRIGHTMAN ............... F. E. BRIGHTMAN, Liturgies Eastern and Western, I: Eastern liturgies, Clarendon, Oxford 1896, 19652. BRIGHTMAN ............... F. E. BRIGHTMAN, The Anaphore of Theodor, Journ. Theol. Stud. 31, 1930 160-164. BRUNS ....................... H. T. BRUNS, Canones Apostolorum et Conciliorum, Berlim 1839. BRUZZA ..................... BRUZZA, Regesto della Chiesa di Tivoli, 15-17. BUENO ......................

R. BUENO, Actas de los Mártires, BAC 75, Madrid 1968. CABIÉ ........................ R. CABIÉ, La Pentecôte. L’évolution de la cinquentaine pascale au cours des cinq premiers siècles, Desclée, Paris 1965. 12 ÍNDICE GERAL CABROL-LECLERQ ...... F. CABROL-H. LECLERQ, Monumenta Ecclesiae Liturgica, 2 vol., Paris 1914. CAPELLE .................... B. CAPELLE, Travaux Liturgiques, 2 vol., Louvain 1962. C. BONA ................ C. BONA, L’Apologia di Aristide, Roma 1950. CHABOT ..................... J. B. CHABOT, Synodicon orientale, Impr. Nation., Paris 1902. CHUPUNGCO ............... A. J. CHUPUNGCO, Scientia Liturgica, 5 vol., Pontificio Istituto Liturgico Sant’Anselmo, Piemme, Roma 1999-2000. COELHO .................... DOM ANTÓNIO COELHO, Curso de Liturgia Romana, 2 vol., Mosteiro de Singeverga 1941. COHN-WEN-REIT ...... L. COHN-P. WENDLAND-J. REITER, Fílon de Alexandria, 8 vol., Berlim 1896-1930. CONNOLY .................. R. H. CONNOLY, The Liturgical Homelies of Narsai, TaS VIII, Cambridge 1909. COQUIN ..................... R. COQUIN, Cânones de Hipólito, Didot, Paris 1965. CURETON ................... W. CURETON, London 1864. DALMAIS ................... I. H. DALMAIS, Initiation à la Liturgie, 1 Vol., Desclée, Paris 1958. DE ROSSI .................. G. B. DE ROSSI, Inscriptiones Christianae Urbis Romae, 2 vol., Roma 1857-1883. DESHUSSES ................ J. DESHUSSES, Le Sacramentaire Grégorien, Fribourg 1971. DIEHL ....................... E. DIEHL, Inscriptiones Latinae Christianae Veteres, 3 vol., Roma, 1857-1888, Berlim 19612. DORESSE .................... J. DORESSE, Noveaux textes gnostiques coptes... DORESSE-LANNE ........ J. DORESSE-E. LANNE, Un témoin archaïque de la Liturgie copte de st. Basile, Louvain 1960. EISENHOFER ............... L. EISENHOFER, Compêndio de Liturgia Católica, 1 vol., Herder, Barcelona 1956. EVERGETINOS ............. EVERGETINOS, Synagogê II, Veneza 1783. FELTOE ...................... C. L. FELTOE, Sacramentarium Leonianum, 19s. 58s. 91s., Cambridge 1896. FUNK ........................ F. X. FUNK, Euchologium Serapionis, Paterbornae, 1905, Turim 19622. FUNK-DIEKAMP ........ F. X. FUNK-F. DIEKAMP, Patres Apostolici, vol. I, Tubingae 1901; vol. II, Tubingae 1913. GOAR ......................... J. GOAR, Eu)xolo/gion sive Rituale Graecorum, Paris 1647, Veneza 17302, Graz 19603. HAMMAN ................... A. H AMMAN, Prières des premiers chrétiens, Paris 1952. 19812. HÄNGGI-PAHL ........... A. H ÄNGGI-I. PAHL, Prex Eucharistica, textus e variis liturgiis antiquioribus selecti, Fribourg 1968 (Spicilegium Friburgense 12).

HANSSENS .................. J. H. HANSSENS, Amalarii ep. opera liturgica omnia I (Opera minora), II (Liber officialis), III (De ecclesiasticis officiis), (ST 138-140). 3 vol., Città del Vaticano 1948-1950. 13 LISTA DOS AUTORES

HARDEN ..................... J. M. HARDEN, Journal of Oriental Studies, 1917 e 1919. HEFELE-LECLERCQ .... HEFELE-LECLERCQ, Histoire des conciles, Letouzey, Paris 1938. III, 1212. HEIMING ................... O. HEIMING, Anaphora syriaca sancti Iacobi fratris Domini, em Anaphorae syriacae II, Roma 1953, 139-176. HOHL ........................ E. HOHL, Historia Augusta, Scriptores, 2 vol., Leipzig 1927 19652. HORNER .................... G. HORNER, The statutes of the apostles, London 1904. HUBNER .................... HUBNER, Inscriptiones Hispaniae Christianae, 3. IBÁÑEZ-BONAÑO ....... J. A. A BAD IBÁÑEZ-M. GARRIDO BONAÑO, Iniciación a la Liturgia de la Iglesia, Palabra, Madrid 1988. JUNGMANN ................ J. A. J UNGMANN, Missarum Sollemnia, BAC, Madrid 1959. JUNGMANN ................ J. A. J UNGMANN, A Liturgia da Igreja, Livraria do Apostolado da Imprensa, Porto 1962. KHOURI-SARKIS ......... G. KHOURI-SARKIS, L’Anaphore syriaque de st. Jacques, in Orient syrien 4, 1959. KIRCH ....................... C. KIRCH, Enchiridion Fontium Historiae ecclesiasticae antiquae, 4ª ed., Freiburg in Brisgau 1933. KRIEGEL-HERMANN ... KRIEGEL-HERMANN, t. 2, Imperador Justiniano, Corpus iuris civilis KRUEGER ................... P. KRUEGER, Codex lustiniani. LAMBOT .................... C. LAMBOT, Colligera fragmenta, Beuron 1952; LAMBOT .................... C. LAMBOT, Novos Sermões de S. Agostinho, RB 49. 62. 1937 e 1952. LAMY ........................ TH. J. LAMY, Ephraem Hymni et Sermones, 4 vol., Malines 18821902. LANDERSDORFER ........ S. LANDERSDORFER, Tiago de Sarug, Homilia sobre a memória dos defuntos e o sacrifício eucarístico, Bibliotek der Kirchenväter 1912. LE BRUN ................... P. LE BRUN, Explication littérale, historique et dogmatique des prières et cérémonies de la messe, 4 vol., Paris 1716-1726; numerosas reedições, v.g. Explication de la messe, Lex Orandi 9, Paris, Cerf 1949. LEFORT ...................... LEFORT, 1941. LIPSIUS-BONNET ........ R. LIPSIUS-M. BONNET, Acta apostolorum Apocrypha: Acta Joannis 85. 109-110; Acta Thomae 165-166. 268-269; 3 vol., Leipzig 1899, 19032, 19593. LODI ......................... ENZO LODI, Enchiridion Euchologicum Fontium Liturgicorum, Roma, 1979.

LOWE ........................ E. A. L OWE, The Bobbio Missal, A Gallican MassBook, HBS 53, London 1920. 14 SIGLAS E ABREVIATURAS MABILLON ................. MABILLON, Iter Germanicum, ed. Veteres annales, 1685. MALDONADO .............. L. MALDONADO, La Plegaria Eucaristica. Estudio de teologia bíblica y litúrgica sobre la misa, BAC 273, Madrid 1967, 448450). MANSI ...................... J. D. MANSI, Sacrorum conciliorum nova et amplissima collectio, Florença-Veneza, 31 vol., 1759-1827; reimpressão e continuação, 53 vol. Paris-Leipzig 1901-1927, Graz 19602. MARSILI .................... S. MARSILI, Anàmnesis, 8 vol., Marietti, Torino 1974 [Paulistas, 8 vol., São Paulo 1989]. MARTÈNE .................. E. MARTÈNE, De antiquis Ecclesiae ritibus, 4 vol., Lyon-Rouen 1690-1706, Hildesheim 1967-19692. MARTIMORT .............. A. G. M ARTIMORT, L’Église en Prière, Desclée, Paris 1961 [Ora et Labora, Singeverga 1965]. MARTIMORT .............. A. G. M ARTIMORT, L’Église en Prière (Nouvelle édition), 4 vol., Desclée, Paris 1984 [Vozes, 4 vol., Petrópolis 1989]. MARTÍN .................... J. L. MARTÍN, La Liturgia de la Iglesia, BAC, Madrid 1994. MERCIER ................... B. C. MERCIER, La sainte liturgie de saint Jacques. Édition critique du texte grec avec traduction latine, in Patrologia orientalis, t. XXVI 2, Paris 1948. MOHLBERG ................ L. C. MOHLBERG, Missale Gothicum, [Rerum ecclesiasticarum documenta, series maior, Fontes, 5], Roma 1957, 19612. MOHLBERG ................ L. C. MOHLBERG, Sacramentarium Veronense, Herder, Roma 1956, 19662. MOH-EIZ-SIF ............ L. C. MOHLBERG-L. EIZENHÖFER-P. SIFFRIN, Liber sacramentorum Romanae Aeclesiae ordinis anni circuli (Cod. Vat. Reg. Lat. 316/Paris. Bibl. Nat. 7193) Sacramentarium Gelasianum, [Rerum ecclesiasticarum documenta..., Series maior, Fontes, 4]), Herder, Roma 1960, 19682. MOMMSEN ................. TH. MOMMSEN, Collectio librorum iuris anteiustiniani, Codex Theodosianus, Berlim 1890. MORIN ...................... G. MORIN, Césaire d’Arles, Opera omnia, 2 vo1., Maredsous 1937 (CCL 103-104, 1953 2). NIESE ........................ B. NIESE, Berlim 1887. PAUTIGNY ................. L. PAUTIGNY, Apologia I, Picard 1904. PÉRIER-DIDOT ........... J. PÉRIER-A. DIDOT, 1912 PERTZ ........................ M. G. PERTZ, Legum, III, 57 PITRA ........................ J. B. PITRA, Iuris Ecclesiastici Graecorum historia et monumenta, 2 vol., Roma 1864-1868. POUPARDIN ................ POUPARDIN, Picard 1913, GREGÓRIO DE TOURS, Historia Francorum PREUCHEN-GOLTZ ...... E. PREUCHEN-E. GOLTZ,

QUASTEN ................... J. QUASTEN, Patrologia I, BAC 206, Madrid 1961. QUASTEN ................... J. QUASTEN, Patrologia II, BAC 217, Madrid 1973. LISTA DOS AUTORES 15 TONNEAU ................... R. TONNEAU, Les Homélies catéchétiques de Théodore de Mopsueste (ST 145), Città del Vaticano 1949. RAES ......................... A. R AES, Anaphorae Syriacae, 2 vol., Roma 1940. RAHMANI .................. I. RAHMANI, Studia syriaca, Scharfé 1908 RAHMANI .................. I. RAHMANI, Testamentum Domini, Moguntia 1899. RENAUDOT ................ E. RENAUDOT, Liturgiarum orientalium collectio, Paris 1716; 2ª ed. mais corrigida, 2 vol., Frankfurt 1847. RICHARD ................... M. RICHARD, in Symbolae Osloenses, Oslo 1956. RIGHETTI ................... MÁRIO RIGHETTI, Storia Liturgica, 2 vol., BAC, Madrid 1955- 1956. RITZER ...................... K. RITZER, Le mariage dans les Églises chrétiennes, Cerf, Paris 1970. ROBERTS-CAPELLE .... C. H. ROBERTS-B. CAPELLE, An early euchologium,the Der-Baliseh papyrus enlarged and reedited, Louvain 1949. RUINART ................... TH. RUINART, Acta primorum Martyrum Sincera, Ratisbonne 1859. SACHAU ..................... SACHAU III, Corpus juris do Metropolita Isso, Berlim 1914. SAUGET ..................... J. M. SAUGET, em Anaphorae syriacae, t. 2, fasc. 3, 1973. SCHMITZ .................... H. J. SCHMITZ, Die Bussbücher und die Bussdisciplin der Kirche: Penitencial de Finião ou Vinião, 497-509; Penitencial de Beda, 556-562; Livro penitencial de São Columbano, 594-602; Poenitentiale Vallicellanum III; I, Moguntia 1883; II, Düsseldorf 1898, Graz 19582. SCHUSTER .................. M. SCHUSTER, Leipzig 1933. SEEBASS ..................... SEEBASS, Columbano, Regula SILVA-TAROUCA ........ SILVA-TAROUCA, Fontes hist. eccle. M. Aevi, 1. THIEL ........................ A. THIEL, Epistulae Romanorum Pontificum... a S. Hilaro usque ad Pelagium II, Braunsberg 1868. TONDELLI .................. L. TONDELLI, Le Ode di Salomone, Roma 1914. TURNER ..................... C. H. TURNER, Ecclesiae Occidentalis monumenta iuris antiquissima, 1/II/III, Oxford 1930. VASCONCELOS ............ J. L. VASCONCELOS, O Archeólogo Português, Lisboa 1897. VEILLEUX .................. A. V EILLEUX, La liturgie dans le cénobisme pachômien au quatrième siècle, Studia Anselmiana 57, Roma 1968. VERHEIJEN ................. L. VERHEIJEN, Ordo Monasterii, Paris 1967, Abbaye de Bellefontaine 19802; BAC 551, 550-590). VERHEIJEN ................. L. VERHEIJEN, Regula ad servos Dei, Paris, 1967, Abbaye de Bellefontaine 19802. VIVES ........................ J. VIVES, España cristiana, Concílios visigóticos e hispano romanos, Barcelona-Madrid 1963. VOGEL ....................... C. VOGEL, Le pécheur et la pénitence dans l’Église ancienne, Paris

1966. 16

SIGLAS E ABREVIATURAS

VOGEL ....................... C. VOGEL, Le pécheur et la pénitence dans l’Église au Moyen Âge, Paris 1969. VOGEL-ELZE ............. C. VOGEL-R. ELZE, Le Pontifical romano-germanique du Xè siècle, 3 vol., Città del Vaticano 1963-1972. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Die Bussordnungen der abendländischen Kirche: Penitencial de Finião ou Vinião, 108-119; Tratado das equivalências penitenciais, 139-140; Penitencial de Beda, 220230; Poenitentiale Haligtarii, 250-260; Livro penitencial de São Columbano, 352-360; Penitencial de Cumméan, 462-463; Penitencial do Pseudo-Teodoro, 622; Halle 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Liber penitentialis, Halle 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Penitencial de Beda, Halle 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Penitencial de Cumméan; Halle 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Penitencial de Finião ou Vinião, Halle, 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Penitencial do Pseudo-Teodoro, Halle 1851, Graz 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Poenitentiale Haligtarii, Halle 1851, Graz, 19582. WASSERSCHLEBEN ...... F. W. W ASSERSCHLEBEN, Tratado das equivalências penitenciais, Halle 1851, Graz 19582. WILMART .................. A. W ILMART, Epistula Iohannis diaconi ad Senarium, Analecta Reginensia [ST 59], Città del Vaticano 1933 1. Modena 19842. ZEPOS ....................... J. ZEPOS, Jus graeco-romanum, 3 vol., Atenas 1931. Z IWSA ....................... C. ZIWSA, De gesta apud Zenophilum, in CSEL, 26; MUNÁCIO FELIX, Actas Oficiais, BAC 75, Madrid 1975.

AUTORES E OBRAS DA ANTOLOGIA POR ORDEM ALFABÉTICA

A A doutrina dos Apóstolos (s. IV) .... 575 Abade Pambo (s. VII) .................... 1363 Actas dos mártires (s. II) ............. 161 Actas dos mártires (s. III) ............. 317 Actas dos mártires (s. IV) ............. 580

C Actos apócrifos (s. II) ................... 164 Actos apócrifos de Tomé (s. III) .. 320 Afraates, o Sábio Persa (s. IV) ..... 360 Agostinho de Hipona (s. V) .......... 691 Alcuíno (s. IX) ............................... 1450

Amalário de Metz (s. IX) ............. 1468 Ambrosiáster (s. IV) ...................... 466 Ambrósio de Milão (s. IV) ............ 516 Anáforas Orientais (s. V) .............. 1103 Anastácio Sinaíta, abade (s. VIII) . 1367 André de Creta (s. VIII) ................ 1376 Antigos documentos litúrgicos (s. V) ......................................... 1158 Aristides de Atenas (s. II) ............. 124 Arnóbio, o Jovem (s. V) ................ 1007 As Constituições Apostólicas (s. IV) ........................................ 409 Astério, o Sofista (s. IV) ............... 359 Atanásio de Alexandria (s. IV) ...... 385 Autor anónimo (s. X) .................... 1499 Avito de Viena (s. V) ..................... 649 B Barónio (s. IX) ............................... 1457 Basílio de Cesareia (s. IV) ............. 399 Basílio de Selêucia (s. V) ............... 1054 Beda Venerável (s. VIII) ................ 1374 Bento de Núrcia (s. VI) ................. 1211 Bonifácio (s. VIII) .......................... 1370 Cânones Apostólicos (s. IV)......... 569 Cânones de Hipólito (s. IV) .......... 368 Carlos Magno (s. IX)..................... 1458 Carta a Diogneto (s. II) ................. 156 Carta Cornutiana (s. V) ................. 1056 1 8 ÍNDICE GERAL

Carta dos Apóstolos (s. II) ........... 145 Cassiodoro (s. VI) .......................... 1218 Catholicos Isaac Sahak (s. V)........ 994 Cesário de Arles (s. VI) ................. 1178 Cipriano (s. III) .............................. 273 Cirilo de Alexandria (s. V)............. 998 Cirilo de Jerusalém (s. IV) ............ 470 Clemente de Alexandria (s. III) ..... 176 Clemente Romano (s. I)................. 84 Códice de Justiniano (s. IV) .......... 578 Códice de Teodósio (s. IV) ............ 578 Columbano (s. VI) .......................... 1227 Comentário à Carta de Inocêncio I (s. VIII) ............ 1444 Comodiano (s. IV) .......................... 326 Comunidades pacomianas (s. IV) . 365 Concílios (14) (s. IV)..................... 550 Concílios (15) (s. V) ...................... 1046 Concílios (30) (s. VI)..................... 1236 Concílios (16) (s. VII) ................... 1352 Concílios (9) (s. VIII) .................... 1439 Concílios (12) (s. IX) .................... 1479 Concílios (2) (s. X) ........................ 1498 Corpo de direito do Metropolita Isso (s. VIII) . 1438 Crodegango de Metz (s. VIII)....... 1434 Cromácio de Aquileia (s. V) .......... 587 Cumméan (s. VII)........................... 1364

D De uma antiga homilia de Sábado Santo (s. IV) ................ 576 Didaqué ou Doutrina dos Doze Apóstolos (s. I) ....................... 93 Didascália dos Apóstolos (s. III) . 244 Dídimo, o Cego (s. IV) .................. 549 Dionísio de Alexandria (s. III) ...... 313

Elbon, bispo de Reims (s. IX) ...... 1463 Epifânio de Salamina (s. V)........... 585 Epístola de Barnabé (s. II) ............ 117 Etéria (s. IV) ................................... 446 Eucológio Barberini (s. VIII) ......... 1448 Eucológio bizantino (s. VIII) ........ 1447 Eusébio de Alexandria (s. VI)........ 1161 Eusébio de Cesareia (s. IV) ........... 329 Eutíquio de Constantinopla (s. VI) ........................................ 1224 Evágrio Escolástico (s. VII) .......... 1288

E Efrém, diácono (s. IV) ................... 393

F

Fausto de Riez (s. V) ..................... 1060 Ferrando de Cartago (s. VI) .......... 1210 Filipe Bardesane (s. III) ................ 185 Fílon de Alexandria (s. I) ............... 82 Flávio Josefo (s. I) ......................... 83 Floro de Lião (s. IX) ...................... 1474 Frutuoso de Braga (s. VII) ............ 1343 Fulgêncio de Ruspas (s. VI) .......... 1172 Fúrio Dionísio Filócalo (s. IV) ..... 366 G Gaudêncio de Bréscia (s. V) .......... 641 Genádio de Marselha (s. VI) ......... 1165 Gerôncio (s. V)............................... 995 Grande Eucológio da Igreja bizantina (s. VIII) .................... 1445 Gregório de Nazianzo (s. IV)........ 498 Gregório de Nissa (s. IV) .............. 514 Gregório de Tours (s. VI) .............. 1229 H Haligtário, bispo de Cambraia (s. IX) ....................................... 1464 Hermas (s. II) ................................. 125 Hilário de Poitiers (s. IV) .............. 380 Hincmar de Reims (s. IX) ............. 1485 Hino lucernar (s. III) ...................... 315 Hipólito de Roma (s. III) .............. 228 I

Igreja de Esmirna (s. II) ................. 132 Ildefonso de Toledo (s. VII) .......... 1348 Ilídio de Noyon (s. VII) ................ 1345 Imperador Justiniano (s. VI) ......... 1170 Inácio de Antioquia (s. II) ............. 101 Inscrições cristãs (8) (s. I) ............ 100 Inscrições cristãs (2) (s. II)........... 160 Inscrições cristãs (7) (s. III) ......... 316 Inscrições cristãs (10) (s. IV) ....... 579 Inscrições cristãs (5) (s. V) ........... 1159 Inscrições cristãs (5) (s. VI) ......... 1281 Inscrições cristãs (9) (s. VII) ........ 1365 Ireneu de Lião (s. III) ..................... 167 Isidoro de Pelúsia (s. V) ................ 974 Isidoro de Sevilha (s. VII) ............. 1315 J Jerónimo (s. V)............................... 656 João Cassiano (s. V) ...................... 977 João Crisóstomo (s. V) .................. 592 João Damasceno (s. VIII) .............. 1378 João Diácono (s. V) ....................... 1065 João Jejuador (s. VI) ...................... 1278 João, diácono romano (s. IX) ........ 1484 Jonas de Bóbio (s. VII) .................. 1344 Jonas de Orleães (s. IX) ................ 1466 Júlio Fírmico Materno (s. IV)....... 370 Justino (s. II) .................................. 137

AUTORES E OBRAS 1

O L Lactâncio (s. IV) ............................. 327 Lamprídio (s. III) ........................... 272 Lanfranco (s. X) ............................. 1503 Leão VI, o Sábio (s. X) .................. 1487 Leôncio de Constantinopla (s. VI) ........................................ 1220 Libellus Pseudo-Ambrosiano

(s. IV) ........................................ 466 Liber Ordinum (s. VI) .................... 1263 Liber Pontificalis (s. VII) .............. 1321 Liciniano de Cartago (s. VII) ......... 1289 Liturgias Ocidentais Antigas (s. X) ......................................... 1505 Liturgias Ocidentais Actuais (s. XX) ...................................... 1626

9

Liturgias Orientais Antigas (s. X) ......................................... 1539 Liturgias Orientais Actuais (s. XX) ...................................... 1543 Livros Litúrgicos (s. IX) ............... 1453 M Mário Vitorino (s. IV) ................... 379 Martinho de Braga (s. VI) ............. 1225 Martinho I (s. VII) ......................... 1342 Martirológio Jeronimiano (s. VI) .. 1280 Máximo Confessor (s. VII) ........... 1346 Máximo de Turim (s. V) ................ 666 Melitão de Sardes (s. II) ................ 152 Minúcio Félix (s. II) ...................... 154 Missal de Bóbio (s. VIII) .............. 1371 Missal Gótico (s. VIII) .................. 1372 N Narsai de Nísibis (s. VI) ................ 1163 Nicetas de Remesiana (s. V) ......... 642 Nilo de Ancira (s. V)...................... 968 Odes de Salomão (7) (s. II) ........... 147 Optato de Milevo (s. IV) .............. 508 Orações Eucarísticas Ocidentais (s. V) ........................................ 1097 Ordines Romani (s. VIII) .............. 1381 Orígenes (s. III) .............................. 251 P

Paciano de Barcelona (s. IV) ......... 509 Pacómio (s. IV) .............................. 364 Paládio (s. V) .................................. 971 Papa Adriano I (s. VIII) ................ 1438 Papa Celestino I (s. V) .................. 972 Papa Dâmaso (s. IV) ...................... 467 Papa Estêvão II (s. VIII) ............... 1434 Papa Félix II (III) (s. V) ................ 1064 Papa Gelásio I (s. V) ..................... 1073 Papa Gregório II (s. VIII) .............. 1373 Papa Gregório III (s. VIII) ............ 1378 Papa Gregório Magno (s. VII) ...... 1290 Papa Inocêncio I (s. V) .................. 651 Papa João III (s. VI) ...................... 1224 Papa Leão IV (s. IX) ...................... 1472 Papa Leão Magno (s. V)................ 1019 Papa Nicolau I (s. IX) ................... 1476 Papa Pelágio I (s. VI)..................... 1223 Papa Sirício (s. IV)......................... 565 Papa Vigílio (s. VI)......................... 1221 Papa Zacarias (s. VIII) .................. 1433 Papa Zózimo (s. V) ....................... 655 Papiro de Der Baliseh (s. IV)........ 567 Paulino de Aquileia (s. IX)............ 1449 Paulino de Nola (s. V) ................... 969 Pedro Crisólogo (s. V) ................... 1008 Pedro de Alexandria (s. IV) ........... 325 Penitencial de Finião ou Vinião (s. VI) ....................... 1258 Penitencial Valicelano III (s. IX) .. 1457 Plínio, o Moço (s. II)..................... 115 Policarpo de Esmirna (s. II) .......... 129

2 0 ÍNDICE GERAL Pseudo-Epifânio (s. V) .................. 1015 Pseudo-Germano de Paris (s. VII) 1363 Pontifical Romano-Germânico Pseudo-Justino (s. II) .................... 145 (s. X) ......................................... 1492 Pseudo-Máximo de Turim Porfírio (s. III)................................ 315 (s. VIII) ..................................... 1444 Possídio (s. V)................................ 991 Pseudo-Teodoro (s. VIII) .............. 1377 Próspero de Aquitânia (s. V) ........ 1017 Prudêncio (s. V) ............................. 587 Q Pseudo-Atanásio (s. IV) ................ 392 Pseudo-Crisóstomo (s. IV) ........... 496 Quodvultdeus de Cartago (s. V) ... 1016 Pseudo-Dionísio Areopagita (s. V) .. 1086

R Rábano Mauro (s. IX) ................... 1473 Rábulas de Edessa (s. V) ............... 988 Reginão de Prum (s. X) ................. 1488 Regra do Mestre (s. VI) ................. 1171 Reverentius (s. V) .......................... 1006 Rodolfo de Burges (s. IX) ............. 1475 S Sacramentário de Ratolde (s. X) ... 1491 Sacramentário Gelasiano Antigo (s. VII) ......................... 1328 Sacramentário Gregoriano Hadriano (s. VII) ...................... 1362 Sacramentário Veronense ou Leonino (s. VII) .................. 1283 Sacramentários Gelasianos do século VIII (s. VIII) ........... 1435 Salviano de Marselha (s. V) .......... 1055 Sedúlio (s. V) .................................. 1011 Serapião de Themuis (s. IV) ......... 371 Sinésio de Cirene (s. V) ................. 648 Sisto III (s. V) ................................ 997 Sosímenes (s. V) ............................. 1012 Statuta Ecclesiae Antiqua (s. V) ... 1057

Teodoreto de Ciro (s. V) ............... 1052 Teodoro de Mopsuéstia (s. V) ...... 668 Teodoro, o Leitor (s. VI) ............... 1280 Tertuliano (s. III) ........................... 186 Testamento do Senhor (s. V) ........ 1079 Textos bíblicos do Antigo Testamento (s. I) ... 55 Textos bíblicos do Novo Testamento (s. I) ...... 58 Textos eucológicos hebraicos (s. I) .......................................... 37 Tiago de Sarug (s. VI) .................... 1166 Tietmar, bispo de Merseburgo (s. X) ......................................... 1502 Timóteo de Alexandria (s. IV)....... 469 Tratado das equivalências penitenciais (s. VI) .................. 1279 U Urânio (s. V)................................... 973 V Vicente de Lerins (s. V) ................. 986 Vida de Constantino Cirilo (s. IX) 1478 Vítor de Vito (s. V) ........................ 1063 Vitrício de Rouen (s. V) ................. 640 Z

T Targum sobre a Páscoa (s. IV) ...... 577 Teodolfo de Orleães (s. IX) .......... 1460

Zenão de Verona (s. IV)................. 383

ÍNDICE

Lista das siglas citadas em nota .... 7 Lista dos autores citados em nota 11 Autores e obras da antologia Textos eucológicos hebraicos A por ordem alfabética ................ 17 santificação em honra do Nome Índice de assuntos.......................... 21 SÉCULO I Antologia Litúrgica ........................ 35 Fracção do pão ............................... 70 Hinos

............................................... 71 de Deus (Qaddiš) ..................... 37 Bênçãos privadas durante o dia (Birkot ha-šahar) ..................... 37 As Dezoito Bênçãos (Šemonéh Essréh) .................... Santificação (Quidduš) .................. Birkat Ha-Mazon ........................... Rito da narração da Páscoa (Sédèr Haggadah Šèl Pèšat) ............... Bênçãos (Šema, Israel) .................. Escritos de Qumrãm ...................... 53

39 42 42 43 52

Textos bíblicos do Antigo Testamento Assembleia ...................................... 55 Bênçãos ........................................... 55 Cânticos .......................................... 56 Fórmulas rituais ............................. 56 Orações ........................................... 57

Horas do dia ................................... Igreja ................................................ Imposição das mãos ....................... Liturgia ............................................ Matrimónio ..................................... Ministério (Ordem) ....................... Oração ............................................. Palavras e expressões hebraicas.... Perdoar ............................................ Primeiro dia da semana .................. Saudações........................................ Súplicas ........................................... Unção .............................................. Viúvas.............................................. 80

71 72 73 74 74 75 76 77 77 77 78 79 80

Fílon de Alexandria Leis especiais.................................. 82 O Decálogo ..................................... 82 A vida contemplativa ..................... 82

Textos bíblicos do Novo Testamento Flávio Josefo Acção de graças .............................. 58 Antiguidades Judaicas ................... 83 A Aclamações ..................................... 59 guerra dos Judeus ....................... 83 Assembleia ...................................... 60 Baptismo ......................................... 60 Clemente Romano Bênçãos ........................................... 64 Carta aos Coríntios ........................ 84 Cânticos .......................................... 64 Confissões de fé ............................. 65 Dia Didaqué ou do Senhor ................................. 65 Doutrina dos Doze Apóstolos Instrução Doxologias ...................................... 65 do Senhor aos gentios ... 93 Espírito Santo (Dom do) ............... 66 Eucaristia ........................................ 67 Inscrições cristãs (8) ................... 100 Fórmulas (rituais e de oração) ...... 70 2 2 ÍNDICE DE ASSUNTOS SÉCULO II

Inácio de Antioquia Carta aos Efésios............................ 101 Carta aos Magnésios...................... 103 Carta aos Tralianos ........................ 106 Carta aos Romanos ........................ 107 Carta aos Filadelfos ....................... 110 Carta aos Esmirnenses................... 111 Carta a Policarpo ............................ 113

Carta de Plínio a Trajano ............... 115 Carta de Trajano a Plínio ............... 116 Epístola de Barnabé .................. 117 Aristides de Atenas Apologia .......................................... 124 Hermas O Pastor .......................................... 125

Plínio, o Moço Policarpo de Esmirna

Carta aos Filipenses....................... 129

Octávio ............................................ 154

Igreja de Esmirna

Carta a Diogneto ......................... 156

Carta sobre o martírio de São Policarpo ...................... 132

Inscrições cristãs

Justino Apologia I ....................................... 137 Apologia II ...................................... 141 Diálogo com Trifão ........................ 142 Pseudo-Justino

Inscrição de Abércio ....................... 160 Inscrição de uma criança ................ 160 Actas dos mártires

Mártires de Pérgamo ...................... 161 Mártires de Lião ............................. 161 Mártires da Sicília .......................... 161 Perguntas e respostas Martírio de Apolónio ..................... 162 aos Ortodoxos .......................... 145 Martírio de Justino ........................ 162 Carta dos Apóstolos ................... 145 Martírio de Pólio ............................ 163 Odes de Salomão (7) ................... 147

Actos apócrifos

Actos de João ................................. 164 Actos de Pedro ............................... 165 Sobre a Páscoa ................................ 152 Actos ou Evangelho de Filipe ....... 166

Melitão de Sardes

Minúcio Félix

SÉCULO III Clemente de Alexandria Ireneu de Lião Contra as heresias .......................... 167 Tertuliano Demonstração da pregação apostólica 174 Aos pagãos ..................................... 186 Tratado sobre a Páscoa .................. 175 Apologético .................................... 186 O Stromata .......................................... 176 O testemunho da alma ................... 192 Aos Pedagogo ..................................... 180 mártires ................................... 192 Os Poderá um rico salvar-se? .............. 183 espectáculos ............................. 193 O Proréptico ....................................... 184 Baptismo .................................... 194 A oração .......................................... 201 Sobre a prescrição dos hereges ..... 204 A moda feminina ............................ 206 A Filipe Bardesane Penitência .................................... 208 À ÍNDICE DE ASSUNTOS 2 3 Homilias sobre o sua esposa .................................. 211 O véu das virgens ........................... 215 Contra Marcião .............................. 215 A Primeiro Livro coroa ............................................ 217 A idolatria ....................................... 218 Diálogo sobre o destino ................. 185 Exortação à castidade ..................... 219 A ressurreição dos mortos............. 220 A

fuga na perseguição .................... 221 A Escápula ...................................... 221 A alma ............................................. 221 A castidade ...................................... 222 O casamento único ......................... 225 Sobre o jejum .................................. 226

Sobre a Páscoa ................................ 270 Sobre a oração ................................. 270 Disputa com Heraclides ................ 272

Hipólito de Roma

Cipriano

Tradição Apostólica ....................... 228 Comentário ao Génesis.................. 241 Comentário ao Cântico dos Cânticos 241 Comentário a Daniel ...................... 242 Refutação de todas as heresias ..... 243 Obra perdida ................................... 243

A Donato ......................................... 273 Os apóstatas................................... 273 Sobre a unidade da Igreja católica . 277 A Oração dominical ........................ 278 As obras e as esmolas.................... 281 Cartas (50) ...................................... 282 Exortação ao Martírio .................... 312

Didascália dos Apóstolos ............ 244 Orígenes Homilias sobre o Génesis.............. 251 Homilias sobre o Êxodo ................. 252 Homilias sobre o Levítico ............. 253 Homilias sobre os Números .......... 257 Homilias sobre Josué ..................... 259 Homilias sobre os Juízes............... 261 dos Reis .................................... 261 Comentário ao Cântico dos Cânticos .................................... 261 Comentário aos Salmos ................. 262 Homilias sobre Jeremias ................ 262 Comentários sobre São Mateus .... 262 Homilias sobre São Lucas ............. 263 Comentários ao Evangelho de São João ............................... 264 Comentários à Carta aos Romanos 265 Contra Celso ................................... 266 2 4 ÍNDICE DE ASSUNTOS SÉCULO IV

Lamprídio Vida de Alexandre Severo .............. 272

Dionísio de Alexandria Cartas (3) ........................................ 313 Porfírio Discurso contra os cristãos........... 315 Hino lucernar ............................... 315 Inscrições cristãs Inscrição de Pectório ..................... 316 Inscrição de crianças (6) ................ 316 Actas dos mártires Mártires de Cartago ....................... 317 Martírio de Cipriano ...................... 318 Martírio de Frutuoso ..................... 319 Actos apócrifos de Tomé ........... 320

Instituições divinas ........................ 327 Pedro de Alexandria Epístola canónica ........................... 325 Carta sobre Melécio ....................... 325 Comodiano Instruções ....................................... 326 Lactâncio

Eusébio de Cesareia História Eclesiástica ...................... 329 Comentários aos Salmos (6) .......... 351 Vida de Constantino ....................... 352 Sobre a Páscoa ................................ 354 Os mártires da Palestina ................ 356 A demonstração evangélica ............ 357 Os

louvores de Constantino .......... 358

Homilias (1) .................................... 384

Astério, o Sofista

Atanásio de Alexandria

Homilias sobre os Salmos (4) ....... 359

Cartas pascais (8) .......................... 385 Carta a Marcelino ........................... 387 Carta a Serapião ............................. 387 Apologias (3) .................................. 388 Sermão aos neófitos ....................... 390 Sobre a virgindade .......................... 390

Afraates, o Sábio Persa Exposições (7) ................................ 360 Pacómio Regra ................................................ 364 Comunidades pacomianas ......... 365 Fúrio Dionísio Filócalo Cronógrafo de 354 .......................... 366 Depositio Episcoporum ........... 366 Depositio Martyrum ................ 367 Cânones de Hipólito ................... 368 Júlio Fírmico Materno Sobre o erro das religiões profanas .. 370 Serapião de Themuis Eucológio ........................................ 371 Mário Vitorino Contra Ario ..................................... 379 Hilário de Poitiers Tratado sobre os Salmos (9) ......... 380 Contra Auxêncio ............................. 382

Pseudo-Atanásio Contra os Novacianos.................... 392 O sábado e a circuncisão ............... 392 Efrém, diácono Comentário sobre o Diatéssaron .. 393 Sermões na Semana Santa (2) ........ 393 Sermão de nosso Senhor ................ 395 Sobre o fim e a exortação ............... 396 Sermão para o ofício nocturno da Ressurreição do Senhor ........... 397 Hinos (3) ......................................... 397 Biografia de Efrém ......................... 398 Basílio de Cesareia O Espírito Santo ............................ 399 Homilias sobre os Salmos (2) ....... 403 Sobre o Baptismo (2) ..................... 404 Homilia do mártir Julita ................ 404 Cartas (8) ........................................ 405 A Regra mais breve ........................ 407

Zenão de Verona Tratados (5) .................................... 383 ÍNDICE DE ASSUNTOS

Papa Dâmaso As Constituições Apostólicas .... 409

Inscrições (14) ................................ 467

Etéria

Timóteo de Alexandria

Peregrinação ou Diário de Viagem .... 446

Respostas canónicas ...................... 469

Ambrosiáster

Cirilo de Jerusalém

Livro das questões do Antigo e do Novo Testamento ............ 466

Catequeses pré-baptismais (19) ... 470 Catequeses Mistagógicas (5) ........ 482

Libellus Pseudo-Ambrosiano .... 466

Pseudo-Crisóstomo

25

Homilias Pascais ............................ 496 Gregório de Nazianzo Sermões (14) ................................... 498 Cartas (2) ........................................ 507 Hino ................................................. 507

Sobre a Penitência .......................... 539 Sobre as virgens.............................. 542 Comentários aos Salmos (9) .......... 542 Sobre a morte de seu irmão Sátiro .... 544 Cartas (7) ........................................ 545 Dídimo, o Cego Sobre a Trindade ............................ 549

Optato de Milevo Contra Parmeniano, donatista ....... 508

Concílios (14) ............................... 550

Paciano de Barcelona Exortação à penitência ................... 509 Sermão sobre o baptismo .............. 512 Cartas .............................................. 512 Gregório de Nissa Homilia sobre o Cântico dos Cânticos .................................... 514 Homilia sobre os que adiam o baptismo ................................ 514 Homilia para o dia das luzes ......... 514 Sermão na santa Páscoa ................. 515 Sermão da Ascensão ....................... 515 Ambrósio de Milão

Papa Sirício Cartas (4) ........................................ 565 Papiro de Der Baliseh ................ 567 Cânones Apostólicos ................... 569 A doutrina dos Apóstolos ............ 575 De uma antiga homilia de Sábado Santo .................... 576

Targum sobre a Páscoa ............... 577 Códice de Justiniano .................. 578 516 Códice de Teodósio ...................... 578 517 Inscrições cristãs (10) ................. 579 517 517 Actas dos mártires 519 Testemunhos relacionados 519 com os mártires........................ 580 528 Actas de Saturnino 538 e outros mártires africanos ..... 581 539 539

Sobre Abraão .................................. Sobre Elias e o jejum ...................... Apologia de David ......................... Comentário ao Evangelho de Lucas . Sobre o Espírito Santo ................... Os Sacramentos .............................. Os Mistérios .................................. Hexameron ...................................... A história de Nabot ........................ Os ofícios dos ministros ............... 2 6 ÍNDICE DE ASSUNTOS SÉCULO V

Cromácio de Aquileia Epifânio de Salamina

Sermões (11)................................... 587 Heresias........................................... 585 Homilia pascal ................................ 586 João Crisóstomo Carta ................................................ 586 Oito catequeses baptismais........... 592 Três catequeses baptismais........... 606 Prudêncio Diálogo sobre o sacerdócio ............ 611 As coroas ........................................ 587 Homilias sobre Deus incompreensível, contra os anomoeos (4) ........... 613

Demonstração contra os Judeus e os Catequese aos competentes................... 642 Pagãos ............................... 616 Homilias contra os Judeus (2) ...... 616 Homilia no Sinésio de Cirene dia de Natal do Senhor .. 617 Homilia Carta ................................................ 648 para o primeiro dia do ano . 617 Homilia sobre o baptismo de Cristo 617 Homilia Avito de Viena sobre o sepulcro e a cruz .... 618 Homilia Cartas (2) ........................................ 649 sobre o santo domingo de Páscoa (2) ............................ 619 Homilia sobre o Papa Inocêncio I santo Pentecostes .. 619 Homilia sobre a Cartas (7) ........................................ 651 obscuridade Papa Zózimo das profecias ............................ 620 Homilias sobre o Génesis (4)........ 620 Decreto ............................................ 655 Homilias sobre Santa Ana (2) ....... 621 Carta ................................................ 655 Homilias sobre os Salmos (4) ....... 622 Jerónimo Homilias sobre Isaías (2)............... 623 Homilias sobre São Mateus (9) .... 625 Comentário aos Salmos (13) ......... 656 Homilias sobre o início dos Actos Comentário ao profeta Isaías ........ 656 dos Apóstolos (1) .................... 628 Comentário ao profeta Jeremias ... 657 Homilias sobre a primeira Carta aos Comentário ao profeta Ezequiel ... 657 Coríntios (5) ...................... 628 Homilias sobre a segunda Carta aos Coríntios (4) ...................... 630 Homilia sobre a Carta Comentário ao Evangelho aos Efésios 632 Homilia sobre a Carta aos Filipenses........................... 633 ÍNDICE DE ASSUNTOS 2 7 A graça de Cristo Homilias sobre a Carta aos Colossenses (2) ................. 633 de Mateus................................. 658 Homilia sobre a segunda Carta Comentário à Carta aos Gálatas ... 658 aos Tessalonicenses ................. 634 Homilias (2) .................................... 659 Homilias sobre a primeira Carta a Diálogo do Luciferiano Timóteo (3) ........................... 634 e do Ortodoxo .......................... 660 Homilias sobre a segunda Carta a Timóteo Contra Joviniano ............................ 660 (2) ........................... 635 Homilias sobre a Cartas (16) ...................................... 661 Carta Contra Vigilâncio ............................ 664 aos Hebreus (4) ........................ 636 Livro contra João de Jerusalém .... 665 Homilia sobre a esmola .................. 637 Homilia sobre o tempo actual ....... 638 Máximo de Turim Homilia sobre o Diabo tentador ... 639 Homilias (7) .................................... 666 Vitrício de Rouen

Teodoro de Mopsuéstia Em louvor dos Santos .................... 640 Comentário ao Evangelho

de Mateus................................. 668 Comentário ao Evangelho Tratados pascais sobre o Êxodo ... 641 de João ...................................... 668 Homilia pascal ................................ 641 Comentário à primeira Carta aos Coríntios ............................ 668 Nicetas de Remesiana Homilias catequéticas (16) ............ 669 Gaudêncio de Bréscia

Agostinho de Hipona A dimensão da alma ....................... 691 Os costumes da Igreja Católica ..... 691 A fé e o Símbolo ............................. 693 Salmo contra a seita de Donato .... 696 O livre arbítrio ................................ 699 Contra Fausto, o maniqueu ........... 700 O Baptismo .................................... 702 Confissões ...................................... 706 Regra de Santo Agostinho ............. 722 O Ordo Monasterii ........................ 722 A Catequese a principiantes ......... 723 Contra as cartas de Petiliano ......... 736 Contra o gramático Crescónio ....... 738 A adivinhação diabólica ................. 738 O Espírito e a letra ......................... 738 O perdão dos pecadores e o baptismo das crianças ....... 739 A fé e as obras ................................ 743 Comentário literal ao Génesis ....... 748 Comentários aos Salmos................ 749 Comentário à primeira Epístola de João ...................................... 782 e o pecado original ................... 782 Tratados sobre o Evangelho de João (24) .............................. 784 A Trindade ...................................... 797 Contra Juliano ................................ 799 Enquirídio a Lourenço ................... 799 A piedade para com os defuntos .. 800 A cidade de Deus............................ 802 A doutrina cristã ............................. 808 As Revisões .................................... 811 Cartas (56) ...................................... 812 O 2 8 ÍNDICE DE ASSUNTOS

dom da perseverança ................. 858 Sermões (201)................................. 859 Novos sermões de S. Agostinho ... 967 Nilo de Ancira Cartas (4) ........................................ 968 Paulino de Nola Poemas (4) ...................................... 969 Cartas (4) ........................................ 970 Paládio História Lausíaca ............................ 971 Papa Celestino I Cartas (3) ........................................ 972 Urânio Cartas .............................................. 973 Isidoro de Pelúsia Cartas (7) ........................................ 974 João Cassiano Instituições Cenobitas ................... 977 Conferências (8) ............................. 982 Vicente de Lerins Primeira Exortação ......................... 986 Rábulas de Edessa Cânones para sacerdotes e clérigos .. 988 Carta ao bispo Gemelino ............... 988

Vida de Santa Melânia ................... 995 Hinos aos fiéis defuntos................ 990 Hinos eucarísticos.......................... 990 Possídio Vida de S. Agostinho ...................... 991 Catholicos Isaac Sahak Cânones........................................... 994 Gerôncio

Sisto III Inscrições (2) .................................. 997 Cirilo de Alexandria A adoração Comentário Comentário Comentário Comentário

em espírito e verdade . 998 ao Génesis.................. 999 ao Êxodo ..................... 1000 ao Levítico ................. 1000 a Habacuc ................... 1000

Comentário a Sofonias................... 1001 Comentário a Zacarias ................... 1001 Comentário a Malaquias................ 1001 Comentário a São Mateus ............. 1002 Comentário ao Evangelho de Lucas .................................... 1002 Comentário ao Evangelho de João ... 1003 Contra os Antropomorfitas........... 1004 Homilia no Concílio de Éfeso ....... 1004 Cartas pascais (4) .......................... 1005 Carta a Calosírio ............................. 1006 Reverentius Vida de Hilário ................................ 1006 Arnóbio, o Jovem Comentários aos Salmos (5) .......... 1007 Pedro Crisólogo Sermões (9) ..................................... 1008 Sedúlio Hino pascal ..................................... 1011 Obra pascal ..................................... 1011 Sosímenes

Capítulos das autoridades ou Indículo ............................... 1017 Contra Collatorem .......................... 1018 Cartas .............................................. 1018 Papa Leão Magno Sermões para o Natal (10) ............. 1019 Sermões para a Epifania (2) .......... 1024 Sermão para a Anunciação ............. 1025 Sermões da Quaresma (9) .............. 1025 Sermões sobre a Paixão (6) ............ 1029 Sermões para a Ascensão (2) ........ 1030 Sermões sobre o jejum do Pentecostes (4) ................... 1031 Sermões sobre o jejum do sétimo mês (4) .................... 1032 Sermões sobre o jejum do décimo mês (4) .................... 1033 Sermões sobre os Santos (3) ......... 1035 Sermões sobre a ordenação (5) ...... 1036 Cartas (13) ...................................... 1039 Concílios (15) ............................... 1046 Teodoreto de Ciro

História Eclesiástica ...................... 1052 História Religiosa ........................... 1052 Heresias comparadas ..................... 1052 Pseudo-Epifânio Terapêutica das doenças helénicas ... 1053 Anáfora atribuída a Santo Epifânio .. 1015 Carta ................................................ 1053 História Eclesiástica ...................... 1012

Basílio de Selêucia

Quodvultdeus de Cartago

Sermões (3) ..................................... 1016 Homilia Pascal ................................ 1054 Salviano de Marselha

Próspero de Aquitânia O chamamento de todos os povos 1017

Carta Cornutiana ........................ 1056 Statuta Ecclesiae Antiqua ............. 1057 Fausto de Riez

O governo de Deus......................... 1055 ÍNDICE DE ASSUNTOS 2 9

Vítor de Vito História da perseguição vandálica .... 1063 Papa Félix II (III) Carta ................................................ 1064

Sermões (2) ..................................... 1060 João Diácono Homilia para o Pentecostes........... 1062 Carta a Senário de Ravena ............. 1065 Carta a Paulino de Bordéus ........... 1062

Papa Gelásio I Súplica litânica do Papa Gelásio ... 1073 Cartas (7) ........................................ 1075 Tratado sobre o perdão dos pecados .............................. 1077 Decreto Gelasiano .......................... 1077 Fragmentos dos Dicta do Papa Gelásio ....................... 1078 Testamento do Senhor ................ 1079 Pseudo-Dionísio Areopagita A hierarquia eclesiástica ................ 1086 Orações Eucarísticas Ocidentais Oração eucarística de Hipólito de Roma ............... 1097 Oração eucarística de Ambrósio de Milão ............. 1098 Oração eucarística do Rito Galicano ...................... 1099 Oração eucarística do Rito Toledano ou Hispânico ... 1099 Oração eucarística do Rito Celta ............................ 1099 Cânone Romano ............................. 1100 Anáforas Orientais

Anáfora Grega de São João Crisóstomo .......... 1119 Anáfora Antioquena de Teodoro de Mopsuéstia ..... 1122 Anáfora Grega de São Basílio de Cesareia ....... 1124 Anáfora Siríaca de Tiago ............... 1129 Anáfora Siríaca do Testamentum Domini ......... 1131 Anáfora de São Pedro ou Sharar ... 1132 Anáfora Grega de Tiago, irmão do Senhor ....................... 1134 Anáfora Grega de São Cirilo de Jerusalém ...... 1139 Anáfora de Der Baliseh ................. 1140 Anáfora Copta de São Basílio de Cesareia ....... 1141 Anáfora Grega Alexandrina do Evangelista São Marcos ..... 1143 Anáfora do Sacramentário de Serapião ............................... 1147 Anáfora Copta Alexandrina de São Cirilo ............................. 1147 Anáfora Copta de São Gregório .... 1150 Anáfora Etíope de Nosso Senhor . 1153 Anáfora Etíope de Nossa Senhora 1154 Anáfora do Pseudo-Epifânio ......... 1154 Anáfora Arménia ............................ 1155

Anáfora Caldaica dos Apóstolos Addai e Mari ... 1103 Antigos documentos litúrgicos O Anáfora Caldaica de Teodoro ........ 1108 Ordo e os cânones das Anáfora de Nestório ...................... 1111 Ordenações na santa Igreja ...... 1158 Anáfora das Constituições Apostólicas .............................. 1115 Inscrições cristãs (5) ................... 1159 Anáfora Siríaca dos Doze Apóstolos I ............. 1116 3 0 ÍNDICE DE ASSUNTOS SÉCULO VI

Eusébio de Alexandria Sermão ............................................. 1161 Narsai de Nísibis Homilias litúrgicas (5) ................... 1163

Genádio de Marselha Os dogmas da Igreja ....................... 1165 Tiago de Sarug Homilia sobre a memória dos defuntos e o

sacrifício eucarístico .......... 1166 Columbano Imperador Justiniano Novellas (4) .................................... 1170

Regra ................................................ 1227 Livro penitencial ............................ 1227

Regra do Mestre ........................... 1171

Gregório de Tours

Fulgêncio de Ruspas A Mónimo ....................................... 1172 Cartas (2) ........................................ 1174 Contra Fabião ................................. 1175 A fé de Pedro .................................. 1177

História dos Francos...................... 1229 Oito livros de milagres................... 1232 As virtudes de São Martinho ........ 1233 Em honra dos mártires................... 1233 Em honra dos Confessores............ 1234 Concílios (30) ............................... 1236

Cesário de Arles

Penitencial de Finião ou Vinião 1258

Sermões (61)................................... 1178 Regra das virgens............................ 1207 Regra dos monges........................... 1209 Vida do bispo Cesário de Arles..... 1210

Liber Ordinum ............................. 1263

Ferrando de Cartago Carta a Fulgêncio de Ruspas......... 1210

Tratado das equivalências penitenciais ............................ 1279

Bento de Núrcia

Martirológio Jeronimiano ......... 1280

Regra dos monges........................... 1211

João Jejuador ............................... 1279 Penitencial

Teodoro, o Leitor

Cassiodoro

História Eclesiástica ...................... 1280

Comentários aos Salmos (5) .......... 1218

Inscrições cristãs (5) ................... 1281

Leôncio de Constantinopla Homilias Pascais (2) ...................... 1220 Papa Vigílio Cartas (2) ........................................ 1221 Sacramentário Veronense Cartas (4) ........................................ 1223 ÍNDICE DE ASSUNTOS 3 1 SÉCULO VII

Papa Pelágio I

Eutíquio de Constantinopla Páscoa e Eucaristia ......................... 1224 Papa João III Cartas (2) ........................................ 1224 Jonas de Bóbio Martinho de Braga ou Leonino .............................. 1283 A instrução dos rústicos................ 1225 Capítulos ........................................ 1226 Evágrio Escolástico

História Eclesiástica ...................... 1288 Liciniano de Cartago Carta a Vicente de Ibiza ................. 1289 Papa Gregório Magno Homilias sobre o profeta Ezequiel 1290 Homilias sobre Job ........................ 1291 Homilias sobre os Evangelhos (5) 1291 Diálogos .......................................... 1293 Registo de Cartas (50) ................... 1299 Isidoro de Sevilha Etimologias ..................................... 1315 Ofícios eclesiásticos ...................... 1316 Carta a Leudefrede ......................... 1319 Regra de S. Isidoro ......................... 1320

Sacramentário Gregoriano Hadriano .................................. 1362 Abade Pambo Ditos................................................ 1363 Pseudo-Germano de Paris Exposição da Missa Galicana ....... 1363 Cumméan Penitencial ....................................... 1364 Resgate penitencial ........................ 1364 Inscrições cristãs (9) ................... 1365

Liber Pontificalis......................... 1321 Sacramentário Gelasiano Antigo 1328 Martinho I Cartas (2) ........................................ 1342

Anastácio Sinaíta, abade

SÉCULO VIII

Frutuoso de Braga Regra dos monges........................... 1343

Missal de Bóbio .......................... 1371 Vida de Santa Fara, Questões e respostas ..................... 1367 abadessa de Faremoutiers ....... 1344 Sermão da santa sinaxe .................. 1368 Ilídio de Noyon

Bonifácio

Homilia ............................................ 1345 Renunciações catecumenais........... 1370 Estatutos de São Bonifácio ........... 1370 Máximo Confessor Mistagogia ...................................... 1346 Ildefonso de Toledo O conhecimento do baptismo ....... 1348

Missal Gótico .............................. 1372 Papa Gregório II Cartas (2) ........................................ 1373

Concílios (16) ............................... 1352 3 2 ÍNDICE DE ASSUNTOS Carta a Egberto, bispo de York ..... 1376 Beda Venerável

André de Creta Homilia ............................................ 1374 Sermão ............................................. 1376 Comentário à Carta de S. Tiago .... 1374 Penitencial de Beda ........................ 1375 Pseudo-Teodoro

Penitencial ....................................... 1377 Resgate penitencial ........................ 1377 Capítulos de Teodoro .................... 1377

Crodegango de Metz

Papa Gregório III

Sacramentários Gelasianos do século VIII

Carta ................................................ 1378 João Damasceno Discurso sobre as imagens ............ 1378 Exposição sobre a fé ortodoxa ...... 1379 Ordines Romani OR I ................................................. 1381 OR II ............................................... 1392 OR III .............................................. 1392 OR IV .............................................. 1392 OR V ............................................... 1393 OR VII ............................................ 1394 OR IX .............................................. 1395 OR X ............................................... 1395 OR XI .............................................. 1396 OR XV ............................................ 1407 OR XVII ......................................... 1417 OR XXX B ..................................... 1420 OR XXXIV ..................................... 1425 OR XXXVI ..................................... 1428 Papa Zacarias

Regra dos Cónegos ......................... 1434

Sacramentário de Gelona ............... 1435 Sacramentário de Angoulême ......... 1435 Sacramentário de Saint-Gall .......... 1436 Sacramentário de Reichenau .......... 1436 Sacramentário de Praga .................. 1437 Corpo de direito do Metropolita Isso ............... 1438 Papa Adriano I Cartas (2) ........................................ 1438 Concílios (9) ................................. 1439 Comentário à Carta de Inocêncio I ......................... 1444 Pseudo-Máximo de Turim Homilia ............................................ 1444 Grande Eucológio da Igreja bizantina ................ 1445

Cartas (4) ........................................ 1433 Eucológio bizantino .................... 1447 Papa Estêvão II Respostas de Quiercy .................... 1434

Eucológio Barberini .................... 1448

SÉCULO IX Livros Litúrgicos Paulino de Aquileia Carta a Haistulfe ............................ 1449 Alcuíno Cartas (4) ........................................ 1450 Ritual da Unção dos enfermos ...... 1453 Sacramentário de Amiens............... 1453

Barónio ÍNDICE DE ASSUNTOS

3 3 Papa Leão IV

Anais ............................................... 1457 Penitencial Valicelano III .......... 1457

Carlos Magno Capitulares (9) ............................... 1458

Teodolfo de Orleães Carta pastoral ................................. 1460 Capitulares...................................... 1461 A ordem do baptismo .................... 1462 Ritual para acolher o penitente e fazer a confissão ................... 1462 Elbon, bispo de Reims

Concílios (12) ............................... 1479 João, diácono romano Vida de S. Gregório Magno ........... 1484 Hincmar de Reims Capitulares...................................... 1485 Cartas (2) ........................................ 1485

Carta a Haligtário, arcebispo de Cambraia ............ 1463 Haligtário, bispo de Cambraia Carta de Haligtário a Elbon ........... 1464 Penitencial de Haligtário ................ 1464 Jonas de Orleães

Leão VI, o Sábio

SÉCULO X

A instrução dos leigos.................... 1466 Amalário de Metz Liber officialis ................................ 1468 Concílios (2) ................................. 1498 Selecção do Ordinário Romano ..... 1470 Exposição da Missa ....................... 1470 Novella 74 ....................................... 1487 Primeira exposição de toda a Missa . 1470 Novella 89 ....................................... 1487 Carta sinodal ................................... 1472 Reginão de Prum Carta ao abade Honorato ............... 1472 Homilia sinodal .............................. 1473 O Ritual da Penitência pública ..... 1488 A disciplina eclesiástica ................. 1490 Rábano Mauro A instrução dos clérigos ................ 1473

Sacramentário de Ratolde ......... 1491 Pontifical Romano-Germânico . 1492

Floro de Lião Explicação da Missa ...................... 1474 Autor anónimo Carta a uma religiosa sobre a verdadeira e a falsa penitência ................... 1499 Rodolfo de Burges Capítulos ........................................ 1475 Tietmar, bispo de Merseburgo Crónica Papa Nicolau I

............................................ 1502

Cartas (2) ........................................ 1476 Lanfranco Vida de Constantino Cirilo ....... 1478

Tratado do segredo da confissão .. 1503

3 4 ÍNDICE DE ASSUNTOS Liturgias Ocidentais Antigas Rito

Ambrosiano ............................ 1505 Rito Galicano .................................. 1509 Rito Celta ........................................ 1515 Rito

Toledano ou Hispânico ......... 1519 Liturgias Ocidentais Actuais Rito Hispano-Moçárabe ................ 1526 Rito Bracarense .............................. 1533 Rito Romano em língua paleoeslava ou glagolítica ............................ 1536 Liturgias Orientais Antigas Estrutura da Divina Liturgia ......... 1539 Liturgias Orientais Actuais

Rito da Igreja Malancar ................. 1547 Rito da Igreja Siro-Antioquena ..... 1550 Rito da Igreja Antioquena dosMaronitas ........................... 1553 Rito Bizantino-Grego .................... 1555 Rito Bizantino-Romeno ................ 1559 Rito Bizantino-Russo .................... 1561 Rito Bizantino-Ucraniano ............. 1565 Rito Arménio .................................. 1570 Rito Copta Alexandrino ................. 1572 Rito Etíope ..................................... 1575

Rito Caldeu ou Rito Caldaico ....... 1543 TABELAS

IV Ofício Divino

I Liturgia Oriental Evolução até séc. VIII ............. 1580 II A Iniciação Cristã Família Antioquena Ocidental 1588 Família Antioquena Oriental ... 1592 III O Matrimónio Família Antioquena Ocidental 1596

Família Antioquena Oriental ... 1600 Família Antioquena Ocidental 1604 Família Antioquena Oriental ... 1606 V A Divina Liturgia Oriental Família Antioquena Ocidental 1608 Família Antioquena Oriental ... 1618

MAPAS Geografia do primeiro milénio ...... 1630

ÍNDICES Índice analítico ............................... 1637 Índice geral ...................................... 1771

ANTOLOGIA LITÚRGICA SÉCULO I

Textos eucológicos hebraicos1 I. A santificação em honra do Nome de Deus (Qaddiš)2 1 1. Seja glorificado e santificado o grande Nome, no mundo que Ele criou segundo a sua vontade. Estabeleça o seu reino, faça germinar a redenção, introduza o seu Messias nos vossos caminhos durante os vossos dias e durante a vida de toda a casa de Israel, sem demora, no tempo que se aproxima. E respondam: Amen. Bendito seja o seu grande Nome para sempre e pelos séculos dos séculos. Bendito seja: Amen. Seja louvado e glorificado, exaltado e engrandecido, honrado e sublimado o Nome santo e bendito acima de toda a bênção, hino, louvor e consolação que no mundo se profiram: Amen. Seja aceite a oração e escutada a vossa súplica, juntamente com a prece de toda a casa de Israel, diante do nosso Pai nos Céus. Ele vos dê, a vós e a nós e a cada grupo de toda a casa de Israel, o Céu, uma grande paz, auxílio, redenção, abundância, vida, saciedade, saúde, consolação, libertação, cura, propaga ção, para a vida e para a paz. E digam: Amen.

II. Bênçãos privadas durante o dia (Birkot ha-šahar)3 BÊNÇÃOS DA MANHÃ

2 1. (Bênção ao lavar as mãos) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos santificaste pelos teus mandamentos e nos mandaste lavar as mãos. 3 2. (Bênção pelo milagre da vida) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer so, que formaste o homem com sabedoria e nele criaste muitas veias e vasos. Foi revelado e conhecido diante do trono da tua glória, que se um deles se fechar ou outro se abrir, não podemos subsistir nem uma hora. 4 3. (Bênção pela alma que Deus nos deu) Bendito sejas Tu que vivificas toda a carne e actuas admiravelmente. Meu Deus, a alma que me deste é pura. Foste Tu que a criaste e a insuflaste dentro de mim, és Tu que a conservas em mim, que ma tiras e ma restituirás no tempo que há-de vir. Enquanto a alma estiver em mim, dar-Te-ei graças, Senhor Deus, que tudo fizeste. Bendito sejas, Senhor, que restituis as almas aos corpos mortais.

1

Textos eucológicos hebraicos (=E. LODI, Roma 1979, 19-51). A santificação (Qaddiš) do Nome de Deus chama-se assim por causa das palavras iniciais desta fórmula, cuja primeira parte é antiquíssima e contém algumas das petições da Oração dominical: Santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade. 3 É sobre um fundo geral de múltiplas bênçãos (beracoth), que as grandes bênçãos do serviço sinagogal e das refeições adquirem todo o seu relevo. 3 8 SÉCULO I 2

4. (Bênção pela inteligência dos animais) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei 5

do universo, que deste inteligência ao galo para distinguir o dia da noite. 6 5. (Bênção por não ser pagão) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, por não me teres feito pagão.

7 6. (Bênção por não ser escravo) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer so, por não me teres feito escravo (escrava). 8

7. (Bênção por não ser mulher ou homem) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, por não me teres feito mulher (se for mulher diz: porque me criaste segundo a tua vontade).

9 8. (Bênção pelas coisas que vemos à nossa volta) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que abres os olhos dos cegos. 10

11

12 13

9. (Bênção ao pôr-se de pé) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que levantas os humildes. 10. (Bênção ao vestir-se) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que vestes os que andam nus. 11. (Bênção pela saúde) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que curas os enfermos. 12. (Bênção ao pôr os pés no chão) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que estendeste a terra sobre as águas.

14 13. (Bênção ao começar a caminhar) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que firmas os passos do homem. BÊNÇÃOS AO LONGO DO DIA

15 14. (Bênção por tudo o que temos) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer so, que não deixas que me falte nada do que preciso. 16 15. (Bênção pela fortaleza de Israel) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que cinges Israel de fortaleza. 17

18

16. (Bênção pela glória de Israel) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer so, que coroas Israel de glória.

17. (Bênção pela capacidade de trabalhar) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que tiras o sono dos meus olhos e a sonolência das minhas pálpebras. 19 18. (Súplica para que se faça a vontade de Deus) Faça-se a tua vontade, Senhor meu

Deus e Deus de meus pais, para que me sirva da tua Lei com familiaridade e adira aos teus mandamentos; não me deixes cair em pecado, nem em violação, nem em tentação, nem em vergonha; afasta de mim as inclinações para o mal e grava em mim as boas inclinações e faz com que alcance graça, favor e misericórdia diante dos teus olhos e diante de todos os que me vêem, e concede-me a tua benevolente misericórdia. 20

21

22

23

19. (Bênção pela misericórdia) Bendito sejas, Senhor, que dás a benevolente miseri córdia. 20. (Bênção pelos mandamentos e pela palavra de Deus) Bendito sejas, Senhor, que nos santificaste pelos teus mandamentos e ordenaste as palavras da Lei. Senhor nosso Deus, torna as palavras da tua Lei agradáveis à nossa boca e aos lábios do teu povo, casa de Israel, para que aprendamos todos a tua Lei, nós e os nossos filhos, e conta-nos entre aqueles que conhecem o teu Nome. 21. (Bênção pela eleição de Israel) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do univer so, que nos escolheste entre todos os povos e nos deste a tua Lei. 22. (Bênção pela Lei) Bendito sejas, Senhor, que deste a Lei.

TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

BÊNÇÃOS INICIAIS

39

III. As Dezoito Bênçãos (Šemonéh ‘Essréh)4 VERSÍCULO INTRODUTÓRIO

0. Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca anunciará o teu louvor...

24

25 1. (Bênção dos pais – Abhoth) Bendito sejas, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de Jacob, Deus grande, poderoso e temível, Deus altíssimo, dominador do céu e da terra, nosso escudo e escudo dos nossos pais, que aumentas em nós a fé, [através de todas as gerações]. Bendito sejas, Senhor, escudo de Abraão. 2. (Bênção da vida e da fecundidade – Ghebhuroth) Tu és poderoso, [derrubas os soberbos,] forte, [julgas os tiranos,] vives pelos séculos, ressuscitas os mortos, domi nas o vento e fazes cair o orvalho, alimentas os vivos, dás vida aos mortos, num abrir e fechar de olhos fazes surgir em nós a saúde. Bendito sejas, Senhor, que dás vida aos mortos. 3. (Bênção do Nome divino – Qedušah) Tu és santo, o teu Nome é temível, e fora de Ti não há Deus. Bendito sejas, Senhor, Deus santo. SÚPLICAS

4. (Oração da inteligência – Binah) Tu nos dás, nosso Pai, a sabedoria que vem de

26

27

Ti, a inteligência e a prudência da tua Lei. Bendito sejas, Senhor, que nos dás a sabedo ria. 5. (Oração do arrependimento – Tešubhah) Faz-nos voltar para Ti, Senhor, e nós voltaremos: faz-nos viver os dias de outrora (Lam 5, 21). Bendito sejas, Senhor, que Te alegras com o arrependimento. 6. (Oração do perdão – Selihah) Perdoa-nos, nosso Pai, porque pecámos contra Ti. Afasta [e tira] dos teus olhos as nossas transgressões, [porque são infinitas as tuas misericórdias]. Bendito sejas, Senhor, solícito em perdoar muitas vezes. 7. (Oração da redenção – Ghe’ullah) Olha a nossa aflição, toma a nossa causa em tuas mãos e resgata-nos pelo teu Nome. Bendito sejas, Senhor, redentor de Israel. 8. (Oração a pedir a cura – Rephu’ah) Cura-nos, Senhor nosso Deus, das angústi as dos nossos corações [e afasta de nós a tristeza e o lamento] e dá remédio às nossas feridas. Bendito sejas, Senhor, que curas os doentes do teu povo Israel. 9. (Oração pelos bons anos – Birkat Ha-Šanim) Abençoa este ano para nós, Senhor nosso Deus, [na abundância de todos os seus frutos, e traz depressa o ano do fim da redenção]. Faz cair o orvalho e a chuva sobre a face da terra, sacia o mundo com o tesouro da tua bondade [e envia a bênção sobre o trabalho das nossas mãos]. Bendito sejas, Senhor, que abençoas os anos. 10. (Oração da reunião dos dispersos – Qibbuts Galuyoth) Faz ressoar a grande tuba da nossa libertação e levanta o teu estandarte para reunir os nossos cativos. Bendito sejas, Senhor, que reúnes os dispersos de Israel teu povo. 11. (Oração pela justiça – Mišpat) Restabelece os nossos juízes como eram outrora, e os nossos conselheiros como eram antigamente (Is 1, 26), e reina, Tu sozinho, sobre nós. Bendito sejas, Senhor, que amas a justiça. 4

28

29

30

31

32

33

34

35

Estas orações, do século II d.C., rezam-se três vezes ao dia, de pé. São as orações por excelência. Começam com três beracoth, seguidas de doze súplicas, cada uma delas concluída com uma breve berakah, e terminam com outras três beracoth. Estas dezoito bênçãos preparam a estrutura da anáfora eucarística. 4 0 SÉCULO I

12. (Oração contra os apóstatas – La-mešumadim) Não haja esperança nenhuma 36

37

para os apóstatas. Destrói depressa o reino da soberba [nos nossos dias]. [Pereçam de repente os malvados e hereges: sejam riscados do livro dos vivos e não constem na lista dos justos]. Bendito sejas, Senhor, que humilhas os soberbos. 13. (Oração pelos prosélitos – La-tsadiqim) Comova-se a tua misericórdia para com os prosélitos, e dá-nos uma [boa] recompensa a nós e àqueles que fazem a tua vontade. Bendito sejas, Senhor, que aumentas a fé dos justos. 14. (Oração por Jerusalém – Ierušalayim) Tem piedade, Senhor nosso Deus, [na tua

38

abundante misericórdia, de Israel teu povo,] de Jerusalém, [de Sião, morada da tua glória, do santuário, da tua casa], do reino da família de David, ungido com a tua justiça. Bendito sejas, Senhor, Deus de David, [que edificas Jerusalém]. 39 15. (Oração por excelência – Tephillah) Escuta, Senhor nosso Deus, a voz da nossa oração [e tem piedade de nós], porque és um Deus cheio de graça e misericórdia. Bendito sejas, Senhor, que escutas a oração. ACÇÕES DE GRAÇAS FINAIS

16. (Bênção do serviço – ‘Abhodah) Aceita-nos com agrado, Senhor nosso Deus, 40

41

edifica a tua morada em Sião e sirvam-Te os teus servos em Jerusalém. Bendito sejas, Senhor, a quem servimos com temor. 17. (Bênção de acção de graças – Hoda’ah) Nós Te damos graças, Senhor, [Tu próprio és Senhor] nosso Deus [e Deus de nossos pais] por todos os benefícios, [benevolência e misericórdias, com que nos enriqueceste e] que nos concedeste a nós e aos nossos pais antes de nós. [E se dissermos: Os nossos pés vacilaram, logo a tua bondade, Senhor, nos ajudará]. Bendito sejas, Senhor; é bom dar-Te graças.

42 18. (Bênção de acção de graças – Hoda’ah - séc. IX) Graças Te damos porque Tu próprio és Senhor nosso Deus, rochedo da nossa vida, escudo da nossa salvação através de todas as gerações. Nós Te daremos graças e proclamaremos o teu louvor pelas nossas vidas entregues nas tuas mãos, pelas nossas almas guardadas por Ti, e pelos teus sinais e misericórdias em todo o tempo, à tarde e de manhã. Tu és bom, porque as tuas misericórdias não desapareceram; és misericordioso, porque a tua bon dade não acaba: sempre pusemos em Ti a nossa esperança. Não nos confundiste, Senhor nosso Deus, nem abandonaste, nem escondeste de nós o teu rosto.

ACÇÕES DE GRAÇAS SEGUNDO O TALMUDE DE BABILÓNIA QUANDO SE RECITA A ACÇÃO DE GRAÇAS HODA’AH

43

44

45

19. (Abba Ariqa - séc. III) Graças Te damos, Senhor nosso Deus (Criador das ori gens) por sermos capazes de Te dar graças. 20. (Shemuel - séc. III) Nós Te damos graças, Deus de toda a carne, por sermos capazes de Te dar graças. 21. (R. Schimi - séc. III) Oferecemos bênçãos e louvores ao teu grande Nome, porque nos fizeste viver, permanecer na vida e dar-Te graças.

46 22. (Um rabino - séc. IV) Conserva-nos na vida, enche-nos de graças, congrega-nos a nós e aos nossos chefes nos teus edifícios santos, para que possamos cumprir, de todo o coração, os teus mandamentos e a tua vontade. Nós Te damos graças por sermos capazes de Te dar graças. 41

TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

ACÇÕES DE GRAÇAS SEGUNDO O TALMUDE DE JERUSALÉM QUANDO SE RECITA A ACÇÃO DE GRAÇAS HODA’AH

23. (R. Schimi – séc. III) Nós Te damos graças, Senhor do universo, Deus dos cânticos de louvor, rochedo do mundo que vives eternamente, (Senhor) da obra da criação, que dás vida aos mortos, que nos fizeste viver e nos conservas na vida, que nos atribuis o mérito do que fizeste, que vieste em nosso auxílio e nos convidaste a servir Te para darmos graças ao teu Nome. Bendito sejas, Senhor, Deus da acção de graças. 24. (Abba Zabda séc. III) Nós Te damos graças por nos fazeres dar graças a Ti e ao teu Nome. Ao louvar-Te, alegrar-me-ei em meus lábios, e terei alegria na minha alma, que remiste. Bendito sejas, Senhor, Deus da acção de graças. 25. (R. Schemuel - séc. IV) Sejam dadas acções de graças e louvores ao teu Nome. A Ti a grandeza, o poder e a glória. Possa a tua vontade, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, sustentar-nos nas nossas falhas e levantar-nos nas nossas quedas, pois sustentas todos os que caem, levantas os que estão prostrados, és cheio de misericór dia e não há outro (Deus) além de Ti. Bendito sejas, Senhor, Deus da acção de graças. 26. (Bar Qappara - séc. II-III) Devemos dobrar o joelho diante de Ti, curvar-nos diante de Ti, prostrarmo-nos de joelhos diante de Ti. Diante de Ti se deve dobrar todo o joelho, toda a língua Te deve invocar. A Ti (Senhor) a grandeza, a força, o esplendor, a duração e a glória, porque tudo no Céu e na terra Te pertence. A Ti o império, pois estás acima de todas as coisas. Precedem-Te as riquezas e a glória, Tu és o Senhor de tudo, nas tuas mãos o poder e o vigor, nas tuas mãos a força para levantar e firmar todas as coisas. E agora, Senhor nosso Deus, nós Te damos graças, e prostrando-nos de todo o coração e de toda a alma diante de Ti, celebramos o teu Nome glorioso. Dizem todos os meus ossos: Quem pode como Tu, Senhor, livrar o desvalido do prepotente, o miserável e o pobre de quem os explora? Bendito sejas, Senhor, Deus da acção de graças.

47

48

49

50

TEXTOS MODERNOS COLIGIDOS DOS TALMUDES DE BABILÓNIA E DE JERUSALÉM

27. (Modim de-rabbanam) Nós Te damos graças, porque és nosso Deus e Senhor e Deus de nossos pais, Deus de toda a carne, nosso Criador que fizeste surgir a obra da criação. Nós oferecemos bênçãos, preces e acções de graças ao teu grande Nome, porque nos fizeste viver e subsistir na vida. Do mesmo modo, para vivermos e perma necermos na vida, nos acabas de formar, nos mandas para o exílio e congregas nos teus átrios, para que observemos os teus mandamentos, façamos a tua vontade e Te sirva mos de todo o coração. Nós Te damos graças por sermos capazes de Te dar graças. Bendito sejas, Deus da acção de graças. 28. (Shalom) Dá a tua paz a Israel teu povo [à tua cidade e à tua herança]. E nós

51

52

todos bendigamos numa só voz: Bendito sejas, Senhor, que constróis a paz. 4 2 SÉCULO I

IV. Santificação (Qidduš)5 1. (Em voz baixa) Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o sexto dia. (Em 53

54

55

56

voz alta) Assim foram terminados os céus e a terra e todo o seu conjunto. Concluída, no sétimo dia, toda a obra que havia feito, Deus repousou, no sétimo dia, de todo o trabalho que realizara. Deus abençoou o sétimo dia e santificou-o, visto ter sido nesse dia que Ele repousou de toda a obra da criação (Gen 1, 31b – 2, 1-3). 2. (Bênção do vinho) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que crias o fruto da videira. 3. (Bênção do dia do sábado ou de uma festividade) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, porque nos santificaste pelos teus preceitos, nos mostraste a tua misericórdia, nos entregaste em herança, por caridade e benevolência, o teu santo sábado, memorial da obra da criação, dia do início das assembleias sagradas (Lv 23, 3), memorial da saída do Egipto [ou: início das assembleia sagradas que são memorial da saída do Egipto]. Tu nos escolheste e santificaste diante de todos os povos e nos deste em herança, por caridade e benevolência, o teu santo sábado. Bendito sejas, Senhor, que santificas o sábado. 4. (Bênção do pão) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que fazes produzir o pão à terra.

V. Birkat Ha-Mazon6 BÊNÇÃO DO CONVITE (Birkat ha-zimmun)

57

1. A. Bendigamos o meu Senhor. R. Bendito seja o Nome do Senhor agora e para sempre. A. Com licença dos nossos chefes, magistrados e doutores, bendigamos Aquele de cujos bens comemos (Se estiverem dez à mesa, diz: [bendigamos o nosso Deus de cujos bens comemos] e, se forem cem ou mil, etc., acrescenta outros nomes). R. Bendito seja (se for oportuno: [o nosso Deus]) Aquele de cujos bens come mos e de cuja bondade vivemos. A. Bendito seja (se for oportuno: [o nosso Deus]) Aquele de cujos bens come mos e de cuja bondade vivemos. R. Bendito seja Ele e bendito o seu Nome. BÊNÇÃO DO ALIMENTO (Birkat ha-mazon)

58 2. (Bênção d’Aquele que alimenta) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do uni verso, que alimentas todo o mundo com bondade, benevolência e misericórdia. Bendito sejas, Senhor, que alimentas o universo.

3. (Bênção da terra) Nós Te damos graças, Senhor nosso Deus, porque nos deste 59

em herança uma terra aprazível [para que comamos dos seus frutos e nos saciemos da sua bondade]. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, pela terra e pelo alimento.

5

Esta santificação celebrava-se em casa. No início do séc. III foi introduzida na Sinagoga. Hoje tornou-se o exórdio da ceia festiva. 6 A estrutura da acção de graças que precede a súplica, com os seus embolismos, explica a forma da primitiva Eucaristia cristã: o diálogo (bênção do convite) é a primeira perícope, cujo significado é enunciado pelas primeiras e últimas palavras. 43 TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

60 4. (Bênção por Jerusalém) Tem piedade, Senhor nosso Deus, de Israel teu povo, de Jerusalém tua cidade, e de Sião morada da tua glória, do teu altar e do teu santuário. Bendito sejas, Senhor, que edificas Jerusalém. 5. (Bênção d’Aquele que é bom e benfeitor) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, bom e benfeitor.

61

BÊNÇÃO DO ALIMENTO (Birkat ha-mazon)7

6. (Bênção d’Aquele que alimenta) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do uni verso, que alimentas [todo] o mundo com bondade, benevolência e misericórdia, que dás o pão a toda a carne, porque tudo alimentas e sustentas e forneces o alimento a todas as tuas criaturas. Bendito sejas, Senhor, que dás o alimento a todo o mundo.

62

63 7. (Bênção da terra) Nós Te damos graças, Senhor nosso Deus, pela terra aprazí vel, boa e vasta, que amaste e deste em herança aos nossos pais, pela tua aliança que imprimiste em nossa carne, pela Lei que nos deste, e pela vida, benevolência, graça e alimento que nos dás em todo o tempo. (Aqui introduz-se o embolismo das festividades Hanukah e Purim) 8. (Bênção das festividades) Por tudo isto, Senhor nosso Deus, Te damos graças e bendizemos o teu Nome. Bendito seja o teu Nome sobre nós, por toda a eternidade e para sempre. Bendito sejas, Senhor, pela terra e pelo alimento. 9. (Bênção por Jerusalém) Tem piedade, Senhor nosso Deus, de Israel teu povo, de Jerusalém tua cidade, de Sião morada da tua glória, e da casa de David teu ungido, e da grande e santa casa sobre a qual foi invocado o teu Nome. [Nosso Pai, nosso Rei], nosso pastor, alimenta-nos, conserva-nos, sustenta-nos, liberta-nos bem depressa das nossas angústias. Nunca permitas [Senhor nosso Deus], que tenhamos necessidade de dons corporais, porque são pequenos os seus benefícios e grandes os trabalhos. Nós confiamos no teu Nome santo, grande e temível. Venham Elias e o Messias, filho de David, durante a nossa vida; restabelece depressa o reino da casa de David no seu lugar, reina em nós, porque só Tu [és], e salva-nos pelo teu Nome. Eleva-nos até Ele, alegra-nos e

64

65

consola-nos em Sião, tua cidade. Bendito sejas, Senhor, que edificas Jeru salém. Amen. (Aqui introduz-se outro embolismo) 10. (Bênção pelo bem que Deus nos faz) Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, nosso Pai, nosso Rei, nosso Redentor, nosso Protector, nosso Criador, dominador das nossas almas, nosso Santo, Santo de Jacob, Rei bom e benfeitor, que nos fazes bem dia após dia. Faz-nos crescer, e aumentarão perpetuamente em nós a graça, a benevolência, a misericórdia e todos os bens.

66

VI. Rito da narração da Páscoa (Sédèr Haggadah Šèl Pèšat)8 SANTIFICAÇÃO DO DIA OU PRIMEIRO RITO (com o primeiro cálice) 1. Preparadas todas as coisas, sentam-se à mesa e cada um enche o seu cálice. 67 Pondo-se de pé, o pai de família diz as bênçãos que se seguem, em forma entoada: 7 8

Recensão litúrgica, do século IX. A liturgia da ceia pascal compõe-se de quatro momentos rituais, e começa quando se enche o segundo cálice: santificação da festa; narração da Páscoa; acção de graças depois da ceia; acção de graças duplicada, juntamente com o grande Hallel. 4 4 SÉCULO I

Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, Criador do mundo e do fruto da videira. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos escolheste entre todos os povos, nos fizeste triunfar de todas as línguas e nos santificaste pelos seus preceitos. Tu nos deste, Senhor nosso Deus, por caridade, a festa anual na alegria, festividades e tempos no júbilo, e este dia de festa dos Ázimos, tempo da nossa libertação, reunião santa, memorial da saída do Egipto, porque nos escolheste e santi ficaste entre todos os povos e nos fizeste herdeiros desta tua santa festa anual, com júbilo e alegria. Bendito sejas, Senhor, que santificas Israel e os tempos. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos vivificaste e nos fizeste sobreviver, e permitiste que chegássemos a este tempo presente. 2. Depois de lavadas as mãos, sem bênção, o pai de família toma o aipo, que mete 68

na água, com salsa e vinagre e distribui aos outros. Enquanto comem dizem: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que criaste os frutos da terra. 3. O pai de família toma um pastel folhado ou pão ázimo e parte-o em duas partes.

69 Então, elevando o prato, diz: Este é o pão da aflição, que os nossos pais comeram na terra do Egipto. Todo aquele que tiver fome aproxime-se e coma, se alguém precisa de celebrar a Páscoa, aproxime-se e coma a Páscoa. Este ano aqui; no próximo ano na terra de Israel. Este ano, escravos; no próximo ano, filhos da liberdade. 70

4. O filho mais novo pergunta: Por que motivo é esta noite tão diferente das outras noites? 71 5. Então, o pai de família faz a explicação (haggadá): No princípio, os nossos antepassados eram idólatras. Mas agora Deus iniciou nos no seu culto, como diz Josué: Então Josué disse a todo o povo: Eis o que diz o Senhor, Deus de Israel: Vossos pais, Tera, pai de Abraão e de Naor, habitavam, no princípio, do outro lado do rio e serviam outros deuses. Tomei o vosso pai Abraão do outro lado do Jordão e conduzi-o à terra de Canaã. Multipliquei a sua posteridade, dando-lhe Isaac. A Isaac dei Jacob e Esaú, e dei a Esaú a montanha de Seir; Jacob, porém, e seus filhos foram para o Egipto (Jos 24, 2-4). Bendito seja Aquele que manteve a sua promessa feita a Israel. Ele fixou o termo da escravidão para cumprir o que tinha prometido a Abraão, nosso pai, a quando da aliança, como está escrito: O Senhor disse a Abraão: Fica desde já a saber que os teus descendentes habitarão como estrangeiros numa terra que não é deles, que serão reduzidos à escravidão e hão-de oprimi-los durante quatrocentos anos. Mas Eu próprio julgarei também a nação que os escravizar, e sairão, depois, com grandes riquezas dessa terra (Gen 15, 13-14). Esta promessa sustentou-nos a nós e aos nossos antepassados. Não foi apenas um inimigo que se levantou contra nós para nos exterminar. Durante séculos e séculos se levantaram contra nós, para nos aniquilar, e Ele livrou-nos das suas mãos. Recordemos o que Labão, o arameu, pensava fazer a Jacob, nosso pai. O Faraó, nas suas ordens, dirigia-se só contra os filhos varões, ao passo que Labão queria destruir tudo. Como está dito: O arameu queria destruir o meu pai. Mas este desceu ao Egipto com um pequeno número e ali viveu como estrangeiro, mas depois tornou-se um povo forte e numeroso (Dt 26, 5). 6. Segue-se um midrash da frase anterior com textos tirados de Gen 47, 4; Dt 10, 72

22; Ex 1, 7; Ez 16, 7. Desceu ao Egipto. Portanto, não para se estabelecer ali definitivamente. Então os Egípcios maltrataram-nos, oprimindo-nos e impondo-nos uma dura escravidão (Dt 26, 6). 45 TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

7. Segue-se outro midrash, onde se cita Ex 1, 10-11.13. Clamámos a Javé, Deus de nossos pais, e o Senhor ouviu o nosso clamor, viu a nossa humilhação, os nossos trabalhos e a nossa angústia (Dt 26, 7).

73

74 8. Alude-se a Ex 2, 23-25; Ex 2, 22; 3, 9. Javé tirou-nos do Egipto, com sua mão forte e seu braço estendido, com grandes milagres, sinais e prodígios. 9. Novo centão de textos: Ex 12, 12; 9, 3; 1 Cro 21, 16; Dt 4, 34; Ex 4, 17; Joel 3, 3. Entre outras sentenças, lê-se a seguinte: Não foi um Anjo nem um Serafim que nos fez sair do Egipto, mas o Santo na sua glória e pessoalmente.

75

10. Termina com uma explicação simbólica das pragas. 76 SEGUNDO RITO (com o segundo cálice) ISSO NOS BASTARIA (Dayyénu)

77 11. Quantas coisas boas fez por nós o Senhor. Se nos tirasse do Egipto e não os julgasse, isso nos bastaria. Se os julgasse e não julgasse os seus deuses, isso nos bastaria. Se julgasse os seus deuses e não matasse os seus primogénitos, isso nos bastaria. Se matasse os seus primogénitos e não nos desse as suas riquezas, isso nos bastaria. Se nos desse as suas riquezas e não dividisse o mar em nosso favor, isso nos bastaria. Se dividisse o mar em nosso favor e não nos fizesse atravessar pelo meio, em terra enxuta, isso nos bastaria. Se nos fizesse atravessar pelo meio, em terra enxuta e não submergisse no fundo das águas os que nos perseguiam, isso nos bastaria. Se submergisse no fundo das águas os que nos perseguiam e não nos desse o necessário à nossa subsistência durante quarenta anos no deserto, isso nos bastaria. Se nos desse o necessário à nossa subsistência durante quarenta anos no deserto e não nos fizesse comer o maná, isso nos bastaria. Se nos fizesse comer o maná e não nos desse o sábado, isso nos bastaria. Se nos desse o sábado e não nos fizesse chegar ao monte Sinai, isso nos bastaria. Se nos fizesse chegar ao monte Sinai e não nos desse a Lei, isso nos bastaria. Se nos desse a Lei e não nos reunisse na terra de Israel, isso nos bastaria. Se nos reunisse na terra de Israel e não fizesse de nós casa da eleição, isso nos bastaria. MONIÇÃO

12. Em todas as gerações, todos devem considerar-se a si próprios como tendo saído do Egipto, como diz a Escritura: E explicarás naquele dia ao teu filho, dizendo: É por causa daquilo que o Senhor fez por mim quando saí do Egipto (Ex 13, 8). Não foram só os nossos pais que o Deus Santo – bendito seja Ele – libertou do Egipto, mas também nos libertou a nós com eles, como diz a Escritura: Quanto a nós, tirou-nos de lá, para nos introduzir aqui e nos dar a terra que prometera com juramento a nossos pais (Dt 6, 23).

78

INVITATÓRIO

13. Por isso, devemos louvar, celebrar, oferecer louvores, glorificar, elogiar, aclamar, bendizer, exaltar e anunciar Aquele que é vencedor, Aquele que fez todos estes sinais 4 6 SÉCULO I

79

em favor dos nossos pais e de nós próprios. Arrancou-nos da servidão para a liberda de, da tristeza para a alegria, do luto para o dia de festa, da escuridão para a grande luz, da escravidão para a redenção. Digamos, pois, diante d’Ele (o cântico novo): Hallelu-yah. PRIMEIRA PARTE DOS SALMOS HALLEL

80

14. Louvai, servos do Senhor... (Sal 113). Quando Israel saiu do Egipto... (Sal 114, 1-8). BÊNÇÃO DA REDENÇÃO

81 15. O pai de família eleva o cálice e agita-o, dizendo: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos libertaste do Egip to, a nós e aos nossos pais, e nos fizeste chegar a esta noite para nela comermos o pão ázimo e as ervas amargas. Faz-nos também chegar, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, às outras solenidades e às próximas festas anuais, em paz, alegres pela edificação da tua cidade e cheios de júbilo por Te prestarmos culto. Permite que aí comamos dos sacrifícios e vítimas pascais, com cujo sangue aspergimos os lados do altar em tua honra. Nós Te damos graças com um cântico novo pela nossa redenção e pela libertação das nossas almas. Bendito sejas, Senhor, que libertas Israel. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos dás o fruto da videira. 16. Todos os que estão à mesa bebem. Depois, por ordem, cada um lava as mãos na 82 bacia, dizendo: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos santificaste pelos teus preceitos e nos mandaste lavar as mãos. 83 17. A seguir, o pai de família toma o primeiro bolo ázimo folhado, que está debaixo da toalha, e eleva-o, dizendo: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que fazes nascer o pão da terra. 84 18. O pai de família parte o pão e diz a bênção antes de o comer: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos santificaste com os teus preceitos e nos mandaste comer o pão ázimo. Distribui (o pão) pelos que estão à mesa. 19. Toma então as ervas amargas, mete-as dentro do harosèt, isto é, do molho feito 85 com figos, tâmaras, uvas, etc., e depois diz a bênção: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos santificaste com os teus preceitos e nos mandaste comer as ervas amargas. Come e distribui aos outros. 20. Toma o terceiro bolo ázimo folhado, que está debaixo da toalha e, depois de o 86 partir, envolve com ele as ervas amargas e come, dizendo, sem proferir a bênção: Memória do santuário à maneira de Hillel. Assim fez Hillel quando havia casa do santuário: envolveu ervas amargas em pão ázimo e comeu-as assim ao mesmo tempo, para confirmar o que foi dito: Com pães ázimos e ervas amargas comereis (a Páscoa) (Num 9, 11). Distribui aos outros que estão a comer, os quais dizem o mesmo. 47

TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

TERCEIRO RITO (com o terceiro cálice) BIRKAT HA-MAZON

21. Mistura-se o terceiro cálice e deita-se em cada um dos cálices da bênção. O pai 87 de família, antes de bendizer, pede autorização: A. Senhor meu, nós Te bendizemos. R. Bendito seja o Nome do Senhor, agora e pelos séculos. A. Com licença... bendigamos (o nosso Deus), porque comemos dos seus bens. R. Bendito seja (o nosso Deus), porque comemos dos seus bens e vivemos da sua bondade. A. Bendito seja (o nosso Deus), porque comemos dos seus bens e vivemos da sua bondade. R. Bendito seja Ele e bendito (seja) o seu Nome. 22. Depois disto, o pai de família dá graças: 88 1. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que alimentas o mundo inteiro com a tua bondade, a tua graça, a tua misericórdia e com a tua terna compaixão. Dás pão a toda a carne, porque a tua misericórdia é eterna. Pela tua grande bondade jamais nos faltou o sustento, nem nos faltará no futuro, pelos séculos dos séculos. Pelo teu grande Nome alimentas e sustentas todos os seres vivos, fazendo bem a todos e dispondo o sustento para tudo quanto criaste. Bendito sejas, Senhor, que dás a todos o alimento. 2. Nós Te damos graças, Senhor nosso Deus, pois deixaste em herança aos nossos pais uma terra aprazível, boa e vasta, e porque nos tiraste, Senhor nosso Deus, da terra do Egipto e nos libertaste da casa da escravidão, assim como pela aliança que imprimiste na nossa carne, pela tua Lei que nos ensinaste, pelos teus preceitos que nos deste; pela vida, pela graça e pela misericórdia que derramaste sobre nós, e pelo alimento com que nos sustentas constantemente, todos os dias, em todo o tempo e a qualquer hora. Por tudo isto, Senhor nosso Deus, nós Te damos graças e Te bendize mos. Bendito seja o teu Nome na boca de todos os seres vivos, continuamente e para sempre, segundo o que está escrito: Então comerás e ficarás saciado, agradecendo ao Senhor, teu Deus, pela terra óptima que te deu (Deut 8, 10). Bendito sejas, Senhor, pela terra e pelo alimento. 3. Tem piedade, Senhor nosso Deus, de Israel teu povo, de Jerusalém tua cidade, de Sião morada da tua glória, do reino da casa de David teu ungido, da grande e santa casa sobre a qual é invocado o teu Nome. Nosso Deus, nosso pai, apascenta-nos, nutre-nos, alimenta-nos, sustenta-nos. Alivia-nos e livra-nos depressa, Senhor nosso Deus, de todas as nossas angústias. Nós Te pedimos, Senhor nosso Deus, não permi tas que tenhamos necessidade de bens corporais, nem de coisas emprestadas por outros, mas apenas da tua mão cheia, aberta, santa e grande, não aconteça que sejamos confundidos e cheios de vergonha nos séculos sem fim. Faz, nosso Deus e Deus de nossos pais, que o nosso memorial e lembrança, o memorial dos nossos pais, o memorial do Messias filho de David teu servo, o memo rial de Jerusalém, tua cidade santa, o memorial de todo o teu povo, casa de Israel, suba, venha, chegue, seja visto, aceite, ouvido, procurado e recordado diante de Ti, para a libertação, a prosperidade, a graça, a compaixão e a misericórdia, a vida e a paz, neste dia

de festa dos Ázimos. Lembra-Te de nós neste dia, Senhor nosso Deus, para nos fazeres prosperar por ele, visita-nos para nos fazeres bem por ele, e salva-nos para nos dares a vida por ele. Por uma palavra de salvação e de misericórdia poupa-nos, dá nos a tua graça em abundância, tem piedade de nós e salva-nos. Os nossos olhos estão voltados para Ti, porque és um Deus e um Rei cheio de graça e misericordioso. 4 8 SÉCULO I Edifica Jerusalém, tua cidade santa, depressa, em nossos dias. Bendito seja o Senhor, que [pelas suas misericórdias] edifica Jerusalém. Amen. 4. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, nosso Deus e nosso Pai, nosso Rei, nosso Protector, nosso Criador, nosso Redentor, nosso Construtor, nosso Santo, Santo de Jacob, nosso Pastor, Pastor de Israel, Rei benigno e benfeitor de todos, que todos os dias e em cada dia nos fizeste, fazes e farás benefícios. Tu mesmo nos fizeste, fazes e farás aumentar perpetuamente em graça e compaixão, em misericórdia e abundância, em libertação e prosperidade, em bênçãos e saúde, em consolação, em sustentação e alimentos, em misericórdia e vida, em paz e em todos os dons, e não permitirás que nos falte qualquer bem. HA-RAHAMAN HU

89 23. Aquele que é misericordioso reinará em nós desde agora e pelos séculos. Aquele que é misericordioso seja bendito nos Céus e na terra. Aquele que é misericordioso seja louvado de geração em geração, glorificado entre nós de eternidade em eternidade, e celebrado por nós, desde agora e pelos séculos dos séculos. Aquele que é misericordioso nos alimente com abundância. Aquele que é misericordioso quebre o jugo do nosso pescoço e nos eleve até ao alto na nossa terra. Aquele que é misericordioso envie bênçãos abundantes a esta casa e a esta mesa na qual comemos. Aquele que é misericordioso nos envie Elias, profeta de gloriosa memória, e nos anuncie boas notícias de salvação e consolação. Aquele que é misericordioso abençoe (o meu pai, o meu mestre, o pai de família desta casa, a minha mãe, a minha senhora, a mãe de família desta casa, os outros, suas casas, seus filhos e todos os seus bens), nos abençoe a nós e a todos os nossos bens, do mesmo modo que foram abençoados os nossos pais Abraão, Isaac e Jacob em todas as coisas, através de todas as coisas e por todas as coisas. Assim nos abençoe a todos nós ao mesmo tempo com uma bênção perfeita, e digamos: Amen. Sejam defendidos, nas alturas, os direitos dos outros e os nossos, para conservarmos a paz, a continuida de da bênção do Senhor e a justiça de Deus nosso salvador, e para obtermos graça e consideração diante de Deus e dos homens (Prov 3, 4). Aquele que é misericordioso nos faça herdeiros do dia que é totalmente bom. Aquele que é misericordioso nos julgue dignos dos dias do Messias e da vida do mundo futuro. A torre da salvação do rei use de bondade com o seu Messias, com David e seus descendentes para sempre (Sal 17, 51). Haja paz nas alturas, e Ele próprio faça vir a paz sobre nós e sobre todo o Israel. E dizei: Amen. 90 24. Os que estão à mesa digam em voz baixa:

Temei o Senhor, todos os que Lhe estais consagrados, pois nada falta aos que O temem. Os ricos empobrecem e passam fome, mas aos que procuram o Senhor nenhum bem há-de faltar (Sal 33, 10-11). Louvai o Senhor, porque Ele é bom, porque é eterno o seu amor (Sal 135, 1). Abres com largueza a tua mão e sacias os desejos de todos os viventes (Sal 144, 16). Bendito o homem que confia no Senhor, que tem no Senhor a sua confiança (Jer 17, 7). Fui jovem e já sou velho; mas nunca vi o justo abandonado nem os seus filhos a mendigar pão (Sal 36, 25). 49 TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

O Senhor dá força ao seu povo; o Senhor abençoa o seu povo na paz (Sal 28, 11). 25. E, depois de dizerem a bênção que se segue, todos os que estão à mesa bebem: 91 Bendito sejas, Senhor nosso Deus, que nos dás o fruto da videira. VERSÍCULO DO CÁLICE DE ELIAS

26. Começam, então, a segunda parte do Hallel, dizendo estes versículos dos sal mos. Mas antes é costume abrir repentinamente a porta (estando presentes os que misturam «o cálice de Elias», que exclamam: Bendito o que vem!). Descarrega a tua ira sobre os pagãos, que não Te conhecem, e sobre os reinos que não invocam o teu Nome, porque eles devoraram o povo de Jacob e destruíram a sua morada (Sal 78, 6-7; Jer 10, 25). Descarrega sobre eles a tua indignação e sejam atingidos pelo furor da tua ira (Sal 68, 25). Persegue-os com a tua cólera e elimina-os, Senhor, de debaixo dos teus céus (Lam 3, 66).

92

QUARTO RITO (com o quarto cálice) SEGUNDA PARTE DOS SALMOS HALLEL

27. Misturam e enchem o quarto cálice e dizem sobre ele a última parte do Hallel: 93 Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu Nome dá glória... (Sal 113, 9 ss.). Amo o Senhor, porque ouviu a voz do meu lamento... (Sal 114, 1-9 e 115, 10-11). Como retribuirei ao Senhor todos os seus benefícios para comigo?... (Sal 115, 12-18). Louvai o Senhor, todas as nações... (Sal 116). Louvai o Senhor, porque Ele é bom, porque é eterno o seu amor... (Sal 117). BÊNÇÃO DO CÂNTICO (Birkat ha-Šir)

28. Yehalleluyha 94

Louvem-Te, Senhor nosso Deus, todas as tuas obras. E os teus fiéis piedosos, os justos que fazem a tua vontade e todo o teu povo, casa de Israel, celebrarão com alegria, bendirão, glorificarão, engrandecerão, exaltarão, adorarão, santificarão e farão reinar o teu Nome, nosso Rei, pois é bom celebrar-Te e cantar salmos ao teu Nome, porque Tu és Deus pelos séculos dos séculos. Louvai o Senhor, porque Ele é bom, porque é eterno o seu amor, etc... (Sal 135). 29. Niš-mat kol hay A alma de todo o ser vivo bendiga o teu Nome, Senhor nosso Deus, e o espírito de toda a carne glorifique e exalte sempre a tua memória, ó nosso Rei. Desde sempre e para sempre Tu és Deus, e fora de Ti não há para nós Rei, Redentor e Salvador, que liberte e salve, que alimente e em todo o tempo tenha com paixão das angústias e tribulações. Não tememos outro Rei senão Tu, Deus dos pri meiros e dos últimos, Deus de todas as criaturas, Senhor de todas as gerações, digno de ser louvado por multidões de louvores, que governas o universo com bondade e as tuas criaturas com misericórdia. 5 0 SÉCULO I

95

O eterno não dorme nem adormece. É Ele que faz acordar os que dormem e desperta os sonolentos, que faz falar os mudos e liberta os cativos, que ampara os que vão cair e endireita os encurvados. A Ti, só a Ti nós damos graças. Mesmo que a nossa boca estivesse cheia de poemas como o mar e a nossa língua de cânticos semelhantes às suas ondas, mesmo que os nossos lábios soltassem gritos de júbilo como a imensidão do firmamento e os nossos olhos brilhassem como o sol e como a lua, mesmo que as nossas mãos estivessem estendidas como a águia dos céus e os nossos pés fossem ligeiros como os cervos, isso não bastaria para Te dar graças, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, e para bendizer o teu Nome por uma só bondade tua, pelos inumeráveis milhares de milhares e pelos incontáveis milhões de coisas boas que nos concedeste a nossos pais e a nós. Tiraste-nos do Egipto, Senhor nosso Deus, e libertaste-nos da casa da escravi dão. Na fome nos alimentaste e copiosamente nos saciaste. Arrancaste-nos da espada e livraste-nos da peste, arrebataste-nos a nós e aos fiéis, de muitos males e doenças. Até aqui as tuas misericórdias serviram-nos de auxílio, e a tua clemência não nos abandonou, Senhor nosso Deus, nem nunca Tu nos abandonarás para sempre. Por isso, os membros que em nós distribuíste, o espírito e a alma que dentro de nós insuflaste, a língua que puseste na nossa boca, dão graças, bendizem, glorificam, aclamam, exaltam, adoram, manifestam o poder, a santidade e a realeza do teu Nome, ó nosso Rei. Toda a boca Te há-de celebrar, toda a língua jurará por Ti, todo o joelho se dobrará diante de Ti (Is 45, 23), toda a altura se inclinará diante de Ti. Todos os corações hão-de temer-Te, todas as entranhas e rins hão-de cantar salmos ao teu Nome, como está escrito: Com todo o meu ser, eu direi: Quem pode como Tu, Senhor, livrar o desvalido do prepotente, o miserável e o pobre, de quem os explora? (Sal 34, 10). Quem é semelhante a Ti? Quem se compara a Ti? Quem é igual a Ti, Deus grande, forte e temível, Deus excelso, Criador do mundo do céu e da terra? Nós Te louvaremos, glorificaremos, exaltaremos e bendiremos o teu Nome santo, como disse David: Bendiz, ó minha alma, o Senhor, e todo o meu ser louve o seu Nome santo (Sal 102, 1). Tu és o Deus forte pelo teu poder sem limites. Tu és grande pela glória do teu Nome. Tu és eternamente poderoso e temível pelas tuas maravilhas, ó rei sentado num trono excelso e sublime.

Habita no Céu para sempre, e santo é o seu Nome. Está escrito: Exultai, ó justos, no Senhor, louvai-O, rectos de coração (Sal 32, 1). Serás louvado pela boca dos rectos de coração, bendito pelas palavras dos justos, exaltado pela língua dos piedosos e santificado no meio dos santos. Nas assembleias inumeráveis da casa de Israel, teu povo, o teu Nome será exal tado com cânticos, ó nosso Rei, de geração em geração. Porque é dever de todas as criaturas, diante de Ti, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, dar-Te graças, louvar-Te, glorificar-Te, celebrar-Te, exaltar-Te, honrar-Te, bendizer-Te, festejar-Te, para além de todas as palavras, cânticos e louvores de David, filho de Jessé, teu servo e teu ungido. Glorificado seja para sempre o teu Nome, ó nosso rei, Deus forte, rei grande e santo, no Céu e na terra. A Ti são devidos, Senhor nosso Deus e Deus de nossos pais, poemas e glorificação, louvor e salmos, força e poder, triunfo, grandeza e fortaleza, elogio e honra, santidade e reino, bênçãos e acções de graças, desde agora e pelos séculos. Deus das acções de graças. Senhor das maravilhas, que escolhes cânticos de glorificação, ó Rei e Deus que vives pelos séculos. 30. Dizem a bênção sobre o quarto cálice: 96 Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que nos dás o fruto da videira. 51

TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

ÚLTIMA BÊNÇÃO

31. Os convivas, que participam na ceia, bebem e dizem esta última bênção: Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, pela videira, pelo fruto da videira, pelos frutos do campo e pela terra aprazível, boa e vasta, que amaste e deste em herança aos nossos pais, para que comessem dos seus frutos e se saciassem das suas coisas boas. Tem piedade, Senhor nosso Deus, de Israel teu povo, de Jerusalém tua cidade, de Sião morada da tua glória, do teu altar e do teu santuário. Edifica Jerusalém, tua cidade santa, depressa, em nossos dias; faz com que subamos até ela e alegra-nos nela. Havemos de comer dos seus frutos, de nos saciar com a sua bondade, de Te bendizer por ela em santidade e pureza. Enche-nos de alegria neste dia de festa dos Ázimos, porque Tu, Senhor, és bom e fazes bem a todos. Nós Te damos graças pela terra e pelo fruto da videira. Bendito sejas, Senhor, pela terra e pelo fruto da videira.

97

HINO: «E CHEGOU A MEIA-NOITE»

32. Acrescenta-se este hino após a última bênção, porque ele mostra a plenitude do memorial da Páscoa na concepção hebraica. O texto é tirado do poema das Quatro noites que é um Targum de Ex 12, 42: Aquela foi uma noite de vigília para o Senhor, quando Ele os fez sair da terra do Egipto. Aquela noite do Senhor será de vigília para todos os filhos de Israel nas suas gerações. Outrora fizeste muitas das tuas maravilhas de noite - início desta primeira vigília nocturna (Sal 90, 4).

98

Deste a vitória ao estrangeiro justo, quando, de noite, dividiste os companhei ros. Isso aconteceu à meia-noite. Em sonhos, ameaçaste de noite o rei de Guerar (Gen 20). Na obscuridade da noite encheste de pavor a Labão, o arameu. E foi de noite que Israel lutou contra o Anjo e saiu vencedor. Isso aconteceu à meia-noite. 99 33. Segue-se a memória de numerosos acontecimentos que sucederam de noite: memória da morte dos primogénitos do Egipto e vitória contra Sísara ( Jz 4-5); memória da vitória contra Senaquerib (2 Rs 19; Is 37): memória da destruição de Bel (Dan 14), da revelação do sonho a Daniel (Dan 4), do banquete e do castigo (Dan 5), da libertação da cova dos leões (Dan 14); memória de Amã e da morte que ele pensara (Est 3). Cita-se ainda Is 63, 3 e Is 21, 11. E termina assim: Apressa o nascer do dia que nem é dia nem é noite. Mostra, Senhor, que teu é o dia e tua é a noite (Sal 73, 16). Põe sentinelas na cidade todo o dia e toda a noite (Is 62, 6). Ilumina as trevas da noite como o dia. Tudo isto aconteceu à meia-noite. 34. Último voto No próximo ano em Jerusalém. 35. E, se a ceia é celebrada na própria cidade, acrescentam:

100

101 No próximo ano em Jerusalém edificada. 5 2 SÉCULO I

VII. Bênçãos (Šema, Israel)9 O DOM DA LUZ (Yotser)

102

1. Bendito sejas, Senhor nosso Deus, Rei do universo, que formas a luz e crias as trevas, que fazes a paz e crias todas as coisas (Is 45, 7), que, em tua misericórdia, dás a luz à terra e a todos os que nela habitam e, em tua bondade, todos os dias e sem cessar renovas a criação. Senhor, como são grandes as tuas obras. Todas elas são fruto da tua Sabedoria. A terra está cheia das tuas criaturas. Rei sublime, só Tu foste exaltado antes dos tempos, louvado, glorificado e exaltado desde os dias antigos. Deus eterno, na abundância das tuas misericórdias tem piedade de nós, Senhor da nossa força, rochedo da nossa protecção, escudo da nossa salvação, nosso protector! O Deus bendito, grande em sabedoria, preparou e formou os raios do sol: foi um dom que Ele produziu para glória do seu Nome. Os chefes dos seus exércitos são os seus santos, que exaltam o Todo-poderoso, e sem cessar cantam a glória de Deus e a sua santidade. Bendito sejas, Senhor, nosso Deus, no alto dos Céus, e aqui na terra. Bendito sejas, nosso Rochedo, nosso Rei e nosso Redentor, Criador dos seres santos. Louvado seja o teu Nome eternamente, ó nosso Rei, Criador dos Anjos. E todos estes Anjos que O servem estão de pé nas alturas do universo, e com temor proclamam numa só e alta voz as palavras do Deus vivo e do Rei eterno. Todos são muito amados, todos são puros, todos são poderosos, todos realizam, com tremor, a vontade do seu Senhor, todos abrem os seus lábios em santidade e pureza, e louvam, glorificam e santificam o Nome do grande Rei, o Único poderoso e muito de temer: Ele é santo. Uns dos outros tomam sobre si o jugo do Reino dos Céus, e encorajam-se mutuamente a santificar o seu Criador: na alegria tranquila do espírito, numa linguagem clara, envolvida numa melodia santa, respondem todos numa só voz com tremor e dizem com reverência:

Santo, Santo, Santo é o Senhor dos exércitos: a terra inteira está cheia da sua glória (Is 6, 3). E os Ophanim e os santos Hayoth, com um ruído de muitas águas, elevando-se uns diante dos outros, louvam e dizem: Bendita seja a glória do Senhor, no lugar onde ela repousa (Ez 3, 12). Ao Deus bendito eles oferecem agradáveis melodias, ao Rei, ao Deus que vive e perdura eternamente eles fazem ouvir os seus cânticos e os seus louvores, porque só Ele realiza obras poderosas e faz coisas novas, o Senhor dos exércitos: semeia a justiça, faz brotar a salvação, cria a cura, é reverenciado nos louvores, o Senhor das maravilhas, que renova, todos os dias, pela sua bondade, a obra da criação, que criou os grandes luzeiros porque é eterna a sua misericórdia. Bendito sejas, Senhor, Criador dos grandes luzeiros. O DOM DA LEI (Ahabhah Rabbah)

103

2. Amaste-nos com um grande amor, Senhor nosso Deus. Com uma piedade grande e superabundante tiveste compaixão de nós, nosso Pai, nosso Rei, por causa do teu grande Nome e por causa dos nossos pais que puseram em Ti a sua confiança, e aos quais ensinaste os mandamentos de vida: tem piedade de nós também e ensina-nos.

9

Nas duas primeiras preces matutinas desta profissão de fé e memorial da Páscoa, já utilizadas na liturgia do templo, há dois motivos de bênção: o dom da luz (Yotser) e o dom da Lei (Ahabhah). A santificação (Qedušah), que é o louvor de Deus três vezes Santo, pode explicar a primeira parte da anáfora (Sanctus). 53 TEXTOS EUCOLÓGICOS HEBRAICOS

Pai nosso, Pai misericordioso, tem piedade de nós, e dá aos nossos corações a capacidade de compreender e de escutar, de aprender e de ensinar, de estar atentos ao cumprimento de todas as palavras de instrução na Tora, com amor. Ilumina os nossos olhos com os teus mandamentos, liga os nossos corações à tua Tora, e que eles se unam para temer o teu Nome, de modo a não sermos cobertos de vergonha nem confundidos para sempre, porque foi no teu Nome grande, santo e temível que pusemos a nossa confiança. Possamos nós alegrar-nos e encontrar a felicidade na tua salvação, e que a tua misericórdia e a tua graça nunca nos abandonem. Venha até nós a paz dos quatro cantos da terra inteira, e faz-nos subir ao nosso país, porque Tu és um Deus salvador. Escolheste-nos de entre todos os povos e todas as línguas e colocaste-nos perto do teu grande Nome na fidelidade. Bendito sejas, Senhor, Tu que escolheste Israel teu povo, no amor. Segue-se então o: ESCUTA, ISRAEL (Šema, Israel)

3. Escuta, Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças... (Deut 6, 4-9). Se escutardes os mandamentos que hoje vos ordeno, amando o Senhor, vosso Deus, e servindo-O com todo o vosso coração e com toda a vossa alma, darei chuva à vossa terra no devido tempo... Acautelai-vos para que o vosso coração não se deixe

104

seduzir e vos afasteis para servir outros deuses e lhes prestardes culto. A ira do Senhor inflamar-se-ia contra vós... Gravai, pois, estas minhas palavras no vosso coração e no vosso espírito... Então se multiplicarão os vossos dias e os dias dos vossos filhos... (Deut 11, 13-21). O Senhor disse a Moisés: Fala aos filhos de Israel... Eu sou o Senhor vosso Deus que vos tirei da terra do Egipto para ser o vosso Deus. Eu sou o Senhor, vosso Deus (Num 15, 37-41).

VIII. Escritos de Qumrãm10 REGRA DA COMUNIDADE

1. Os sacerdotes dizem: O Senhor te abençoe com todos os bens e te defenda de todo o mal, ilumine o teu coração com a prudência da vida, use de clemência contigo no conhecimento eterno, e faça brilhar o rosto dos seus benefícios sobre Ti, na paz eterna.

105

PALAVRAS DE BÊNÇÃO DO MESTRE DA SABEDORIA

106 2. Na bênção dos que temem a Deus, que fazem a sua vontade, que observam os seus mandamentos, que guardam a sua herança e andam com rectidão em todos os seus caminhos, dos que Ele escolheu para sua herança eterna, e permanecem eterna mente: O meu Senhor te abençoe, te abra a fonte perpétua que não seca. O Céu... e a tua glória... Ele te enriqueça com todas as bênçãos e tu... na assembleia dos Santos... Ele te defenda até à consumação, de todo o inimigo que odiaste.

10

Estes escritos datam de cerca de 110 a.C.

Textos bíblicos do Antigo e do Novo Testamento

Antigo Testamento 1

ASSEMBLEIA 1. Ex 19-24 ................... a aliança no Sinai: Na terceira lua nova depois da saída dos filhos de Israel da terra do Egipto... 2. 1 Re 8 ....................... dedicação do templo por Salomão: Então Salomão reuniu junto de si em Jerusalém os anciãos de Israel... 3. 2 Re 23 ..................... descoberta do livro da Lei e renovação da aliança: O rei

107

mandou vir à sua presença todos os anciãos de Israel... 4. 2 Cro 29-30 ............. a grande Páscoa da restauração do culto: Ezequias tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar... 5. Ne 8-9 ...................... a leitura solene da Lei: Ao chegar o sétimo mês, os filhos de Israel já estavam instalados nas suas cidades... BÊNÇÃOS 108 1. Gen 9, 25-26 ........... bênção e maldição: Maldito seja Canaã... Bendito seja o Senhor, Deus de Sem... 2. Gen 14, 19b-20 ....... de Melquisedec, depois da vitória: Abençoado seja Abrão pelo Deus Altíssimo... Bendito seja o Deus Altíssimo... 3. Gen 48, 15b-16 ....... de Jacob: O Deus por cujos caminhos andaram meus pais, Abraão e Isaac, o Deus que velou por mim... 4. Num 6, 24-26 ........... do povo no deserto: O Senhor te abençoe e te proteja... 5. Deut 26, 3-10.13-15 das primícias: Declaro hoje, perante o Senhor... Meu pai era um arameu errante... 6. Deut 33, 2-6 ............ de Israel e de Rúben: O Senhor veio do Sinai... 7. Deut 33, 7 ................ de Judá: Escutai, Senhor, a voz de Judá... 8. Deut 33, 8-11 .......... de Levi: Os vossos dados sagrados são para o homem que Vos foi fiel... 9. Deut 33, 12 .............. de Benjamim: O preferido do Senhor habitará em segurança junto dele... 10. Deut 33, 13-17 ........ de José: A sua terra tem as bênçãos do Senhor... 11. 2 Sam 7, 18-29 ........ de David: Quem sou eu, Senhor Deus, e quem é a minha casa... 1

Textos bíblicos do Antigo Testamento (= BÍBLIA). Indicam-se apenas as palavras iniciais dos textos citados, dado que é fácil encontrá-los na Bíblia. 5 6 SÉCULO I

CÂNTICOS 2 109 1. Ex 15, 1-18 .............. na vitória depois do Êxodo: Cantarei ao Senhor... 2. Deut 32, 1-43 .......... de Moisés: Escutai, ó céus, que eu vou falar... 3. Juízes 5, 1-31 ......... de Débora e Barac: Louvai o Senhor... 4. 1 Sam 2, 1-10 .......... de Ana: Exulta o meu coração no Senhor... 5. 1 Cro 16, 8-36 ......... de David diante da arca: Louvai o Senhor... 6. 1 Cro 29, 10-20 ...... de David: Bendito sejais, Senhor... 7. Tob 3, 2-6 ................ de Tobias: Sois justo, Senhor... 8. Tob 3, 13-15 ............ de Sara: Bendito sois Vós... 9. Tob 13, 2-18 ............ de Tobite: Bendito seja Deus... 10. Judite 13, 17-20 ...... de Judite: Bendito sois Vós... 11. Judite 16, 1-17 ......... de Judite: Louvai o Senhor... 12. Prov 9, 1-12 ............ da sabedoria: A Sabedoria edificou a sua casa... 13. Sab 3, 1-9 ................ dos justos: As almas dos justos... 14. Sab 9, 1-11 .............. de Salomão: Deus de meus pais... 15. Sab 10, 17-21 .......... no Êxodo: O Senhor deu aos santos o prémio... 16.

Sab 16, 20-29 .......... no deserto: Saciastes o vosso povo 17. Sir 14, 20-27 ........... da sabedoria: Bem-aventurado o homem... 18. Sir 31, 8-11 ............. do rico: Bem-aventurado o rico... 19. Sir 39, 13-21 ........... em louvor de Deus: Escutai-me, filhos piedosos... 20. Is 2, 2-5 ................... da paz perpétua: Sucederá nos dias... 21. Is 9, 2-7 ................... do Messias: O povo que andava nas trevas... 22. Is 12, 1-6 ................. dos resgatados: Dou-Vos graças, Senhor... 23. Is 26, 1-19 ............... na vitória dos resgatados: Nós temos em Sião... 24. Is 33, 13-16 ............. na intervenção de Deus: Vós que estais perto... 25. Is 38, 10-20 ............. de Ezequias: Eu disse: “Em meio da vida... 26. Is 40, 1-8 ................. da vocação do profeta: Consolai o meu povo... 27. Is 42, 10-16 ............. da vitória: Cantai ao Senhor um cântico novo... 28. Is 45, 15-26 ............. da conversão: Vós sois um Deus escondido... 29. Is 49, 7-13 ............... do regresso dos exilados: Assim fala o Senhor... 30. Is 66, 10-14 ............. apocalíptico: Alegrai-vos com Jerusalém... 31. Jer 7, 2-7 ................. do verdadeiro culto: Escutai a palavra do Senhor... 32. Ez 36, 24-28 ............ sobre os montes de Israel: Eu vos retirarei... 33. Dan 3, 26-45 ........... de Azarias: Bendito sejais, Senhor... 34. Dan 3, 52-57 ........... dos três jovens: Bendito sejais, Senhor... 35. Dan 3, 57-88 ........... dos três jovens: Obras do Senhor, bendizei... 36. Os 6, 1-6 .................. da conversão: Vinde, voltemos... 37. Jonas 2, 3-10 ........... de Jonas: Na minha aflição invoquei o Senhor... 38. Hab 3, 1-19 ............. de Habacuc: Senhor, eu ouvi a vossa mensagem... 39. Sof 3, 8-13 ............... da restauração: Diz o Senhor: contai comigo... FÓRMULAS RITUAIS 110 1. Gen 27, 27-29 ......... bênção de Jacob: Sim, o odor do meu filho... 2. Gen 28, 16-22 ......... voto de Jacob em Betel: O Senhor está realmente neste lugar... 3. Num 10, 35-36 ........ rito da arca na travessia do deserto: Levantai-Vos, Senhor, e dispersem-se os vossos inimigos... 3

Nestas orações aparece a grande riqueza da eucologia bíblica.

57 TEXTOS BÍBLICOS DO ANTIGO TESTAMENTO

4. Deut 26, 1-19 .......... profissão de fé pascal: Quando entrares na terra... 5. Jos 7, 6-9; 8, 34-35 ... oração na ocupação de Canaã: Oh Senhor Deus! Porque fi zestes este povo passar o Jordão?... 6. Is 6, 3-7 ................... rito e aclamação no templo: Santo, santo, santo é o Senhor do universo. A sua glória enche toda a terra...

ORAÇÕES 3 111 1. Ex 32, 11-13 ............ de Moisés: Porquê, Senhor, a vossa cólera... 2. Ex 32, 31-32 ............ de Moisés: Cometestes um enorme pecado...

3. Deut 9, 26-29 .......... de Moisés no Sinai: Senhor Deus, não destruais... 4. 3 Reis 8, 23-61 ........ da dedicação do templo: Senhor, Deus de Israel... 5. 4 Reis 19, 15-19 ...... de Ezequias: Senhor, Deus de Israel... 6. 2 Cro 6, 14-22 ........ da dedicação do templo: Senhor, Deus de Israel... 7. 2 Cro 20, 6-12 ........ de Josafat: Senhor, Deus de nossos pais... 8. Esd 9, 6-15 .............. de penitência: Meu Deus, estou envergonhado... 9. Ne 1, 5-11 ................ de penitência: Peço-Vos, Senhor, Deus do Céu... 10. Judite 9, 2-14 ........... de Judite: Ó Senhor, Deus de meu pai... 11. Ester 4 C, 2-10 ........ de Mardoqueu: Senhor, Senhor... 12. Ester 4 C, 14-30 ...... de Ester: Meu Deus, meu único rei... 13. Sab 9, 1-19 .............. de Salomão: Deus de meus pais... 14. Sir 36, 1-19 ............. pela conversão de Israel: Tende compaixão de nós... 15. Sir 51, 1-17 ............. de Sirac: Eu Vos dou graças... 16. Is 33, 2-5 ................. penitencial: Senhor, tende piedade de nós. 17. Is 37, 16-20 ............. de Ezequias: Senhor do universo... 18. Is 63, 15-19 ............. de súplica: Lá do alto dos Céus... 19. Is 64, 1-11 ............... de súplica: Quem dera que rasgásseis os Céus... 20. Jer 14, 7-9 ............... pelos Judeus: Se as nossas iniquidades... 21. Jer 14, 17-22 ........... penitencial: Chorem meus olhos... 22. Jer 32, 17-25 ........... de Jeremias: Ah! Senhor Deus... 23. Dan 2, 20-23 ........... de louvor: Seja louvado o nome de Deus...

2

Estes cânticos são quase todos utilizados na Liturgia das Horas. 5 8 SÉCULO I

Novo Testamento 4 ACÇÃO DE GRAÇAS 112 1. Mt 15, 36 ................. multiplicação: Tomou os sete pães e os peixes, deu graças... 2. Mt 26, 27 ................. instituição da Eucaristia: Em seguida, tomou um cálice, deu

graças... 3. Mc 8, 6 ..................... multiplicação: Ordenou que a multidão se sentasse no chão e, tomando os sete pães, deu graças... 4. Mc 14, 23 ................. instituição da Eucaristia: Depois, tomou o cálice, deu graças... 5. Lc 18, 11 .................. fariseu no templo: Meu Deus, dou-Te graças... 6. Lc 22, 17.19 ............ instituição da Eucaristia: Tomando uma taça, deu graças... Tomou, então, o pão e, depois de dar graças... 7. Jo 6, 11 .................... multiplicação: Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças... 8. Jo 11, 41 .................. ressurreição de Lázaro: Pai, dou-Te graças... 9. Act 27, 35 ................. no barco naufragado: Dito isto, tomou um pão, deu graças... 10. Act 28, 15 ................ ao chegar a Roma: Paulo, ao vê-los, deu graças a Deus... 11. Rom 1, 8 .................. pelos cristãos de Roma: Antes de mais, dou graças ao meu Deus por todos vós, por meio de Jesus Cristo... 12. Rom 1, 21 ................ pecado dos pagãos: Tendo conhecido a Deus, não O glorifi caram nem Lhe deram graças... 13. Rom 7, 25 ................ as duas leis sentidas por Paulo: Graças a Deus, por Jesus Cristo, Senhor nosso. 14. Rom 14, 6 ................ os fortes e os fracos:... é em honra do Senhor... pois dá graças a Deus... é em honra do Senhor... e também dá graças a Deus. 15. 1 Cor 1, 4-9.14 ....... actividade de Paulo: Dou graças a Deus, em todo o tempo, a vosso respeito, pela graça divina que vos foi dada em Cristo Jesus... Dou graças a Deus por não ter baptizado nenhum de vós... 16. 1 Cor 10, 30 ............ respeito pelos outros: Se eu tomo alimento, dando graças, por que hei-de ser censurado por aquilo de que dou graças? 17. 1 Cor 11, 23.24 ....... instituição da Eucaristia: O Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças... 18. 1 Cor 14, 18 ............ uso dos carismas: Graças a Deus, eu falo mais em línguas que todos vós. 19. 1 Cor 15, 57 ............ modo da ressurreição: Dêmos graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. 20. 2 Cor 1, 11 .............. bênção:... a fim de que o dom que nos foi concedido, seja motivo de acção de graças para muitos... 21. 2 Cor 2, 14 .............. ministério da nova aliança: Graças sejam dadas a Deus que, em Cristo, nos conduz sempre em seu triunfo... 22. 2 Cor 4, 15 .............. esperanças de Paulo: E tudo o que eu faço por vós... faça aumentar a acção de graças...

4

Textos bíblicos do Novo Testamento (=BÍBLIA). TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO TESTAMENTO

59

23. 2 Cor 8, 16 .............. os enviados de Paulo: Graças sejam dadas a Deus que pôs no coração de Tito o mesmo zelo por vós. 24. 2 Cor 9, 15 .............. exemplo das igrejas da Acaia: Graças sejam dadas a Deus pelo seu dom inefável.

25. Ef 1, 15-16 ............... louvor dos Efésios: Tendo ouvido falar da vossa fé e do vosso amor... não cesso de dar graças por vós. 26. Ef 5, 20 .................... o homem novo: Sem cessar, dai graças por tudo a Deus Pai... 27. Filip 1, 3 .................. louvor dos Filipenses: Dou graças ao meu Deus, todas as vezes que me lembro de vós. 28. Col 1, 3.12 ............... louvor dos Colossenses: Damos graças a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, nas orações que continuamente faze mos por vós... Dai graças ao Pai, que vos tornou capazes de tomar parte na herança dos santos na luz. 29. Col 2, 7 .................... louvor dos Colossenses:... firmes na fé, tal como fostes ins truídos, transbordando em acção de graças. 30. Col 3, 15.17 ............. novas criaturas: Reine nos vossos corações a paz de Cristo... E sede agradecidos... E tudo o que fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando graças por Ele a Deus Pai. 31. 1 Tes 1, 2 ................. louvor dos Tessalonicenses: Damos continuamente graças a Deus por todos vós, ao fazermos menção de vós nas nossas orações... 32. 1 Tes 5, 18 ............... vida eclesial: Em tudo dai graças. Esta é, de facto, a vontade de Deus a vosso respeito. 33. 2 Tes 1, 3-4 .............. louvor dos Tessalonicenses: Devemos dar contínuas graças a Deus por vós, irmãos, como é justo, porque a vossa fé faz grandes progressos... 34. 1 Tim 1, 12 .............. a Cristo: Dou graças Àquele que me confortou... 35. 2 Tim 1, 3 ................. a Deus: Dou graças a Deus, a quem sirvo... 36. Filem 4 ..................... a Deus: Dou graças ao meu Deus, lembrando-me sempre de ti... 37. Ap 4, 9 ...................... o trono de Deus: E, sempre que os seres viventes dão glória, honra e acção de graças... 38. Ap 7, 12 ................... adoração de Deus: O louvor, a glória, a sabedoria, a acção de graças... 39. Ap 11, 17 ................. os vinte e quatro anciãos: Adoraram a Deus, aclamando: Nós Te damos graças... ACLAMAÇÕES 113 1. Mt 21, 9 ................... entrada messiânica em Jerusalém: Hossana ao Filho de David! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hossana nas alturas. 2. Lc 7, 16 .................... ressurreição do filho da viúva: Surgiu entre nós um grande profeta e Deus visitou o seu povo. 3. Jo 1, 29 .................... de João Baptista: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. 4. Ap 11, 15 ................. aclamações no Céu: O reinado sobre o mundo foi entregue a nosso Senhor e ao seu Cristo; Ele reinará pelos séculos dos séculos. 6 0 SÉCULO I ASSEMBLEIA

114 1. Mt 18, 20 ................. presença de Jesus: Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles. 2. Act 1, 6 ..................... Ascensão de Jesus: Estavam todos reunidos, quando lhe perguntaram... 3. Act 6, 2.5 .................. escolha dos Sete: Os Doze convocaram, então, a assembleia dos discípulos... A proposta agradou a toda a assembleia... 4. Act 15, 6.12 ............. concílio de Jerusalém: Os Apóstolos e os Anciãos reuni ram-se para examinar a questão... Toda a assembleia ficou em silêncio... 5. Act 15, 30 ................. em Antioquia: Eles... desceram a Antioquia e, reunindo a assembleia, entregaram a carta. 6. Act 16, 13 ................. em Filipos, conversão de Lídia: Depois de nos sentarmos, começámos a falar às mulheres que lá se encontravam reuni das. 7. 1 Cor 11, 18.20.33 . em Corinto, para a fracção do pão: Ouço dizer que, quando vos reunis em assembleia, há divisões entre vós... Quando vos reunis, não é a ceia do Senhor que comeis... Por isso, quando vos reunirdes para comer, esperai uns pelos outros. 8. 1 Cor 14, 4.12.19.23.28 normas para uso dos carismas:... para que a assembleia possa tirar proveito... Procurai adquirir em abundância os dons do Espírito, mas para edificação da assembleia... Numa assembleia, prefiro dizer cinco palavras com a minha inteli gência... Se toda a assembleia estivesse reunida e todos co meçassem a falar em línguas, os simples ouvintes ou des crentes que entrassem, não diriam que estáveis loucos? Se não houver intérprete, fiquem calados na assembleia e falem consigo mesmos e com Deus. 9. 1 Cor 14, 34.35.36 .... as mulheres na assembleia: Como acontece em todas as assembleias de santos, as mulheres estejam caladas nas as sembleias... porque não é conveniente para uma mulher falar na assembleia. 10. 1 Cor 16, 19 ............ em casa de um casal cristão: Áquila e Priscila, juntamente com a assembleia que se reúne em sua casa, enviam-vos muitas saudações. 11. Hebr 10, 24-25 ....... alguns abandonam a assembleia: Estejamos atentos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, sem abandonarmos a nossa assembleia, como é costume de alguns... 12. Tg 2, 2-4 .................. o rico e o pobre na assembleia: Suponhamos que entra na vossa assembleia um homem com anéis de ouro e bem traja do, e entra também um pobre muito mal vestido... BAPTISMO 115

BAPTISMO DE JOÃO BAPTISTA

1. Mt 3, 6.7.11 ............. apelo à conversão:... eram baptizados por ele no Jordão... vendo que muitos fariseus e saduceus vinham ao seu baptis mo... Eu baptizo-vos com água... mas aquele que vem de

pois de mim... há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo... 2. Mt 21, 25 ................. autoridade de Jesus: De onde era o baptismo de João? TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 61 TESTAMENTO

3. Mc 1, 4.5.8 ............... pregação de João: João Baptista apareceu no deserto, a pregar um baptismo de arrependimento... e eram baptiza dos por ele no rio Jordão... Tenho-vos baptizado em água, mas Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo... 4. Mc 11, 30 ................. autoridade de Jesus: O baptismo de João era do Céu, ou dos homens? 5. Lc 3, 3.7.16 ............. pregação de João: João começou a percorrer toda a região do Jordão, pregando um baptismo de penitência... Dizia às multidões que acorriam para serem baptizadas... e a todos: Eu baptizo-vos em água... 6. Lc 7, 29.30 .............. baptismo de João: E todo o povo... bem como os cobradores de impostos reconheceram a justiça de Deus, recebendo o baptismo de João... Mas, não se deixando baptizar por ele, os fariseus e os doutores da Lei anularam os desígnios de Deus a seu respeito. 7. Lc 20, 4 .................... autoridade de Jesus: O baptismo de João era do Céu, ou dos homens? 8. Jo 1, 25.26.28 .......... testemunho de João: Então por que baptizas?... João res pondeu-lhes: Eu baptizo com água... Isto passou-se em Be tânia, na margem além do Jordão, onde João estava a baptizar... 9. Jo 3, 23 .................... novo testemunho de João: Também João estava a baptizar em Enon, perto de Salim, porque havia ali águas abundantes e vinha gente para ser baptizada. 10. Act 1, 5 ..................... Ascensão de Jesus: João baptizava em água, mas, dentro de pouco tempo, vós sereis baptizados no Espírito Santo. 11. Act 1, 22 ................... discurso de Pedro na eleição de Matias: A partir do baptismo de João até ao dia em que nos foi arrebatado para o Alto. 12. Act 10, 37 ................. discurso de Pedro em casa de Cornélio: Sabeis o que ocor reu em toda a Judeia, a começar pela Galileia, depois do baptismo que João pregou. 13. Act 11, 16 ................. Pedro justifica o seu procedimento: Jesus dizia: João bapti zou em água. 14. Act 13, 24 ................. discurso de Paulo em Antioquia: João preparou a vinda de Jesus, anunciando um baptismo de penitência... 15. Act 19, 3.4 ................ Paulo em Éfeso: Paulo indagou: Então, que baptismo rece bestes? Responderam eles: O baptismo de João. Disse Paulo: João ministrou apenas um baptismo de penitência. BAPTISMO CONTINUADO PELOS DISCÍPULOS DE JOÃO

16. Act 18, 25 ................. pregação de Apolo: Apolo... ensinava com precisão o que dizia respeito a Jesus, embora só conhecesse o baptismo de

116

João. 17. Act 19, 1.3.4 ............ Paulo em Éfeso: Paulo encontrou alguns discípulos... e in dagou: Então, que baptismo recebestes? Responderam eles: O baptismo de João. JESUS FOI BAPTIZADO POR JOÃO

117

18. Mt 3, 13-14.16 ........ baptismo de Jesus: Então, veio Jesus da Galileia ao Jordão ter com João, para ser baptizado por ele. João opunha-se, dizendo: Eu é que tenho necessidade de ser baptizado por ti... Uma vez baptizado, Jesus saiu da água... 6 2 SÉCULO I 19. Mc 1, 9 ..................... baptismo de Jesus: Por aqueles dias, Jesus veio de Nazaré da Galileia e foi baptizado por João no Jordão. 20. Lc 3, 21 .................... baptismo de Jesus: Todo o povo tinha sido baptizado; ten do Jesus sido baptizado também... 21. Jo 1, 31.33 ............... testemunho do João:... foi para Ele Se manifestar a Israel que eu vim baptizar com água... Eu não O conhecia, mas quem me enviou a baptizar com água é que me disse:... Ele é O que baptiza com o Espírito Santo. 118

BAPTISMO CRISTÃO

22. Mt 3, 11 .................... anúncio do baptismo de Jesus: Aquele que vem depois de mim... há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo. 23. Mt 28, 19-20 ............ mandato universal dado aos discípulos: Ide, fazei, discípu los de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quan to vos tenho mandando. 24. Mc 1, 8 ..................... anúncio do baptismo de Jesus:... Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo. 25. Mc 16, 16 ................. palavras de Jesus: Quem acreditar e for baptizado será sal vo; mas, quem não acreditar será condenado. 26. Lc 3, 16 .................... anúncio do baptismo de Jesus: Vai chegar alguém mais forte do que eu... Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo... 27. Jo 3, 3.5 ................... anúncio a Nicodemos: Jesus respondeu a Nicodemos:... Quem não nascer do Alto não pode ver o Reino de Deus... quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus. 28. Jo 3, 22.25.26 .......... Jesus baptizava: Jesus foi com os seus discípulos para a região da Judeia e ali convivia com eles e baptizava... Foram ter com João e disseram-lhe:... Aquele de quem deste teste munho, está a baptizar, e toda a gente vai ter com Ele. 29. Jo 4, 1.2 ................... baptismos realizados pelos discípulos em vida de Jesus: Jesus baptizava mais do que João, embora não fosse o próprio Jesus a baptizar, mas sim os seus discípulos. 30. Act 2, 37-38.41 ....... no dia de Pentecostes: Convertei-vos e peça cada um o bap

tismo em nome de Jesus Cristo, para a remissão dos seus pecados... receberam o baptismo e, naquele dia, juntaram-se a eles cerca de três mil pessoas. 31. Act 8, 12.13 ............. Filipe na Samaria:... homens e mulheres começaram a rece ber o baptismo... O próprio Simão também acreditou e, de pois de baptizado, andava sempre com Filipe... 32. Act 8, 16 .................. os Apóstolos na Samaria:... tinham apenas recebido o bap tismo em nome do Senhor Jesus. 33. Act 8, 35-38 ............. do eunuco etíope:... Está ali água! Que me impede de ser baptizado?... Ambos desceram à água, Filipe e o eunuco, e Filipe baptizou-o. 34. Act 9, 18 .................. de Paulo, contado por Lucas:... caíram-lhe dos olhos uma espécie de escamas e recuperou a vista. Depois, levantou-se e recebeu o baptismo. 35. Act 10, 1-2. 44.47-48 dos primeiros pagãos: Havia em Cesareia um homem de nome Cornélio, centurião da coorte itálica. Piedoso e temen te a Deus, como aliás toda a sua casa... Pedro estava ainda a falar quando o Espírito Santo desceu sobre quantos ouviam TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 63 TESTAMENTO

a palavra. E todos os fiéis circuncisos que tinham vindo de Jerusalém com Pedro ficaram estupefactos, ao verem que o dom do Espírito Santo fora derramado também sobre os pagãos... Pedro então declarou: Poderá alguém recusar a água do baptismo aos que receberam o Espírito Santo, como nós? E ordenou que fossem baptizados em nome de Jesus Cristo. 36. Act 11, 15-18 ........... dos primeiros pagãos, contado por Pedro:... Se Deus, por tanto, lhes concedeu o mesmo dom que a nós, por terem acreditado no Senhor Jesus Cristo, quem era eu para me opor a Deus?... 37. Act 16, 14-15 ........... de Lídia:.. Uma das mulheres, chamada Lídia... pôs-se a escu tar... Depois de ter sido baptizada, bem como os de sua casa... 38. Act 16, 30-33 ........... do carcereiro:... Acredita no Senhor Jesus e serás salvo tu e os teus. Anunciaram-lhe a palavra do Senhor... e imediata mente se baptizou, ele e todos os seus. 39. Act 18, 8 .................. de Crispo e dos primeiros Coríntios:... e muitos dos coríntios que ouviram Paulo pregar abraçavam também a fé e rece biam o Baptismo. 40. Act 19, 5 .................. dos discípulos de João Baptista: Quando isto ouviram, bap tizaram-se em nome do Senhor Jesus. 41. Act 22, 16 ................ de Paulo, contado por ele próprio:... Levanta-te, recebe o baptismo e purifica-te dos teus pecados, invocando o seu nome. 42. Rom 6, 3-4 ............... reflexão de Paulo: Todos nós, que fomos baptizados em Cristo, fomos baptizados na sua morte. Pelo baptismo fo mos, pois, sepultados com Ele na morte... 43. 1 Cor 1, 13-17 ........ Paulo e o baptismo: Será que fostes baptizados em nome de Paulo?... Dou graças a Deus por não ter baptizado nenhum

de vós a não ser Crispo e Gaio... Baptizei também a família de Estéfanes... 44. 1 Cor 10, 2 .............. reflexão de Paulo:... e todos foram baptizados em Moisés, na nuvem e no mar. 45. 1 Cor 12, 13 ............ reflexão de Paulo: Num só Espírito, fomos todos baptiza dos para formar um só corpo... 46. 1 Cor 15, 29 ............ baptismo em vez dos que morreram:... que procurariam os que se fazem baptizar pelos mortos? Se, de facto, os mortos não ressuscitam, por que motivo se fazem baptizar por eles? 47. 2 Cor 1, 22 .............. baptismo ou selo: Ele que nos marcou com um selo. 48. 2 Cor 5, 17 .............. baptismo ou nova criação: Se alguém está em Cristo, é uma nova criação. O que era antigo passou. 49. Gal 3, 27 ................. reflexão de Paulo: Todos os que fostes baptizados em Cris to, estais revestidos de Cristo mediante a fé. 50. Ef 1, 13 .................... baptismo ou selo: Foi em Cristo que acreditastes e fostes marcados com o selo do Espírito Santo prometido. 51. Ef 4, 5 ....................... o baptismo é um só: Há... um só baptismo. 52. Ef 4, 30 .................... baptismo ou selo: Não ofendais o Espírito Santo de Deus, selo com o qual fostes marcados para o dia da redenção. 53. Ef 5, 8 ....................... baptismo ou iluminação: Outrora éreis trevas, mas agora sois luz, no Senhor. Procedei como filhos da luz. 54. Ef 5, 25.26 ............... reflexão de Paulo: Cristo amou a Igreja e entregou-Se por ela, para a santificar, purificando-a, no banho da água, pela palavra. 6 4 SÉCULO I 55. Col 2, 12 .................. reflexão de Paulo: Sepultados com Cristo no baptismo, foi também com Ele que fostes ressuscitados, pela fé que ten des no poder de Deus... 56. Tit 3, 5 ...................... baptismo ou novo nascimento: Ele salvou-nos... mediante um novo nascimento e renovação do Espírito Santo. 57. Hebr 6, 1.2 .............. doutrina do baptismo: Elevemo-nos a coisas mais comple tas, sem lançar de novo os fundamentos... da doutrina do baptismo... 58. Hebr 6, 4.6 .............. baptismo ou iluminação: É impossível que aqueles que uma vez foram iluminados... sejam de novo renovados. 59. Hebr 10, 31 ............. baptismo ou iluminação: Recordai os primeiros dias nos quais, depois de terdes sido iluminados... 60. 1 Ped 3, 21 .............. a nuvem e o mar Vermelho:... Isto era uma figura do baptis mo, que agora nos salva. BÊNÇÃOS 119 1. Mt 11, 25-26 ............. revelação aos humildes: Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do Céu e da terra... 2. Mt 23, 39 ................. lamentação sobre Jerusalém: Bendito o que vem em nome do Senhor. 3. Lc 19, 38 .................. entrada de Jesus em Jerusalém: Bendito seja o Rei que vem em

nome do Senhor. 4. Rom 9, 5 .................. incredulidade de Israel: Deus que está acima de todas as coisas, bendito seja Ele pelos séculos. Amen. 5. 2 Cor 11, 31 ............ trabalhos de Paulo: O Deus e Pai do Senhor Jesus, que é bendito para sempre. 6. Ef 1, 3 ....................... salvação por Cristo: Bendito seja Deus, Pai de nosso Se nhor Jesus Cristo, que do alto dos Céus nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo. 7. Filip 4, 9 .................. viver na alegria: O Deus da paz estará convosco. 8. 1 Tes 5, 23 ............... voto final: O Deus da paz vos santifique totalmente. CÂNTICOS 120 1. Lc 1, 46-55 .............. Magnificat: A minha alma glorifica o Senhor... 2. Lc 1, 68-79 .............. Benedictus: Bendito o Senhor, Deus de Israel... 3. Lc 2, 29-32 .............. Nunc dimittis: Agora, Senhor, segundo a vossa palavra... 4. Ef 1, 3-10 ................. salvação por Cristo: Bendito seja Deus, Pai de nosso Se nhor Jesus Cristo... 5. Filip 2, 6-11 ............. mistério de Cristo: Cristo Jesus, que era de condição divina... 6. Col 1, 12-20 ............ Cristo, mediador: Dêmos graças a Deus Pai, que nos chama a tomar parte na herança dos santos, na luz divina... 7. 1 Tim 3, 16 .............. mistério da piedade: Aquele que Se manifestou em carne humana, foi justificado pelo Espírito. Foi contemplado pe los Anjos... 8. 1 Ped 2, 21-24 ......... obediência dos escravos: Cristo sofreu por nós, deixando nos o exemplo para que sigamos os seus passos... 9. Ap 4, 8 ...................... os quatro seres vivos: Santo, Santo, Santo é o Senhor todo-poderoso, O que era, O que é e O que há-de vir. 10. Ap 4, 11; 5, 9.10.12 ... o trono de Deus: Sois digno, Senhor nosso Deus, de receber a honra, a glória e o poder... TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 65 TESTAMENTO

11. Ap 11, 15 .................. aclamações no Céu: O reinado sobre o mundo foi entregue a nosso Senhor e ao seu Cristo; Ele reinará pelos séculos dos séculos. 12. Ap 11,17-18;12,10-12 os vinte e quatro anciãos: Nós Vos damos graças, Senhor Deus omnipotente, a Vós que sois, que éreis e que haveis de vir... 13. Ap 15, 3-4 ................ o mar de cristal: Grandes e admiráveis são as vossas obras, Senhor Deus omnipotente... 14. Ap 19, 1-2.5-7 ......... cântico de triunfo no Céu: Aleluia. A salvação, a glória e o poder ao nosso Deus, porque são verdadeiros e justos os seus julgamentos... CONFISSÕES DE FÉ 121 1. Mc 9, 23 ................... do pai de uma criança: Eu creio! Ajuda a minha pouca fé. 2. Jo

11, 27 .................. de Marta: Eu creio, Senhor, que Tu és o Cristo, o Filho de Deus... 3. Act 4, 10 ................... de Pedro: É em nome de Jesus Nazareno, que vós crucificas tes e Deus ressuscitou dos mortos... 4. Act 8, 12 ................... baptismal: Quando acreditaram... na Boa Nova do Reino de Deus e no nome de Jesus Cristo... 5. Act 16, 31 ................. do guarda da prisão: Acredita no Senhor Jesus e serás salvo tu e os teus. 6. Rom 10, 9 ................ dos fiéis: Se confessares com a tua boca: Jesus é o Senhor e acreditares no teu coração... serás salvo. 7. 1 Cor 12, 3 .............. pelo Espírito: Jesus é Senhor. 8. Ef 2, 4-7 ................... na gratuidade da fé: Deus, que é rico em misericórdia... deu nos a vida com Cristo... 9. 1 Ped 3, 18-22 ......... em Cristo Senhor: Cristo padeceu pelos pecados, de uma vez para sempre... 10. 1 Jo 4, 15 ................. de João: Quem confessar que Jesus Cristo é o Filho de Deus... DIA DO SENHOR 122 1. Ap 1, 10 ................... visão do Ressuscitado: No dia do Senhor, o Espírito arreba tou-me e ouvi atrás de mim uma voz potente... 123 DOXOLOGIAS 1. Rom 16, 27 .............. glória a Deus: Ao único Deus sábio, por Jesus Cristo, a Ele a glória pelos séculos dos séculos. Amen. 2. 2 Cor 1, 3-4 ............. bênção: Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo... 3. Gal 1, 3-5 ................ saudação: A Ele a glória pelos séculos dos séculos. Amen. 4. Ef 3, 21 .................... o amor de Deus: A Ele a glória, na Igreja e em Cristo Jesus, em todas as gerações, pelos séculos dos séculos. Amen. 5. Filip 4, 20 ................ glória a Deus: A Deus nosso Pai a glória pelos séculos dos séculos. Amen. 6. 2 Tim 4, 18 .............. glória a Deus: A Ele a glória pelos séculos dos séculos. 7. Hebr 13, 21 ............. bênção final: O Deus da paz... realize em nós o que Lhe é agradável, por Jesus Cristo, ao qual seja dada honra e glória pelos séculos dos séculos. Amen. 6 6 SÉCULO I 8. 1 Ped 4, 11 .............. glória a Cristo: A Ele a glória e o poder por todos os séculos dos séculos. Amen. 9. 1 Ped 5, 11 .............. glória a Cristo: A Ele o poder pelos séculos dos séculos. Amen. 10. 2 Ped 3, 18 .............. glória a Cristo: A Ele seja dada glória, agora e até ao dia eterno. Amen. 11. Judas 1, 24.25 ......... glória a Deus: Àquele que é poderoso..., ao Deus único..., seja dada a glória, a majestade, a soberania e o poder, antes de todos os tempos, agora e por todos os séculos. Amen. 12. Ap 1, 6 ...................... glória a Cristo: A Ele seja dada a glória e o poder, pelos séculos dos séculos. Amen.

13. Ap 7, 12 ................... adoração a Deus: O louvor, a glória, a sabedoria, a acção de graças, a honra, o poder e a força ao nosso Deus pelos sécu los dos séculos. Amen. 14. Ap 12, 10 ................. uma voz no Céu: Agora chegou o tempo da salvação, da força e da realeza do nosso Deus e do poder do seu Cristo. 15. Ap 17, 14 ................. glória ao Cordeiro: O Cordeiro é Senhor dos senhores e Rei dos reis. 124

ESPÍRITO SANTO (DOM DO) 1. Mt 10, 20 ................. perseguição dos discípulos: Não sereis vós a falar, mas o Espírito do vosso Pai é que falará por vós. 2. Lc 11, 13 .................. confiança na oração: O Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que lho pedem. 3. Jo 14, 16.17 ............. primeira promessa do Espírito: Eu pedirei ao Pai e Ele vos dará outro Paráclito... o Espírito da Verdade... que permane ce junto de vós, e está em vós. 4. Jo 14, 26 .................. segunda promessa do Espírito: O Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, esse é que vos ensinará tudo, e há-de recordar-vos tudo o que Eu vos disse. 5. Jo 15, 26 .................. terceira promessa do Espírito: Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade que procede do Pai... 6. Jo 16, 7 .................... quarta promessa do Espírito: Se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se Eu for, Eu vo-lo enviarei. 7. Jo 16, 13.14.15 ....... quinta promessa do Espírito: Quando vier o Espírito da Verdade, há-de guiar-vos para a Verdade completa... Há-de manifestar a minha glória... Receberá do que é meu e vo-lo dará a conhecer. 8. Act 1, 5 ..................... Ascensão de Jesus: João baptizava em água, mas, dentro de pouco tempo, vós sereis baptizados no Espírito Santo. 9. Act 2, 38 ................... discurso de Pedro no Pentecostes: Convertei-vos e peça cada um o baptismo em nome de Jesus Cristo... e recebereis, então, o dom do Espírito Santo. 10. Act 5, 32 ................... discurso de Pedro na prisão e libertação dos Apóstolos: Nós somos testemunhas destas coisas, juntamente com o Espírito Santo, que Deus tem concedido àqueles que lhe obedecem. 11. Act 8, 15.17 ............. Pedro e João na Samaria:... rezaram pelos samaritanos para eles receberem o Espírito Santo... Pedro e João iam impon do as mãos sobre eles e eles recebiam o Espírito Santo. TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 67 TESTAMENTO

12. Act 8, 18 ................... tentativa de Simão Mago: Ao ver que o Espírito Santo era dado pela imposição das mãos dos Apóstolos... 13. Act 10, 44.45 ........... em casa de Cornélio: Pedro estava ainda a falar quando o Espírito Santo desceu sobre quantos ouviam a palavra. E todos... ficaram estupefactos, ao verem que o dom do Espí

rito Santo fora derramado também sobre os pagãos... 14. Act 11, 15-16 ........... Pedro conta a conversão de Cornélio: Ora, quando princi piei a falar, o Espírito Santo desceu sobre eles, como sobre nós, ao princípio. Recordei-me, então, da palavra do Se nhor, quando Ele dizia: João baptizou em água; vós, porém, sereis baptizados no Espírito Santo. 15. Act 15, 8 ................... discurso de Pedro no concílio de Jerusalém: Deus, que co nhece os corações... concedeu-lhes o Espírito Santo como a nós. 16. Act 19, 2.6 ................ Paulo em Éfeso: Recebestes o Espírito Santo quando abra çastes a fé? Responderam: Mas nós nem sequer ouvimos dizer que existe o Espírito Santo!... E, tendo-lhes Paulo imposto as mãos, o Espírito desceu sobre eles... 17. Rom 5, 5 ................... o amor de Deus: O amor de Deus foi derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. 18. Rom 8, 9 ................... livres no Espírito: Vós não estais sob o domínio da carne, mas sob o domínio do Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. 19. Rom 8, 26.27 ........... a glória que nos espera: O Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza... O próprio Espírito intercede por nós... É de acor do com Deus que o Espírito intercede pelos santos. 20. 1 Cor 3, 16 .............. somos templos de Deus: Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito Santo habita em vós? 21. 2 Cor 1, 21.22 ......... mudança de planos: Aquele que nos confirma convosco em Cristo, e nos consagrou, é Deus. Ele que nos marcou com o seu selo e colocou em nossos corações o penhor do Espírito. 22. 2 Cor 5, 5 ................ esperança da glória: Quem nos preparou para isso mesmo foi Deus, que nos deu o penhor do Espírito. 23. Gal 4, 6 .................... em Cristo, somos filhos de Deus: Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: Abba! Pai! 24. 1 Tes 4, 8 ................. santidade e caridade: Quem despreza estes preceitos... des preza o próprio Deus que vos dá o seu Espírito. 25. 1 Jo 3, 24 ................. amar com obras: Reconhecemos que Deus permanece em nós, graças ao Espírito que nos deu.

EUCARISTIA 125

INSTITUIÇÃO

1. Mt 26, 26-29 .............. Enquanto comiam... no Reino de meu Pai. 2. Mc 14, 22-25 ............. Enquanto comiam... no Reino de Deus. 3. Lc 22, 14-20 .............. Quando chegou a hora... que vai ser derramado por vós. 4. 1 Cor 11, 23-26 ........ Eu recebi do Senhor... até que Ele venha. EUCARISTIA Mt 26, 26-27 SINOPSE DA INSTITUIÇÃO DA

126 6 8 SÉCULO I

Mc 14, 22-23

Porque este é o meu sangue, sangue da Aliança, que vai ser derramado por muitos, para o perdão dos pecados». 22 Enquanto comiam,

26

Ora, enquanto comiam, Jesus, tomou o pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e deu-o aos seus discípulos, dizendo: «Tomai, comei: Isto é o meu Corpo».

27

Em seguida, tomou um cálice, deu graças e entregou-lho, dizendo: «Bebei dele todos TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO TESTAMENTO

tomou um pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e entregou-o aos discípulos dizendo: «Tomai: Isto é o meu Corpo».

23

Depois, tomou o cálice, deu graças e entregou-lho. Todos beberam dele. E ele disse-lhes: «Isto é o meu sangue da Aliança que vai ser derramado por todos». 69

co, antes de padecer, 16 pois digo-vos que já não a voltarei a comer até ela ter pleno cumprimento no Reino de Deus». 17 Tomando uma taça, deu gra ças e disse: «Tomai e reparti entre Lc 22, 15-20 vós, 18 pois digo-vos que não torna rei a beber do fruto da videira, até chegar 15 Disse-lhes: «Tenho ardentemente o Reino de Deus». desejado comer esta Páscoa convos

o Senhor Jesus tomou o pão 24 e, depois de dar graças partiu-o

19

Tomou, então, o pão e, depois de dar graças, partiu-o e distribuiu-o por eles, dizendo:

e disse: «Isto é o meu Corpo, que é entregue por vós; fazei isto em memória de Mim».

«Isto é o meu Corpo, que vai ser entregue por vós; fazei isto em minha memória».

25

Do mesmo modo, depois da ceia, tomou o cálice

20

Depois de ceia, fez o mesmo com o cálice,

e disse:

dizendo:

«Este cálice é

«Este cálice é

a nova Aliança no meu sangue;

a nova Aliança no meu sangue que vai ser derramado por vós». 1 Cor 11, 23-25

todas as vezes que dele beberdes, fazei-o em memória de Mim».

23

Na noite em que foi entregue, 7 0 SÉCULO I FÓRMULAS (RITUAIS E DE ORAÇÃO) 127 1. Mt 6, 9-13 ................ da Oração dominical: Pai nosso, que estais nos Céus... 2. Mt 26, 26 ................. eucarística: Tomai e comei. Isto é o meu Corpo... 3. Mt 28, 19 ................. baptismal: Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. 4. Mc 14, 22

................. eucarística: Tomai: Isto é o meu Corpo... 5. Lc 15, 18 .................. na confissão dos pecados: Pai, pequei contra o Céu e contra Ti... 6. Lc 22, 19 .................. eucarística: Isto é o meu Corpo, que é entregue por vós... 7. Jo 17, 1-26 .............. da oração sacerdotal: Pai, chegou a hora... 8. Act 1, 24 ................... na eleição de Barsabas e Matias. Tu, Senhor, que conheces o coração de todos... 9. Act 7, 59-60 ............. da oração de Estêvão: Senhor Jesus, recebe o meu espírito... Senhor, não lhes atribuas este pecado. 10. Act 8, 37 ................... baptismal: Em nome do Senhor Jesus Cristo... 11. Act 10, 48 ................. baptismal: Em nome do Senhor Jesus Cristo... 12. 1 Cor 6, 11 .............. baptismal: Fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus. 13. 1 Cor 8, 6 ................ do Pai e do Filho: Um só é Deus, o Pai, de quem tudo procede e para quem nós somos, e um só é o Senhor Jesus Cristo... 14. 1 Tim 2, 1 ................. da oração universal: Recomendo... que se façam preces, orações, súplicas e acções de graças por todos os homens... 15. Hebr 10, 5-7 ............ de Cristo ao entrar no mundo: Tu não quiseste sacrifício nem oferenda... FRACÇÃO DO PÃO 128 1. Mt 14, 19 ................. multiplicação:... ergueu os olhos ao céu e pronunciou a bên ção; partiu, depois, os pães e deu-os aos discípulos... 2. Mt 15, 36 ................. multiplicação: Tomou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os e dava-os aos discípulos... 3. Mt 26, 26 ................. instituição da Eucaristia: Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e deu-o aos seus discípulos... 4. Mc 6, 41 ................... multiplicação:... e erguendo os olhos ao céu, pronunciou a bênção, partiu os pães e dava-os aos seus discípulos... 5. Mc 8, 6 ..................... multiplicação:... e tomando os sete pães, deu graças, par tiu-os e dava-os aos seus discípulos... 6. Mc 14, 22 ................. instituição da Eucaristia: Enquanto comiam, tomou um pão e, depois de pronunciar a bênção, partiu-o e entregou-o aos discípulos... 7. Lc 9, 16 .................... multiplicação:... ergueu os olhos ao céu, abençoou-os, par tiu-os e deu-os aos discípulos... 8. Lc 22, 19 .................. instituição da Eucaristia: Tomou, então, o pão e, depois de dar graças, partiu-o e distribuiu-o por eles... 9. Lc 24, 30.35 ............ ceia com os discípulos de Emaús: E, quando se pôs à mesa, tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de o partir, entregou-lho... E eles contaram o que lhes tinha acontecido pelo caminho e como Jesus se lhes dera a conhecer, ao partir do pão. 10. Act 2, 42.46 ............. vida dos primeiros cristãos: Eram assíduos ao ensino dos Apóstolos, à união fraterna, à fracção do pão, e às orações... Partiam o pão em suas casas... TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO

TESTAMENTO

71 11. Act 20, 7.11 .............. celebração eucarística em Tróade: No primeiro dia da se mana, estando nós reunidos para partir o pão... Depois, voltou para cima, partiu o pão, comeu e falou até de madrugada... 12. Act 27, 35 ................. no naufrágio de Paulo: Dito isto, tomou um pão, deu graças a Deus diante de todos, partiu-o e começou a comer. 13. 1 Cor 10, 16 ............ fugir da idolatria: O pão que partimos não é comunhão com o Corpo de Cristo? 14. 1 Cor 11, 23-24 ...... instituição da Eucaristia:... o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse... HINOS 129 1. Mt 21, 9 ................... entrada em Jerusalém: Hossana ao Filho de David. Bendito o que vem em nome do Senhor. Hossana nas alturas. 2. Lc 2, 14 .................... canto dos Anjos: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados. 3. Jo 1, 1-18 ................. eternidade do Verbo: No princípio era o Verbo... 4. Rom 8, 29-30 ........... a glória que nos espera: Aqueles a quem Deus de antemão conheceu, também os predestinou... 5. 1 Cor 13, 1-13 ........ hino à caridade: Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos Anjos, se não tiver caridade... 6. Ef 4, 5-6 ................... todos unidos em Cristo: Há um só Corpo e um só Espírito, como existe uma só esperança na vida a que fostes chamados. Há um só Senhor... HORAS DO DIA 130 1. Mt 8, 16 ................... em casa de Pedro: Ao entardecer... 2. Mt 20, 1.3.5.6.8.9 ... parábola: O Reino do Céu é semelhante a um proprietário que saiu ao romper da manhã (seis horas)... Saiu depois pelas nove horas (tertia)... Saiu de novo por volta do meio dia (sexta)... e das três da tarde (noa)... Saindo pelas cinco da tarde (undécima)... Ao entardecer... Vieram os das cinco da tarde (undécima)... 3. Mt 27, 45.46 ............ Jesus na Cruz: Desde o meio-dia (sexta) até às três horas da tarde (noa)... Cerca das três horas da tarde (noa)... 4. Mc 1, 32 ................... em casa de Pedro: À noitinha, depois do sol-pôr... 5. Mc 15, 25.33.34 ...... Jesus na Cruz: Eram nove horas da manhã (tertia), quando O crucificaram... Ao chegar o meio-dia (sexta), fez-se trevas sobre a terra... E às três horas da tarde (noa)... 6. Lc 23, 44 .................. Jesus na Cruz: Por volta do meio-dia (sexta), as trevas co briram toda região até às três horas da tarde (noa). 7. Lc 24, 1 .................... as mulheres vão ao sepulcro: No primeiro dia da semana, ao romper da alva... 8. Jo 1, 39 .................... os discípulos de João: Foram, pois, e viram onde morava e

ficaram com Ele nesse dia. Era ao cair da tarde. 9. Jo 4, 6 ...................... junto do poço de Jacob: Jesus, cansado da caminhada, sen tou-se, sem mais, na borda do poço. Era por volta do meio-dia (sexta). 10. Jo 4, 52 .................... o filho do funcionário real: A febre deixou-o há pouco, de pois do meio-dia (sexta). 11. Jo 8, 2 ...................... perdão da mulher adúltera: De madrugada, voltou outra vez para o templo... 7 2 SÉCULO I 12. Jo 11, 9 ..................... ressurreição de Lázaro: Jesus respondeu: Não tem doze horas o dia? 13. Act 2, 15 ................... Pedro, no dia de Pentecostes: Estes homens não estão em briagados como imaginais, pois apenas vamos na terceira hora do dia (nove horas). 14. Act 3, 1 ..................... cura de um aleijado: Pedro e João subiam ao templo, para a oração das três horas da tarde (quinze horas). 15. Act 10, 9.30 ............. visão de Pedro em Jope: Pedro subiu ao terraço para a ora ção do meio-dia (sexta)... estava eu em minha casa a fazer a oração das três horas da tarde (quinze horas). 16. Act 16, 25 ................. na prisão de Filipos: Cerca da meia-noite, Paulo e Silas, em oração... 131 IGREJA 1. Mt 16, 18 ................. universal: Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja... 2. Mt 18, 17 ................. universal:... se ele se recusar a ouvi-las, comunica-o à Igreja. 3. Act 8, 1 ..................... de Jerusalém:... uma terrível perseguição caiu sobre a igreja de Jerusalém. 4. Act 13, 1 ................... de Antioquia: Havia na igreja, estabelecida em Antioquia... 5. Act 15, 41 ................. da Síria e da Cilícia: Atravessou a Síria e a Cilícia, fortale cendo as igrejas. 6. Act 16, 5 ................... várias: Dessa forma, as igrejas eram confirmadas na fé... 7. Act 18, 22 ................. de Cesareia: Desembarcou em Cesareia, subiu para saudar a igreja e desceu a Antioquia. 8. Act 20, 17.28 ........... de Éfeso: Paulo mandou chamar os anciãos da igreja de Éfeso... Tomai cuidado... para apascentardes a igreja de Deus... 9. Rom 16, 1 ................ de Cêncreas:.. que também é diaconisa na igreja de Cêncreas. 10. Rom 16, 16 .............. várias: Saúdam-vos todas as igrejas de Cristo. 11. 1 Cor 1, 2 ................ de Corinto: à Igreja de Deus que está em Corinto... 12. 1 Cor 11, 16 ............ várias:... nós não temos esse costume, nem tão-pouco as igrejas de Deus. 13. 1 Cor 16, 1 .............. várias da Galácia:... fazei vós também o que ordenei às igrejas da Galácia. 14. 1 Cor 16, 19 ............ várias da Ásia: Saúdam-vos as igrejas da Ásia... 15. 2 Cor 1, 1 ................ de Corinto:... à igreja de Deus que está em Corinto. 16. Gal 1, 13 .................. universal:... com que excesso perseguia a Igreja de Deus... 17. Gal 1, 22 .................. várias da Judeia:... não era pessoalmente conhecido das igrejas de Cristo que estão na Judeia.

18. Ef 1, 22 .................... universal: Ele tudo submeteu a seus pés e deu-o, como ca beça que tudo domina, à Igreja, que é o seu Corpo. 19. Ef 3, 10 .................... universal:... para que agora, por meio da Igreja, seja dada a conhecer... 20. Ef 5, 23-32 ............... universal:... como também Cristo é a cabeça da Igreja... Ora, como a Igreja se submete a Cristo... como Cristo amou a Igreja... como Igreja sem mancha... como Cristo faz à Igre ja... em relação a Cristo e à Igreja. 21. Col 1, 18.24 ............. universal: Ele é a cabeça do seu Corpo, que é a Igreja... completo na minha carne o que falta às tribulações de Cris to, pelo seu Corpo, que é a Igreja. 22. 1 Tes 2, 14 ............... várias da Judeia:... tornastes-vos imitadores das igrejas de Deus, que estão na Judeia, em Cristo Jesus... TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 73 TESTAMENTO IMPOSIÇÃO

DAS

132

MÃOS

1. Mt 9, 18 ................... à filha de Jairo: Minha filha acaba de morrer, mas vem im por-lhe a tua mão e viverá. 2. Mt 19, 13.15 ............ às crianças: Apresentaram a Jesus umas crianças, para que lhes impusesse as mãos... E depois de lhes ter imposto as mãos, prosseguiu o seu caminho. 3. Mc 6, 5 ..................... a vários doentes:... apenas curou alguns enfermos, impon do-lhes as mãos. 4. Mc 7, 32 ................... a um surdo-mudo: Trouxeram-lhe um surdo-mudo e roga ram-lhe que impusesse as mãos sobre ele. 5. Mc 8, 23.25 ............. ao cego de Betsaida:... deitou-lhe saliva nos olhos, impon do-lhe as mãos... Em seguida, Jesus impôs-lhe outra vez as mãos sobre os olhos e ele viu perfeitamente... 6. Mc 10, 16 ................. aos pequeninos: Depois, tomou-os nos braços e abençoou-os, impondo-lhes as mãos. 7. Mc 16, 18 ................. os discípulos de Jesus:... hão-de impor as mãos aos doentes e eles ficarão curados. 8. Lc 4, 40 .................... em casa de Simão:... todos quantos tinham doentes, com diversas enfermidades, levaram-lhos; e Ele, impondo as mãos a cada um deles, curava-os. 9. Lc 13, 13 .................. num dia de sábado: E impôs-lhe as mãos. No mesmo ins tante, ela endireitou-se e começou a dar glória a Deus. 10. Act 6, 6 ..................... aos Sete: Foram apresentados aos Apóstolos que, depois de orarem, lhes impuseram as mãos. 11. Act 8, 17 ................... aos Samaritanos: Pedro e João iam, então, impondo as mãos sobre eles, e recebiam o Espírito Santo. 12. Act 8, 18.19 .............. Simão Mago: Ao ver que o Espírito Santo era dado pela imposição das mãos dos Apóstolos, Simão ofereceu-lhes

dinheiro... Dai-me também a mim esse poder, para que aquele a quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo. 13. Act 9, 12.17 .............. a Saulo: Saulo viu numa visão um homem, de nome Ananias, entrar e impor-lhe as mãos para recobrar a vista... Então, Anani as partiu, entrou na dita casa, e impôs as mãos sobre ele... 14. Act 13, 3 ................... a Barnabé e Saulo: Depois de terem jejuado e orado, impu seram-lhes as mãos e deixaram-nos partir. 15. Act 19, 6 ................... em Éfeso, aos discípulos de João: E, tendo-lhes Paulo im posto as mãos, o Espírito Santo desceu sobre eles... 16. Act 28, 8 ................... em Malta: O pai de Públio estava retido no leito com febre e disenteria. Paulo foi vê-lo e, depois de rezar, impôs-lhe as mãos e curou-o... 17. 1 Tim 4, 14 ............... cultivar a graça recebida: Não descures o carisma que está em ti, e que te foi dado através de uma profecia, com a imposição das mãos dos presbíteros. 18. 1 Tim 5, 22 ............... prudência pastoral: Não imponhas as mãos a ninguém pre cipitadamente... 19. 2 Tim 1, 6 ................. renovação da graça recebida: Recomendo-te que reacendas o dom de Deus que se encontra em ti, pela imposição das minhas mãos. 20. Hebr 6, 2 ................. normas de vida cristã: Por isso, deixando de parte... a dou trina da imposição das mãos... 21. Ap 1, 17 .................... o autor do Apocalipse: Mas ele colocou a mão direita sobre mim, dizendo: Não tenhas medo. 7 4 SÉCULO I LITURGIA 5 133 1. Lc 1, 23 .................... Zacarias termina o seu turno no templo: Terminados os dias do seu serviço (leitourgi/aj), regressou a sua casa. 2. Act 13, 2 ................... na igreja de Antioquia: Estando eles a celebrar o culto (leitourgou/ntwn) em honra do Senhor e a jejuar. 3. Rom 13, 6 ................ colaborar com as autoridades: É também por essa razão que pagais impostos; aqueles que têm de se ocupar disso são funcionários (leitourgoi\) de Deus. 4. Rom 15, 16 .............. ministério de Paulo: Ser para os gentios um ministro (leitourgo\n) de Cristo Jesus, que administra o Evangelho. 5. Rom 15, 27 .............. colecta da Macedónia e da Acaia: Se os gentios participa rem dos seus bens espirituais, têm também obrigação de os servir (leitourgh=sai) com os seus bens materiais. 6. 2 Cor 9, 12 .............. colecta das igrejas da Acaia: O serviço desta colecta (leitourgi/aj) não deve apenas prover às necessidades dos santos, mas tornar-se abundante fonte de muitas acções de graças a Deus. 7. Filip 2, 17 ................ Paulo, prisioneiro por Cristo: Alegro-me até mesmo se o meu sangue tiver de ser derramado em sacrifício e oferta (leitourgi/#) pela vossa fé.

8. Filip 2, 25.30 ........... recomendação de Epafrodito:... Epafrodito, meu irmão, co laborador e companheiro de luta e vosso enviado para me servir (leitourgo\n) nas minhas necessidades... arriscando a vida para vos substituir nos serviços (leitourgi/aj) que vos era impossível prestar-me. 9. Hebr 1, 7.14 ............ ministério dos Anjos: A respeito dos Anjos, diz: Ele faz dos seus Anjos espíritos e dos seus ministros (leitourgou\j) cha mas de fogo... Não são todos eles espíritos encarregados de um ministério (leitourgi/#)...? 10. Hebr 8, 2.6 .............. Cristo, liturgos do Pai: Como ministro (leitourgo\j) do san tuário e da verdadeira tenda... De facto, Ele obteve um mi nistério (leitourgi/aj) tanto mais elevado, quanto maior é a aliança de que é mediador... 11. Hebr 9, 21 ............... Moisés, liturgos da tenda: E, do mesmo modo, aspergiu também com sangue a tenda e todos os vasos de culto (leitourgi/aj). 12. Hebr 10, 11 ............. a liturgia dos sacerdotes do templo: Todo o sacerdote se apresenta diariamente para oferecer o culto (leitourgw=n). 134

MATRIMÓNIO 1. Mt 5, 32 ................... Jesus discute com os fariseus: Eu, porém, digo-vos: Aquele que se divorciar da sua mulher – excepto em caso de união ilegal – expõe-na a adultério, e quem casar com a divorciada come te adultério. 2. Mt 19, 6.9 ................ Jesus discute com os fariseus: Já não são dois, mas um só. Pois bem, o que Deus uniu não o separe o homem... Eu digo

5

A palavra Liturgia é utilizada algumas vezes no Novo Testamento, ora como forma verbal (leitourgei=n – celebrar a liturgia), ora como substantivo (leitourgi/# – liturgia), ora como adjectivo (leitourgo/j, leitourgiko/j – litúrgico). Só num caso a palavra tem sentido de culto litúrgico cristão. TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 75 TESTAMENTO

-vos: Se alguém se divorciar da sua mulher – excepto em caso de união ilegal – e casar com outra, comete adultério. 3. Mc 10, 8.9.11.12 ...... Jesus discute com os fariseus: Portanto, já não são dois, mas um só. Pois bem, o que Deus uniu não o separe o ho mem... Quem se divorciar da sua mulher e casar com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher se divorci ar do seu marido e casar com outro, comete adultério. 4. Lc 16, 18 .................. Jesus discute com os fariseus: Todo aquele que se divorcia da sua mulher e casa com outra comete adultério; e quem casa com uma mulher divorciada comete adultério. 5. 1 Cor 7, 10.11 ......... Paulo estima igualmente o matrimónio e o celibato: Aos que estão casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido... e o marido não repudie a sua mulher.

6. Ef 5, 31-32 ............... para Paulo, o modelo de amor conjugal é o amor de Cristo pela Igreja: Por isso, o homem deixará o pai e a mãe, unir-se-á à sua mulher e serão os dois uma só carne. Grande é este mistério; mas eu interpreto-o em relação a Cristo e à Igreja. MINISTÉRIO (ORDEM) 135 1. Act 6, 2.3.6 .............. instituição dos Sete: Os Doze convocaram a assembleia dos discípulos... É melhor procurardes entre vós, irmãos, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, e confiar-lhes-emos esse serviço... Foram apre sentados aos Apóstolos que, depois de orarem, lhes impu seram as mãos. 2. Act 13, 1.2-3 ............ instituição de Barnabé e Saulo: Havia na igreja, estabelecida em Antioquia, profetas e doutores... Separai Barnabé e Sau lo para o trabalho a que Eu os chamei. Então, depois de terem jejuado e orado, impuseram-lhes as mãos e deixaram nos partir. 3. Act 14, 23 ................. instituição de anciãos em Listra, Icónio e Antioquia: Depois de lhes terem constituído anciãos em cada igreja, pela impo sição das mãos, e de terem feito orações acompanhadas de jejum... 4. Act 20, 17.28 ........... anciãos da igreja de Éfeso: De Mileto, Paulo mandou cha mar os anciãos da igreja de Éfeso... 5. Filip 1, 1 .................. bispos e diáconos de Filipos: Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos, com seus bispos e diáconos... 6. Col 1, 25 .................. Paulo, ministro da Igreja: Foi da Igreja que eu me tornei servidor, segundo a missão que Deus me confiou para vosso benefício... 7. Col 4, 7 .................... ministério de Tíquico: De tudo o que me diz respeito infor mar-vos-á Tíquico, o irmão querido, servidor fiel e meu com panheiro no serviço do Senhor. 8. Col 4, 17 .................. ministério de Arquipo: Dizei a Arquipo: Presta atenção ao ministério que recebeste do Senhor, a fim de o realizares bem. 9. 1 Tes 3, 2 ................. ministério de Timóteo: Enviámos Timóteo, nosso irmão e colaborador de Deus no Evangelho de Cristo, para vos con firmar e encorajar na vossa fé. 7 6 SÉCULO I 10. 1 Tes 5, 12-13 .......... vários ministros da igreja dos Tessalonicenses: Pedimo- -vos, irmãos, que reconheçais aqueles que se afadigam entre vós, que vos governam no Senhor e que vos instruem... 11. 1 Tim 1, 12 ............... ministério de Paulo: Dou graças Àquele que me confortou, Cristo Jesus Nosso Senhor, por me ter considerado digno de confiança, podo-me ao seu serviço... 12. 1 Tim 3, 1-7 ............. ministério do episcopado: Se alguém aspira ao episcopado, deseja um excelente ofício. Mas é necessário que o bispo

seja irrepreensível... 13. 1 Tim 3, 8-9.12-13 .... ministério do diaconado: Do mesmo modo, os diáconos se jam pessoas dignas... Os diáconos sejam maridos de uma só mulher... 14. 1 Tim 4, 6.14 ........... ministério de Timóteo: Expondo estas coisas aos irmãos, serás um bom ministro de Cristo Jesus... Não descures o carisma que está em ti, e que te foi dado através de uma profecia, com a imposição das mãos dos presbíteros. 15. 1 Tim 5, 17.22 ......... ministério dos presbíteros: Os presbíteros que exercem bem a presidência sejam julgados dignos de dupla honra, princi palmente os que trabalham na pregação e no ensino... Não imponhas as mãos a ninguém precipitadamente, nem te tor nes cúmplice de pecados alheios. 16. 2 Tim 1, 6 ................. ministério de Timóteo: Recomendo-te que reacendas o dom de Deus que se encontra em ti, pela imposição das minhas mãos. 17. Tit 1, 5 ...................... ministério dos presbíteros: Deixei-te em Creta, para acaba res de organizar o que ainda falta e para colocares presbíte ros em cada cidade, de acordo com as minhas instruções. 18. Tit 1, 6-9 .................. ministério dos presbíteros ou bispos: Os presbíteros devem ser irrepreensíveis... Porque é preciso que o bispo, como administrador de Deus... 19. 1 Ped 5, 1-4 ............. ministério dos presbíteros: Aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles e que fui testemunha dos pa decimentos de Cristo... ORAÇÃO 136 1. Rom 1, 9-10 ............. de Paulo pelos cristãos de Roma: Deus... me é testemunha de como constantemente me lembro de vós, pedindo sempre nas minhas orações que tenha, finalmente, ocasião de ir ter convosco. 2. Ef 1, 16 ..................... de Paulo pelos cristãos de Éfeso: Lembro-me de vós nas minhas orações. 3. Filip 1, 4.9.11 .......... de Paulo pelos cristãos de Filipos: Em todas as minhas ora ções peço sempre por todos com alegria... Rezo para que a vossa caridade aumente ainda mais e mais em sabedoria e toda a espécie de discernimento... 4. Col 1, 9-10 .............. de Paulo pelos cristãos de Colossos: Não cessamos de orar por vós e de pedir que chegueis ao pleno conhecimento da vontade de Deus... 5. 2 Tes 1, 11-12 ......... de Paulo pelos cristãos de Tessalónica: Oramos continua mente por vós, para que o nosso Deus vos considere dignos do seu chamamento... 77 TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO TESTAMENTO

PALAVRAS E EXPRESSÕES HEBRAICAS

137 1. Aleluia ...................... Ap 19, 1.3.4.6 2. Amen ........................ Rom 1, 25; 9, 5; 11, 36; 15, 33; 16, 27; 1 Cor 14, 16; 2 Cor 1, 20; Gal 1, 5; 6, 18; Ef 3, 21; Filip 4, 20; 1 Tim 1, 17; 6, 16; 2 Tim 4, 18; Hebr 13, 21; 1 Ped 4, 11; 5, 11; Judas 25; Ap 1, 6.7; 3, 14; 5, 14; 7, 12; 19, 4. 3. Pelos séculos ........... Rom 1, 25; 9, 5; 11, 36; 16, 27; 2 Cor 11, 31. 4. Pelos séculos dos séculos Gal 1, 5; Filip 4, 20; 1 Tim 1, 17; 2 Tim 4, 18; Ef 3, 21; 1 Ped 4, 11; 5,11; Ap 1, 6; 5, 13; 7, 12; 11, 15. 138 PERDOAR 1. Mt 9, 2.6 .................. Jesus perdoa ao paralítico: Filho, tem confiança, os teus pecados estão perdoados... Para que saibais que o Filho do homem tem, na terra, poder para perdoar pecados... 2. Mt 16, 19 ................. Jesus confia a Pedro o poder de perdoar em seu nome: Tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu, e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu. 3. Mt 18, 18 ................. Jesus confia a todos os discípulos o poder de perdoar em seu nome: Tudo o que ligardes na terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no Céu. 4. Mc 2, 5.10 ................ Jesus perdoa ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados... Para que saibais que o Filho do homem tem, na terra, poder para perdoar os pecados... 5. Lc 5, 20.24 .............. Jesus perdoa ao paralítico: Homem, os teus pecados estão perdoados... Para que saibais que o Filho do homem tem, na terra, o poder de perdoar pecados... 6. Lc 7, 48 .................... Jesus perdoa à mulher pecadora: Depois disse à mulher: Os teus pecados estão perdoados. 7. Jo 20, 22-23 ............ Jesus confia a todos os discípulos o poder de perdoar em seu nome: Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem per doardes os pecados ficarão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ficarão retidos. 139 PRIMEIRO DIA DA SEMANA 1. Mt 28, 1 ................... dia da Ressurreição: Terminado o sábado, ao romper do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ao sepulcro. 2. Mc 16, 2.9 ................ dia da Ressurreição: De manhã, ao nascer do sol, muito cedo, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro... Tendo ressuscitado de manhã, no primeiro dia da semana, Jesus apareceu primeiramente a Maria Madalena... 3. Lc 24, 1 .................... dia da Ressurreição: No primeiro dia da semana, ao romper da alva, as mulheres foram ao sepulcro, levando os perfu mes que haviam preparado... 4. Jo 20, 1 .................... dia da Ressurreição: No primeiro dia da semana, Maria Ma dalena foi ao túmulo logo de manhã, ainda escuro...

5. Jo 20, 19 .................. dia da aparição aos discípulos: Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas do lugar onde os discípulos se encontravam... 7 8 SÉCULO I 6. Act 20, 7 ................... dia da Eucaristia de Tróade: No primeiro dia da semana, estando nós reunidos para partir o pão... 7. 1 Cor 16, 2 .............. dia da colecta para Jerusalém: No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em sua casa, o que tiver conseguido poupar... SAUDAÇÕES 140 1. Mc 5,34 .................... de Jesus à mulher: Vai em paz. 2. Lc 1, 28 .................... do Anjo a Maria: Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo; bendita és tu entre as mulheres. 3. Lc 1, 42 .................... de Isabel a Maria: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. 4. Lc 7, 50 .................... de Jesus à pecadora: Vai em paz. 5. Lc 8, 48 .................... de Jesus a uma mulher doente: Filha, vai em paz. 6. Lc 24, 36 .................. de Jesus aos Onze: A paz esteja convosco. 7. Jo 19, 26-27 ............ de Jesus a Maria e a João: Mulher, eis o teu filho... eis a tua Mãe. 8. Rom 1, 7 ................... de Paulo no início da Carta: A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 9. Rom 16, 20 .............. de Paulo no final da Carta: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco. 10. 1 Cor 1, 3 ................ de Paulo no início da Carta: A graça e a paz de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco. 11. 1 Cor 16, 23 ............ de Paulo no final da Carta: A graça do Senhor Jesus esteja convosco. 12. 2 Cor 1, 2 ................ de Paulo no início da Carta: A graça e a paz vos sejam dadas da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 13. 2 Cor 13, 13 ............ de Paulo no final da Carta: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. 14. Gal 1, 3 .................... de Paulo no início da Carta: Graça e paz a vós, da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 15. Gal 6, 18 .................. de Paulo no final da Carta: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja com o vosso espírito, irmãos. Amen. 16. Ef 1, 2 ....................... de Paulo no início da Carta: Graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. 17. Ef 6, 23.24 ............... de Paulo no final da Carta: Paz aos irmãos, bem como amor e fé da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo... A graça esteja com todos os que amam nosso Senhor Jesus Cristo. 18. Filip 1, 2 .................. de Paulo no início da Carta: A graça e a paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco. 19. Filip 4, 23 ................ de Paulo no final da Carta: A graça do Senhor Jesus Cristo

esteja com o vosso espírito. 20. Col 1, 2 .................... de Paulo no início da Carta: A graça e a paz de Deus nosso Pai estejam convosco. 21. Col 4, 18 .................. de Paulo no final da Carta: A graça esteja convosco. 22. 1 Tes 1, 1 ................. de Paulo no início da Carta: A graça e a paz estejam convos co. 23. 1 Tes 5, 28 ............... de Paulo no final da Carta: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco. 24. 2 Tes 1, 1 ................. de Paulo no início da Carta: A graça e a paz vos sejam dadas da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo. TEXTOS BÍBLICOS DO NOVO 79 TESTAMENTO

25. 2 Tes 3, 16 ............... de Paulo no final da Carta: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco. 26. 1 Tim 1, 2 ................. de Paulo no início da Carta: A graça, a misericórdia e a paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor. 27. 1 Tim 6, 21 .............. de Paulo no final da Carta: A graça esteja convosco. 28. 2 Tim 1, 2 ................. de Paulo no início da Carta: A graça, a misericórdia e a paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor. 29. 2 Tim 4, 22 .............. de Paulo no final da Carta: O Senhor esteja contigo e a graça vos acompanhe. 30. Tit 1, 4 ...................... de Paulo no início da Carta: A graça e a paz de Deus nosso Pai e de Jesus Cristo, nosso Salvador. 31. Tit 3, 15 .................... de Paulo no final da Carta: A graça esteja convosco. 32. Filem 3 ..................... de Paulo no início da Carta: A graça e a paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. 33. Filem 25 ................... de Paulo no final da Carta: A graça do Senhor Jesus Cristo esteja convosco. 34. Hebr 13, 25 ............. no final da Carta: A graça esteja convosco. 35. 1 Ped 1, 2 ................. de Pedro no início da Carta: A graça e a paz vos sejam dadas em abundância. 36. 1 Ped 5, 14 .............. de Pedro no final da Carta: Graça a todos vós, que estais em Cristo. 37. 2 Ped 1, 2 ................. de Pedro no início da Carta: A graça e a paz vos sejam dadas em abundância, pelo conhecimento de Deus e de Jesus, nos so Senhor. 38. 2 Ped 3, 18 .............. de Pedro no final da Carta: Crescei na graça e no conheci mento de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. 39. Judas 2 ..................... de Judas no início da Carta: Para vós, a misericórdia, a paz e o amor em abundância. 40. Ap 1, 4 ...................... de João no início do Apocalipse: A graça e a paz vos sejam dadas por Aquele que é, que era e que há-de vir, e pelos sete Espíritos que estão diante do seu trono.

SÚPLICAS 1. Mt 8, 2-8 .................. do leproso: Senhor, se quiseres, podes purificar-me... 2. Mt 8, 25 ................... dos discípulos: Senhor, salva-nos, que perecemos! 3. Mt 9,

141

27 ................... dos dois cegos: Filho de David, tem piedade de nós. 4. Mt 14, 30 ................. de Pedro: Salva-me, Senhor! 5. Mt 15, 22-25 ............ da cananeia: Senhor, Filho de David, tem piedade de mim... 6. Mt 17, 14 ................. do pai do epiléptico: Senhor, tem piedade do meu filho... 7. Mt 20, 30-33 ............ dos dois cegos: Senhor, Filho de David, tem piedade de nós... 8. Mt 26, 39-42 ............ de Jesus em Getsémani: Meu Pai, se é possível, afaste-se de Mim este cálice... 9. Mt 27, 46 ................. de Cristo na Cruz: Meu Deus, meu Deus, por que Me aban donaste? 10. Mc 14, 36 ................. de Jesus em Getsémani: Abba, Pai, tudo Te é possível; afas ta de Mim este cálice... 11. Lc 9, 38 .................... de um homem: Mestre, peço-Te que olhes para o meu filho... 12. Lc 18, 13 .................. do publicano: Deus, tem piedade de mim, que sou pecador. 13. Lc 23, 42 .................. do ladrão na cruz: Jesus, lembra-Te de mim, quando estive res no teu Reino. 14. Jo 12, 27-28 ............ de Jesus: Pai, livra-me desta hora... Pai, manifesta a tua glória... 8 0 SÉCULO I 15. Act 4, 24-30 .............. dos fiéis cristãos: Senhor, Tu é que fizeste o céu e a terra... 16. Rom 15, 5-6 ............. para a união de sentimentos: O Deus da paciência e da consola ção vos conceda toda a união nos mesmos sentimentos... 17. Rom 15, 13 .............. para a alegria e a paz: O Deus da esperança vos encha de toda a alegria e paz... 18. Rom 15, 30-33 ......... com doxologia: Exorto-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, a que luteis comigo... 19. Ef 3, 13-20 ............... com doxologia: Por isso, peço-vos que não desanimeis com as tribulações que sofro por vós... 20. Ef 4, 1-3 ................... pela unidade: Exorto-vos a que procedais de um modo digno do chamamento que recebestes... 21. Filip 1, 4-11 ............. com saudação: Em toda a minha oração por todos vós... 22. Col 1, 9-20 ............... pela fé: Não cessamos de orar por vós e de pedir a Deus... 23. Col 4, 3-4 ................. pelo apostolado de Paulo: Ao mesmo tempo, orai também por nós... 24. 1 Tes 3, 11-13 ......... pelos Tessalonicenses: O próprio Deus, nosso Pai, e nosso Senhor Jesus nos encaminhem até vós... 25. 2 Tes 2, 1-2 .............. pela fé: Pedimo-vos, irmãos, que não percais tão depressa a presença de espírito... 26. 2 Tes 2, 15-16 ......... para a consolação: Pedimo-vos, irmãos, que vos mantenhais firmes... 27. 2 Tes 3, 1 ................. pela evangelização: Quanto ao resto, irmãos, orai por nós para que a palavra do Senhor progrida... 28. Hebr 13, 18-19 ....... pela liberdade: Rezai por nós... para que eu vos seja restitu ído mais depressa. 29. Hebr 13, 20-21 ....... pelo progresso espiritual: O Deus da paz... vos torne aptos para todo o bem... 30. Ap 22, 20 ................. escatológica: Vem, Senhor Jesus. 142 UNÇÃO

1. Mc 6, 13 ................... os Doze, enviados em missão por Jesus:... expulsavam nu merosos Demónios, ungiam com óleo muitos doentes e cu ravam-nos. 2. Tg 5, 14 ................... texto de Tiago: Algum de vós está doente? Chame os presbí teros da Igreja e que estes orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor... 143 VIÚVAS 1. Mc 12, 42.43.44 ...... Jesus louva a viúva pobre:... Veio uma viúva pobre e deitou duas moedinhas, uns tostões... Esta viúva pobre deitou no tesouro mais do que todos os outros... Ela, da sua penúria, deitou tudo quanto possuía, todo o seu sustento. 2. Lc 2, 37 .................... a profetisa Ana:... ficou viúva até aos oitenta e quatro anos. Não se afastava do templo, participando no culto noite e dia, com jejuns e orações. 3. Lc 20, 47 .................. Jesus critica os doutores da Lei:... devoram as casas das viúvas, simulando longas orações... 4. Lc 21, 2.3.4 ............. Jesus louva a viúva pobre: Viu também uma viúva pobre deitar lá duas moedas insignificantes... Esta viúva deitou mais do que todos os outros... Ela, da sua indigência, deitou tudo o que tinha para viver.

Related Documents

Antologia
January 2021 0
Antologia
January 2021 0
Antologia Musical
January 2021 0
Antologia Cuentoterapia
January 2021 0
Antologia Poetica Arg
January 2021 0

More Documents from ""